Missão |
Vera Sobrinho e Helena L. Monteiro, Coro da Capelania I.P.O. de Lisboa
Missão a cantar e rezar com os doentes de Oncologia
<<
1/
>>
Imagem

A Vera nasceu no Sobral do Monte Agraço e formou-se em Engenharia. A sua grande paixão cultural é a Música. É ela quem dirige e faz os arranjos instrumentais para o Coro do Instituto Português de Oncologia.

A Helena nasceu em Lisboa, é formada em Direito e tem no seu curriculum estudos musicais. É o braço direito da Vera no Coro da Capelania do I.P.O..

A animação da Eucaristia do Domingo e de festas especiais une gerações de pessoas que acreditam na música como meio privilegiado de partilhar a Fé, de alimentar a Esperança, de praticar a Solidariedade.

 

Há 20 anos…

O Coro da Capelania do I.P.O. viu a luz do dia há 20 anos. O P. Fernando Sampaio (então Capelão do I.P.O. de Lisboa) lançou o desafio ao Manuel Líbano Monteiro que fundou o Coro. Conta a Vera: “O Manuel tocou sempre guitarra clássica, adaptou os cânticos litúrgicos e dirigiu o coro durante a Eucaristia e nas principais festas do I.P.O. ao longo de muitos anos”.

Os tempos e os projectos ajustam-se. Diz a Vera: “O coro está em permanente crescimento e mutação, acompanhando o crescimento dos elementos na música e na vida. Cada elemento vai contribuindo de forma diferente. À medida que os miúdos foram crescendo e passaram a tocar instrumentos de cordas e sopro, acrescentamos… Desta forma, todos podem participar e sentir-se parte do projecto”.

 

As novas gerações…

As novas gerações gostam muito de ir ao I.P.O. para estar com os doentes, tocar e cantar: “Pertencer a este coro torna-se um exercício de responsabilidade para os miúdos. Eles sabem que ao Domingo de manhã alguém conta connosco e a responsabilidade está presente durante toda a semana. Ainda hoje cantamos uma música nova que um dos miúdos recolheu no colégio. É um trabalho de equipa… de complemento e contributo, onde cada um pode trazer novidade em música, instrumentos e pessoas… os miúdos por vezes chegam até a arrastar os amigos da escola de música” – partilha a Vera. “Esta acaba por ser uma escola para as crianças porem os dons e conhecimentos ao serviço de quem mais deles precisa” – conclui a Helena.

 

A Eucaristia, o centro…

A animação da Eucaristia é actividade pastoral mais continuada. Mas, ao longo do ano, há outros momentos em que se pode experimentar a qualidade musical e teatral do Coro. Assim, desde 2003 que é representado um Auto de Natal. 2005 foi marcado por uma grande representação de um Auto de Páscoa, baseado no musical Jesus Cristo Superstar, um quadro relacionado com a Paixão. Conta a Vera: “As crianças mais pequenas vestem-se, falam e representam as personagens. As mais velhas tocam e todos cantam. A assembleia assiste a um momento diferente de complemento para preparação das épocas festivas do Natal ou da Páscoa”. E envolve outros, como conta a Graça Azevedo: “Há algum tempo atrás, um grupo de amigos, alguns pertencentes ao coro, organizou-se para também visitarem os doentes durante a semana. Conversavam e davam algum conforto aos hospitalizados”.

 

Uma Missão em equipa…

A animação na Capela, Domingo após Domingo, começa com o ensaio dos cânticos. O grupo de músicos é plural: Instrumentos: Adultos - Vera Sobrinho no piano, João Líbano Monteiro na guitarra clássica e Helena Líbano Monteiro na direcção; Crianças – Beatriz no violoncelo, Benedita no cravo, Joana no piano, Miguel na viola-d’arco, Santiago no violino e Pilar na flauta transversal. Completa a Vera: “As crianças participam activamente com muita vontade e empenho. Os cânticos são cantados por todos e sempre acompanhados por um conjunto destes instrumentos. Os cânticos são escolhidos sob a orientação dos Padres Arlindo e Adelino Ornelas, que nos têm apoiado das mais variadas maneiras ao longo destes anos”.

 

Uma assembleia especial…

A assembleia é muito plural na sua constituição: doentes internados no hospital, doentes que já tiveram alta mas continuam a frequentar o Hospital ou a Capela, familiares dos doentes, médicos, enfermeiros, voluntários e também por paroquianos que vivem perto do hospital e fazem da capela a sua paróquia.De uma maneira geral, a assembleia é bastante activa e participativa.

Conclui a Helena: “Uma capela de um hospital como este precisa de sorrisos, animação… torna-se um local onde os doentes encontram apoio e esperança”.

 

PERFIL:

1966 – Nascimento da Helena Líbano Monteiro, em Lisboa

1967 – Nascimento da Vera Sobrinho, em Sobral do Monte Agraço

1992 – Criação do Coro da Capelania do I.P.O. – Lisboa, por Manuel Líbano Monteiro

2003 – Início da representação do Auto do Natal

2005 – Representação do Auto da Páscoa

Tony Neves
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Outubro ficará na história da Igreja em Portugal por dois principais motivos: a entrada, para o colégio cardinalício, de D.
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Se houve nas últimas décadas uma cristã militante social da maior relevância, exemplo do compromisso...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES