Especiais |
Renúncia Quaresmal
‘Igreja Solidária’ quer continuar a ser fundamental na ajuda aos carenciados
<<
1/
>>
Imagem

A Renúncia Quaresmal dos cristãos de Lisboa reverte este ano a favor do projecto ‘Igreja Solidária’, de ajuda às famílias carenciadas. Iniciado em Junho de 2009, este fundo diocesano já ajudou os desfavorecidos com mais de 150 mil euros e quer continuar a contribuir para a autonomização das famílias.

 

Na Mensagem para a Quaresma deste ano, o Cardeal-Patriarca de Lisboa anuncia que o fruto da renúncia que os cristãos da diocese fazem em tempo de Quaresma irá reverter para o projecto ‘Igreja Solidária’ e para os casos mais urgentes das comunidades. “A partilha fraterna do que temos, para ajudar os que têm menos, entre nós tem já a longa tradição da ‘Renúncia Quaresmal’. Este ano pensaremos sobretudo naqueles irmãos das nossas comunidades que foram mais atingidos pela actual crise. O resultado desta partilha engrossará o nosso Fundo Diocesano ‘Igreja Solidária’, mas encontraremos formas de ligar mais ao concreto, garantindo que cada comunidade possa destinar aquilo que recolhe aos necessitados da própria comunidade, sem esquecer que a verdadeira dimensão desta família de irmãos é a Diocese, e que uma organização diocesana, garantida pela Caritas, é conveniente e necessária”, escreve D. José Policarpo.

Tal como vem sendo hábito, o Patriarcado de Lisboa distribuiu por todas as paróquias da diocese o envelope da ‘Renúncia Quaresmal’ para que os cristãos possam entregar a partilha da sua renúncia. Serão estes donativos que reverterão em especial a favor do fundo diocesano ‘Igreja Solidária’, que foi criado em Junho de 2009 pelo Departamento Sócio-Caritativo da diocese, em estreita articulação com a Cáritas Diocesana de Lisboa. Nestes 26 meses de fundo diocesano, que destino a diocese tem dado ao dinheiro dos donativos? Quantas famílias carenciadas foram apoiadas? De que forma a renúncia dos cristãos na Quaresma terá efeito na vida concreta daqueles que passam por mais dificuldades? Conheça o ‘Relatório Síntese’ do fundo diocesano ‘Igreja Solidária’, onde é revelado toda a ajuda caritativa que o projecto tem prestado nestes quase três anos.

 

Mais de 100 auxílios

“Entre Outubro de 2009 e Janeiro de 2012 foram recebidas 133 propostas, sendo que, após análise técnica e deliberação do grupo coordenador, 110 dessas propostas foram deferidas e apenas 23 foram indeferidas, por não serem legíveis de acordo com o regulamento em vigor”, salientam os responsáveis pelo projecto ‘Igreja Solidária’, em comunicado enviado esta semana ao Jornal VOZ DA VERDADE. “Verificou-se uma frequência média de 5 pedidos por mês e foi atribuída uma média de 5.770,00¤ a cada mês”, acrescenta a nota, revelando ainda que das 110 propostas aprovadas “46 destinaram-se a famílias, 28 para agregados monoparentais, 28 para indivíduos sozinhos e apenas 8 para as próprias instituições requerentes”.

Os pedidos de apoio financeiro, “que surgem de diferentes pontos da Diocese de Lisboa”, não espelham ainda as muitas carências económicas existentes na zona geográfica do Patriarcado. “Ao longo destes 26 meses de implementação da ‘Igreja Solidária’, a média mensal é, sensivelmente, de 5 propostas por mês. De facto, o número de propostas contraria o cenário cinzento que se vive ao nível da conjuntura económica do país. Seria de esperar que o número de propostas fosse consideravelmente superior, contudo admite-se que parte significativa das respostas têm sido conseguidas desde logo ao nível das próprias paróquias”, adiantam os responsáveis pelo projecto.

Apesar de não ter “uma resposta para a discreta adesão das paróquias ao projecto”, o relatório síntese agora divulgado apresenta o caso de uma visita a uma paróquia. “Ainda há umas semanas atrás o secretariado visitou um centro paroquial que tem recorrido bastante à ‘Igreja Solidária’ e as duas técnicas de acção social foram unânimes em afirmar que os vários apoios da ‘Igreja Solidária’ (8, entre Fevereiro de 2011 e Janeiro de 2012) foram fundamentais para ajudar a desbloquear determinados processos e a contribuir para a autonomização das famílias”.

 

Tipo de apoio concedido

No que concerne ao último ano, os dados apurados indicam que a maioria das verbas atribuída pelo projecto ‘Igreja Solidária’ destinou-se “ao pagamento de rendas em atraso ou de empréstimos à habitação já em incumprimento (35 apoios)”. Igualmente relevantes foram os apoios “para pagamento de gastos habitacionais como a água, a luz ou o gás (8 apoios)” e para “a liquidação de propinas universitárias em dívida (7 apoios)”. Outras situações “como a regularização da permanência em Portugal” ou “o pagamento de medicação/tratamentos médicos”, embora relevantes, tiveram uma menor expressividade. “Até à data foram atribuídos 150.020,44¤ a propostas apresentadas pelas instituições sócio-caritativas e grupos paroquiais da diocese, que detectam as situações de carência para as quais não têm meios de acção, e recorrem à ‘Igreja Solidária’ na expectativa de obterem um financiamento pontual que ajude o indivíduo ou família a sair da situação de vulnerabilidade e a reorganizar-se”, salienta ainda o comunicado.

 

Contribuir para a autonomização das famílias

Em fase de balanço e reflexão, agora reforçado com o facto de o projecto ‘Igreja Solidária’ ser o destinatário da Renúncia Quaresmal, o secretariado do fundo diocesano tem procurado conhecer o impacto do contributo do projecto na vida das pessoas apoiadas. “A percepção que os técnicos e responsáveis locais referem é de que os vários apoios financeiros têm-se revelado fundamentais para ajudar a desbloquear determinados processos e a contribuir para a autonomização das famílias. Os utentes não têm disponibilidade mental e emocional para dedicar-se à procura de emprego ou à realização de uma formação profissional se tiverem dívidas pendentes e contas atrasadas para pagar”, garantem os responsáveis pelo projecto diocesano ‘Igreja Solidária’.

 

_________________


O projecto ‘Igreja Solidária’

O projecto ‘Igreja Solidária’ é uma iniciativa de cariz social criada por iniciativa do Patriarcado de Lisboa, em Julho de 2009, concretizado através do respectivo Departamento Sócio-Caritativo em articulação com a Cáritas Diocesana de Lisboa, a qual providencia todo o suporte operacional, apoiando também financeiramente. “Projecto inovador, na área da intervenção social com o objectivo de desenvolver modelos de cooperação entre instituições sócio-caritativas e grupos paroquiais, para melhor reagirem às situações-problema resultantes da actual conjuntura de crise económica, que afecta a vida de múltiplos indivíduos e famílias”, frisa o relatório.

As propostas de candidatura aos apoios por parte do projecto são, preferencialmente, requeridas pelos Centros Sociais Paroquiais e pelas Misericórdias, o que não exclui a colaboração de outros movimentos ou grupos religiosos, como é o exemplo das Conferências Vicentinas. Pelo contrário, a intenção deste projecto é precisamente incentivar as entidades locais a trabalharem em articulação numa lógica de rede e parceria. “Para requer ajuda, basta redigir um relatório simples com a informação social do indivíduo/família, isto é, dados de identificação do agregado; situação laboral; condição habitacional; estado de saúde; quadro de rendimentos/despesas; rede familiar ou solidária de suporte; pedido expresso à ‘Igreja Solidária’”, refere o relatório nos procedimentos para apresentação de pedido de apoio, sublinhando que “o tempo de análise e deliberação não é superior às 4 semanas”.

 

_________________


Como apoiar o projecto ‘Igreja Solidária’

Além da partilha através da Renúncia Quaresmal, que poderá ser entregue nas paróquias, é possível contribuir para este fundo diocesano através de transferência bancária para NIB: 0007 0000 0073 8184 5512 3.

 

_________________


Contactos do projecto ‘Igreja Solidária’

Morada: Av. Sidónio Pais, nº20 - 5º Dto., 1050-215 Lisboa

Telefone: 213573386

E-mail: info@igrejasolidaria.org

Site: www.igrejasolidaria.org

texto por Diogo Paiva Brandão
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
Isilda Pegado
1. Neste tempo, em que o individualismo parece imperar, apesar da destruição que gera na Sociedade,...
ver [+]

P. Duarte da Cunha
Que todos os homens querem ser felizes não parece ser objecto de discussão entre pessoas sãs. Todos queremos, de facto, ser felizes.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES