Especiais |
Editora Lucerna publica novo livro
Pode Um Cristão Ser Maçon?
<<
1/
>>
Imagem

Numa parceria com a Lucerna, o Jornal VOZ DA VERDADE antecipa a publicação do livro ‘Pode Um Cristão Ser Maçon?’, da autoria de Monsenhor Dominique Rey, Bispo da Diocese de Fréjus-Toulon (França), transcrevendo um excerto desta obra que será editada ainda este mês.

 

A Maçonaria define-se a si própria como uma «sociedade iniciática» e uma «organização filantrópica e de procura filosófica». Embora seja difícil identificar o cerne da ideologia maçónica, desde logo porque a Maçonaria cultiva o segredo, mas também devido à sua ramificação em diversas correntes, alega-se que é seu objetivo «trabalhar para o progresso material e moral, bem como para o aperfeiçoamento intelectual e moral da humanidade». Diz-se ainda que não impõe nenhum «princípio», pretendendo antes reunir, para lá das fronteiras das diversas religiões e visões do mundo, homens e mulheres de boa vontade, na base de valores humanistas compreensíveis e aceitáveis por todos. A Maçonaria será assim, supostamente, um instrumento de coesão para todos quantos acreditam no chamado «Arquiteto do Universo» e se sentem comprometidos com determinadas orientações morais fundamentais. Dizem ainda os seus membros que não afastará ninguém da sua religião, podendo até constituir um estímulo para uma maior adesão a ela.

 

Que dizer de tudo isto? Será a fé católica conciliável com a Maçonaria? Qual é a posição da Igreja Católica sobre aquela que é a sociedade secreta mais influente do mundo e que razões justificam essa atitude?

É esta a problemática abordada de forma contundente e esclarecedora num pequeno livro da autoria de Monsenhor Dominique Rey, intitulado ‘Pode Um Cristão Ser Maçon?’. O livro, a publicar sob a chancela da Lucerna, estará à venda nas livrarias a partir do próximo dia 26 de Janeiro, podendo já ser reservado através do site www.lucerna.pt.

Passamos a transcrever um excerto da obra e a indicar os títulos do respetivo índice geral.

«Muitas pessoas se deixam seduzir pela generosidade, pelo espírito de tolerância, pela abertura a um certo humanismo e por um espiritualismo com os seus ritos próprios, que encontram no seio das lojas, sem serem capazes de discernir a incompatibilidade de fundo entre o cristianismo e a Maçonaria, havendo mesmo quem se declare maçon e católico!

Uma declaração do episcopado alemão de 1981 […] analisa de modo muito detalhado as razões de tal condenação. Essa declaração foi publicada na sequência de vários encontros oficiais que, num clima de diálogo e abertura, tiveram lugar de 1974 a 1981 entre a Igreja Católica e as grandes lojas unidas da Alemanha. A conferência episcopal alemã conclui: "Ainda que, por causa da perseguição que sofreu sob o regime nazi, tenha conhecido uma mudança no sentido de uma maior abertura a outros grupos sociais, a Maçonaria não deixa de continuar igual a si própria na mentalidade, na sua convicção fundamental e na sua atividade. As divergências que estiveram em causa dizem respeito aos fundamentos da existência cristã. As investigações levadas a cabo sobre os rituais e a espiritualidade maçónicos revelam claramente que está fora de causa a possibilidade de se pertencer simultaneamente à Igreja Católica e à Maçonaria".

A própria Maçonaria reconhece essa incompatibilidade. A prová-lo está o que diz a esse respeito Paul Gourdeau, antigo grão-mestre do Grande Oriente de França: "O que é importante compreender hoje em dia é que o combate que se trava atualmente condiciona o futuro, e mais ainda aquilo em que a sociedade se tornará, que assenta no equilíbrio entre duas culturas: uma fundada no Evangelho, a outra na tradição histórica de um humanismo republicano. E essas duas culturas são fundamentalmente opostas: ou a verdade revelada e intangível de um Deus que está na origem de todas as coisas, ou a verdade fundada nas construções do Homem permanentemente postas em causa porque suscetíveis de aperfeiçoamento até ao infinito.»

 

 

Índice

1. Como definir a Maçonaria?

2. A posição da Igreja Católica

3. Em que se baseia a hostilidade da Igreja Católica

em relação à Maçonaria?

4. O que é que a Igreja Católica condena?

5. Quais são as consequências teológicas

desta oposição?

6. Influência da Maçonaria na sociedade francesa

7. Que posicionamento assumir em relação à Maçonaria?

 

Anexo I Declaração sobre a Maçonaria, da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé

Anexo II A Igreja e a Maçonaria , Declaração da Conferência Episcopal Alemã

Anexo III Nota Doutrinal sobre Algumas Questões Relativas à Participação e ao Comportamento dos Católicos na Vida Política, da Congregação para a Doutrina da Fé

Anexo IV Carta Encíclica Fides et Ratio, de João Paulo II

Anexo V Nota Pastoral A Páscoa da Eucaristia, de D. José da Cruz Policarpo

 

(Para um maior aprofundamento deste tema, veja-se também Manuel Guerra, A Trama Maçónica, Principia, 2008  – www.principia.pt)

A OPINIÃO DE
P. Duarte da Cunha
Talvez não sejam os temas mais urgentes, mas são, certamente, emblemáticos, para explicar a necessidade...
ver [+]

Isilda Pegado
1. Está já anunciado na Comunicação Social que deram entrada no Parlamento dois projectos de Lei para ampliar os prazos para a prática do Aborto.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES