Ano da Fé |
Conversas com Fé
Será que ainda hoje é possível 'morrer-se de amor'?
<<
1/
>>
Imagem

 

As paróquias da Baixa de Lisboa e a Livraria Ferin estão a promover um ciclo de conferências mensais em torno da fé. O jornal VOZ DA VERDADE apresenta nesta edição a síntese da primeira conferência, sobre a obra de Joseph Ratzinger, 'Introdução ao Cristianismo'.

 

A Introdução ao cristianismo, pode considerar-se a grande obra de J. Ratzinger. É uma introdução no verdadeiro sentido do termo, pois conduz o leitor para o interior mesmo do cristianismo. Segundo J. Ratzinger ela pretende «ajudar a compreender de uma nova maneira a fé como possibilidade de uma verdadeira existência humana no mundo de hoje, interpretando-a sem a transformar num mero palavreado que tenha dificuldade em esconder um vazio espiritual completo» (24).

 

Estrutura da obra

A Introdução ao cristianismo está organizada em três partes centrais, cada uma delas dedicada aos artigos do Credo respeitantes a cada uma das pessoas da Santíssima Trindade. É clara a estrutura trinitária do Credo, que se inspira na profissão de fé baptismal. Temos assim o primeiro capítulo central sobre Deus, o segundo sobre Jesus Cristo, e o terceiro capítulo central sobre o Espírito Santo e a Igreja. Mas estes três capítulos são antecedidos de uma introdução onde J. Ratzinger se ocupa do acto de fé, anterior aos seus conteúdos, sobre a qual gostaria de me deter.

 

O acto de fé como risco da existência na dialéctica entre incerteza e esperança

J. Ratzinger apresenta-nos na introdução (25-69) em que consiste o acto de fé, ainda antes da apresentação dos seus conteúdos. O que ele diz sobre a dúvida e a incerteza - que aproximam o crente do descrente no risco total de quem se lança no abismo – é verdadeiramente insuperável: «se o fiel só pode realizar a sua fé sobre o oceano do nada, da tentação e da dúvida, sendo oceano das incertezas o único lugar possível da sua fé, devemos admitir, dialecticamente, que o descrente, por outro lado, também não pode ser visto simplesmente como um ateu»[1]. E mais adiante: «Portanto, assim como o fiel se sabe constantemente ameaçado pela incredulidade que o acompanha como uma tentação sem fim, também a fé constitui para o incrédulo uma ameaça e uma tentação para o seu mundo aparentemente completo. Por outras palavras, não há como escapar do dilema da existência cristã. Quem quiser fugir das incertezas da fé terá de suportar as incertezas da ausência da fé e nunca poderá dizer com certeza definitiva que a fé não é a verdade. Só na recusa da fé se revela a sua irrecusabilidade»[2]. J. Ratzinger conclui a sua exposição sobre o princípio de incerteza: «Faz parte da configuração fundamental do destino humano poder encontrar o carácter definitivo da sua existência tão somente na rivalidade interminável entre a dúvida e a fé, entre a tentação e a certeza. Talvez seja justamente a dúvida aquilo que protege ambos da reclusão exclusiva no seu próprio eu, o lugar em que a comunicação poderá realizar-se»[3].

A fé significa «um salto sobre um abismo infinito, ou seja, sobre o mundo tangível que se impõe ao homem: desde sempre, a fé teve uma conotação de ruptura e de salto arriscado, porque representa, em qualquer época, o risco de aceitar como verdadeira realidade e verdadeiro fundamento aquilo que é invisível por natureza. A fé nunca foi simplesmente uma atitude que descesse de forma automática até ao desnível da existência humana; ela foi sempre uma decisão que envolve toda a profundidade da existência, exigindo sempre uma viragem do homem condicionada por uma decisão»[4].

Aqui está o sentido do creio com que se inicia o Credo e esclarecer isto, o sentido e o alcance de eu creio, é o objecto de uma introdução ao cristianismo. Diz J. Ratzinger, «a questão fundamental de uma introdução ao cristianismo é tentar esclarecer o que significa que um homem afirme 'creio'»[5], na consciência das dificuldades que se colocam ao homem no acto existencial da sua decisão no horizonte das diversas configurações filosóficas a respeito da verdade, desde o plano da metafísica, em que a verdade está ligada ao ser, até ao campo actual da perspectiva histórica de compreensão da realidade, onde a verdade se encontra no futuro, no plano da investigação e da invenção de um mundo novo.

A fé cristã é caracterizada pelo seu radical positivismo, o paradoxo do mistério da incarnação e da cruz: este «positivismo cristão, a positividade irrevogável da religião cristã»[6] têm como consequência que «Deus ficou tão perto de nós que podemos matá-l'O, de modo que parece deixar de ser Deus para nós»[7]. Os limites e as fronteiras entre a atitude mais profunda do crente e a incerteza da descrença aproximam-se e podem coincidir na mesma pessoa, como em Santa Teresinha do Menino Jesus que confessava ser envolvida pelas dúvidas do pior dos materialistas[8].

A fé tem a ver com os fundamentos sobre os quais o homem edifica o projecto da sua existência. Será na dialéctica entre acreditar e confiar que poderá esperar-se o encontro do amor. Mas para isso será necessário passar pela morte: o morrer de amor de Cristo que salva o mundo. Mas será que ainda hoje é possível morrer-se de amor?

 


[1] J. RATZINGER, Introdução ao cristianismo (Cascais: Principia 2005) 31.
[2] J. RATZINGER, Introdução ao cristianismo, 32.
[3] J. RATZINGER, Introdução ao cristianismo, 33.
[4] J. RATZINGER, Introdução ao cristianismo, 36.
[5] J. RATZINGER, Introdução ao cristianismo, 33.
[6] J. RATZINGER, Introdução ao cristianismo, 38.
[7] J. RATZINGER, Introdução ao cristianismo, 38.
[8] J. RATZINGER, Introdução ao cristianismo, 29.
texto por padre José Jacinto Ferreira de Farias, scj, teólogo
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Foi há alguns dias que, na espaçosa capela de um colégio, presenciei uma cena que me deu que pensar.
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Celebram-se este ano cem anos do nascimento de Sophia de Mello Breyner, um sinal muito português e universal de talento, sensibilidade e sabedoria.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES