Domingo |
À procura da Palavra
A alegria em gestos

DOMINGO III DO ADVENTO Ano C

Que devemos fazer?”

Lc 2, 10

  

Confundimos muitas vezes a alegria com o prazer e com a felicidade. Estando intimamente ligados, estes três conceitos são muitas vezes mal interpretados. Quem nunca ouviu os lugares comuns: “o que dá prazer ou é pecado ou faz mal à saúde”, “muito riso, pouco siso”, “feliz?... só um dia…no céu”! Não podemos negar que somos herdeiros de uma perspectiva fatalista da vida em que as dimensões da alegria são de segundo plano, perante a seriedade da existência. E a fé cristã tem-se ressentido desse cinzentismo com que tudo é pintado, esquecendo as admiráveis cores e as mais profundas sensações com que Deus tudo criou.

João Baptista parece contrastar neste domingo dedicado à alegria, mas talvez isso seja um preconceito em relação à austeridade das suas vestes e ao convite à conversão que ecoa da sua boca. Não existe uma grande alegria na possibilidade de mudar as nossas vidas e sintonizar com o projecto feliz de Deus? Claro, precisamos acreditar que tal projecto é feliz, não é? E a imagen do “deus castigador das alegrias e dos prazeres humanos” ainda tem muita força. Quando perceberemos que o prazer só não traz felicidade quando é egoísta e fechado, quando isola e não se multiplica em dom para outros? Mas as palavras de João Baptista surpreendem. À pergunta “que devemos fazer?”, expressão de quem busca a felicidade, não responde com propostas radicais de abandono daquilo que se faz, mas propõe pequenas mudanças: partilhar o pouco que se tem com quem tem ainda menos, mostrar humanidade e compaixão para com os que estão sob a nossa autoridade. Mudar a vida não é apenas ter entusiasmos de generosidade ou pôr luzes e decorações natalícias para lembrar que é Natal, e que Jesus nasceu pobrezinho e nuzinho há dois mil anos. O empobrecimento involuntário deste tempo de crise demanda um outro, voluntário, em que damos o que não necessitamos para viver. Que alegria nascerá dessa opção?   

O dedo de João Baptista aponta aquele que é maior do que ele, e em quem podemos alegrar-nos. Alegramo-nos habitualmente com coisas, com experiências, com a vinda e o encontro de alguém querido. Mas São Paulo convida-nos a alegrar-nos “em Jesus”. Quer dizer, a encontrar n’Ele a alegria que não passa nem se gasta, a alegria da vida em união com Ele, da nossa vida transformada pelo seu amor. E a felicidade deixa de ficar dependente daquilo que nos falta (às vezes tantas coisas inúteis!) e torna-se o agradecimento daquilo que somos e de tanto amor que recebemos. É a felicidade de “fazermos o que devíamos fazer”, para lá da vitória ou da derrota. E a alegria é o seu fruto mais visível, o seu gesto mais eficaz!

P. Vítor Gonçalves
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
António Bagão Félix
Na semana passada li uma entrevista com um candidato a deputado (cabeça-de-lista) pelo circulo eleitoral do Porto.
ver [+]

P. Manuel Barbosa, scj
Com “missão nas férias” não quero propor programas de férias missionárias, nem dizer que a missão está de férias.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES