Na Tua Palavra |
D. Nuno Brás
Alegra-te, ó Mãe Igreja
<<
1/
>>
Imagem

“Gaudet Mater Ecclesia” – “Alegra-se, a Mãe Igreja”: foi com estas palavras que, no final da solene celebração de abertura do Concílio Vaticano II, o Papa João XXIII começou o discurso que marcaria, para sempre, a realização daquele que foi o maior acontecimento eclesial do século XX, e que continua, no dizer do actual Papa, a ser hoje “a grande força para a sempre necessária renovação da Igreja”.

“Amanheceu o dia, tão ansiosamente esperado em que se inaugura o Concílio Ecuménico Vaticano II”, continuava então o Beato João XXIII, para, logo depois, elencar os motivos que o levaram a convocar aquela solene assembleia: “afirmar mais uma vez a continuidade do magistério eclesiástico, para o apresentar, em forma extraordinária, a todos os homens do nosso tempo, tendo em conta os erros, as exigências e as vantagens do momento que vivemos”. Na sequência destas palavras, o Papa apresentava o tema central do Concílio: “Cristo sempre a brilhar no centro da história e da vida”.

A Igreja de hoje é a de sempre. É a Igreja fundada por Jesus; é a Igreja dos Apóstolos Pedro e Paulo, a Igreja dos Santos, a Igreja dos Concílios. Ao longo dos séculos, muitos foram os momentos difíceis por que passou; muitos foram os desvios que alguns dos seus membros fizeram ao Evangelho e à missão que a Igreja recebeu de Jesus – por vezes convencidos de que estavam a realizar uma obra meritória. Mas o facto é que a Igreja sempre permaneceu firme, anunciando, de uma forma ou de outra, o verdadeiro Evangelho, que recebeu com a missão de levar ao mundo inteiro.

Esta é a Igreja, nossa Mãe. Com ela nos alegramos também nós, cristãos do séc. XXI, 50 anos depois do início do Vaticano II. Com ela, e com o que foi e é o Concílio. Não nos custa, por isso, assumir com disponibilidade tudo o que falta cumprir das decisões daquela grande assembleia, e tomar sobre nós a tarefa de continuar a pô-las em prática. Com o entusiasmo que nos vem do Evangelho e da certeza de Cristo vivo e presente na Igreja. Ou, para utilizar palavras recentes do Papa Bento XVI, no início do presente Sínodo dos Bispos, com “a verdade que se torna caridade, e a caridade que contagia, como fogo, também o nosso próximo”.

A OPINIÃO DE
António Bagão Félix
Na semana passada li uma entrevista com um candidato a deputado (cabeça-de-lista) pelo circulo eleitoral do Porto.
ver [+]

P. Manuel Barbosa, scj
Com “missão nas férias” não quero propor programas de férias missionárias, nem dizer que a missão está de férias.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES