Roma |
A uma janela de Roma
“Documentos do Concílio Vaticano II são, para o nosso tempo, uma bússola”
<<
1/
>>
Imagem

Na semana em que começou o Ano da Fé, para celebrar os 50 anos do Concílio Vaticano II, teve início em Roma o Sínodo dos Bispos. Antes, o Papa peregrinou ao Santuário de Loreto e viu o seu ex-mordomo ser condenado. Finalmente, já está disponível o novo livro de Bento XVI.

 

1. O Papa considera que o Concílio Vaticano II reformulou a relação da Igreja com a idade moderna, de forma a melhor propor o Evangelho. Na audiência-geral de quarta-feira, 10 de Outubro, véspera da celebração dos 50 anos da abertura do Concílio Ecuménico Vaticano II, com o início do Ano da Fé, Bento XVI fez sua a afirmação de João Paulo II – “Sinto mais do que nunca o dever de propor o Concílio como a grande graça de que a Igreja beneficiou no século XX: nele se oferece uma bússola segura para nos orientar no caminho do século que se abre” – para lembrar a actualidade do Concílio. “Parece-me eloquente esta imagem. Os documentos do Concílio Vaticano II são, também para o nosso tempo, uma bússola que permite à nave da Igreja avançar pelo mar dentro, no meio de tempestades ou com ondas calmas e tranquilas, para navegar com segurança e chegar à meta”.

O Papa lembrou também a forma como viveu o Concílio. “Para mim foi uma experiência única: depois de todo o fervor e entusiasmo da preparação, pude ver uma Igreja viva – quase três mil Padres conciliares de todas as partes do mundo reunidos sob a guia do Sucessor do Apóstolo Pedro – que se põe à escuta do Espírito Santo, o verdadeiro motor do Concílio. Raras vezes na história se pôde, como então, tocar concretamente a universalidade da Igreja”.

Nesta audiência geral, pela primeira vez na história, a língua árabe foi também utilizada, tanto na apresentação dos respectivos peregrinos, como na apresentação de uma síntese da catequese do Papa e mesmo com uma breve saudação de Bento XVI. Esta inovação, segundo a Sala de Imprensa da Santa Sé, segue o “desejo do Santo Padre de manifestar o seu incessante interesse e o seu apoio aos cristãos do Médio Oriente, recordando a todos o dever de rezarem e de se empenharem pela paz na região”.

 

2. O Papa inaugurou no passado Domingo, 7 de Outubro, a 13ª assembleia geral ordinária do Sínodo dos Bispos, no Vaticano, durante uma celebração em que deixou apelos ao diálogo entre católicos, quem se afastou da Igreja e descrentes. Na homilia da Missa a que presidiu na Praça de São Pedro, Bento XVI defendeu uma acção “destinada principalmente às pessoas que, embora baptizadas, se distanciaram da Igreja e vivem sem levar em conta prática cristã”. Neste contexto, os católicos foram desafiados ao encontro com as pessoas, “indiferentes ou mesmo hostis”, para lhes anunciar “a beleza do Evangelho e da comunhão em Cristo”.

O Sínodo dos Bispos, que se vai prolongar até ao próximo dia 28, é dedicado ao tema ‘A nova evangelização para a transmissão da fé cristã’, contando com a maior presença de participantes na história destas reuniões: 262 cardeais, arcebispos e bispos, a que se juntam peritos e outros convidados, incluindo representantes de outras 15 Igrejas cristãs. Portugal está representado por D. Manuel Clemente, Bispo do Porto, e D. António Couto, Bispo de Lamego.

De salientar que a Missa foi antecedida pelo rito de proclamação de dois novos doutores da Igreja Católica: São João de Ávila, religioso espanhol do século XVI, e Santa Hildegarda de Bingen, monja e mística alemã do século XII.

 

3. No passado dia 4, a uma semana exacta do início do Ano da Fé, o Papa peregrinou ao Santuário de Loreto, em Itália, recriando os passos de João XXIII há precisamente 50 anos, em vésperas do Concílio Vaticano II. Bento XVI regressou a Loreto para confiar a Maria o Ano da Fé, que começou no dia 11. O Papa referiu-se à actual crise, possível de enfrentar com esperança se o Homem aceitar Deus na sua vida. “Na crise actual que atinge não apenas a economia, mas vários sectores da sociedade, a Encarnação do Filho de Deus demonstra quanto o Homem é importante para Deus e Deus para o homem”, afirmou, lembrando que “sem Deus, o Homem acaba por deixar prevalecer o seu egoísmo sobre a solidariedade e sobre o amor, as coisas materiais sobre os valores, o ter sobre o ser”.

 

4. O ex-mordomo do Papa, acusado de roubar documentos confidenciais do Vaticano, foi condenado a um ano e meio de prisão. A última sessão do julgamento confirmou a condenação de Paolo Gabriele, bem como a obrigação de pagar as custas judiciais relacionadas com o processo. O ex-mordomo enfrentava até quatro anos de prisão, mas viu a pena reduzida por “circunstâncias atenuantes”. Gabriele disse ter actuado por “amor profundo e visceral” à Igreja Católica e ao Papa que serviu.

 

5. O novo livro do Papa já está disponível. Os seus direitos já estão a venda na Feira Internacional do Livro de Frankfurt, tendo já 32 países manifestado interesse em adquirir os direitos de tradução da nova obra de Bento XVI. Intitulado 'A infância de Jesus', a obra escrita originalmente em língua alemã vai ter tradução em 20 línguas, incluindo o português. Segundo escreve o próprio Papa na introdução, "a infância de Jesus é uma espécie de sala de ingresso para os outros dois volumes já publicados sobre a figura e a mensagem de Jesus de Nazaré”.

Neste novo livro o Papa aprofunda a raiz teológica da alegria e tenta demonstrar como o Evangelho não é uma história do passado mas pertence ao presente e tem a ver com o homem contemporâneo. Em Itália a publicação deverá acontecer ainda antes do Natal, e sobre a edição em Portugal não há, ainda, conhecimento de qualquer data prevista.

Aura Miguel, à conversa com Diogo Paiva Brandão
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
António Bagão Félix
Na semana passada li uma entrevista com um candidato a deputado (cabeça-de-lista) pelo circulo eleitoral do Porto.
ver [+]

P. Manuel Barbosa, scj
Com “missão nas férias” não quero propor programas de férias missionárias, nem dizer que a missão está de férias.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES