Missão |
Mário Nogueira
Celebrar o 60º Dia Mundial dos Leprosos
<<
1/
>>
Imagem

Neste 60º Dia Mundial dos Leprosos, que é assinalado neste Domingo, 27 de janeiro, damos a conhecer Mário Nogueira, que, há 25 anos, trabalha na luta contra a doença.

 

A infância em Bragança e a descoberta da ação missionária da Igreja

Mário Nogueira, fundador e atual diretor da Associação de Solidariedade Mãos Unidas Pe. Damião, é natural da pequena freguesia de Soeima, no distrito de Bragança. Nasceu no seio de uma família profundamente católica que, desde cedo, o levou a apaixonar-se pela Igreja e pela sua proposta. Estudou no Seminário de Bragança e completou o antigo 7º Ano Liceal no Liceu Nacional da mesma cidade. Ainda jovem, veio para Lisboa e é aqui que completa os estudos em Contabilidade, Gestão e Administração de Empresas. Durante este tempo, os dias eram repartidos entre a escola e a empresa de equipamentos industriais, onde trabalhava e onde chegou a chefe de secção. É nesta altura que o futuro fundador da Associação Mãos Unidas Pe. Damião, empenhado na atividade missionária da Igreja, funda o Movimento Missionário Jovem. Estávamos no ano de 1984. Três anos mais tarde, juntamente com os Jovens Sem Fronteiras, realiza com enorme êxito, o 1º Festival Nacional da Canção Missionária.

 

Servir os leprosos sem reservas

É, precisamente, no final do festival que o então Superior dos Missionários Combonianos, o Pe. Alexandre Ferreira, convida Mário Nogueira a integrar o grupo que se preparava para criar uma Instituição de Solidariedade de ajuda aos doentes de lepra. No meio de tantos afazeres, entre os estudos, o trabalho e as inúmeras atividades na paróquia, Mário hesita em aceitar tamanho convite. No entanto, recorda que se sentiu impedido a participar desta nova iniciativa e avançou com imensa vontade de servir.

As primeiras tarefas foram burocráticas. Mário dividia-se entre a elaboração dos estatutos e a tesouraria da nova associação. Durante os dois anos seguintes, conciliou o trabalho da associação com a sua vida profissional e formativa. Após concluir os estudos, foi colocado como docente na Escola C+S de Algés. Inicialmente, recorda que ainda foi possível conciliar o trabalho na associação com a docência. No entanto, rapidamente se apercebeu que seria difícil empenhar-se com qualidade nas duas atividades. Depois de um período de reflexão, optou por abandonar a docência e dedicar-se exclusivamente à associação. Mário recorda que “era começar do quase nada, um enorme desafio que ninguém queria arriscar.” Mas ele arriscou. E durante 10 anos dedicou todo o seu tempo à associação, “com muita esperança e confiança em Deus.”

 

A fundação da Associação Mãos Unidas P. Damião

Na altura, a associação dedicava-se exclusivamente à luta contra a lepra, mas Mário sentia que era necessário dar resposta a pessoas que vivem com outras doenças, como a tuberculose, a malária, paralisia infantil e HIV-Sida, bem como a crianças órfãs e a pessoas com deficiência. É, então, em 1998, que decide criar uma outra associação, à qual deu o nome de Associação Portuguesa de Solidariedade Mãos Unidas Padre Damião, que trabalha segundo o espírito de S. Damião de Molokai, o apóstolo dos leprosos e que hoje integra diversas organizações nacionais e internacionais, nomeadamente o CERCLE, do qual Mário Nogueira já foi presidente.

Atualmente, Mário Nogueira é o Diretor Nacional da Associação que fundou e a sua vida é preenchida pelas suas três paixões, como lhes costuma chamar: a associação, a paróquia e a família. Mário é casado e tem três filhos rapazes, de 17, 16 e 5 anos. Este ano celebra 25 anos de solidariedade humana e cristã e celebra-os “continuando a servir o Senhor no doente de lepra, tuberculose, de sida, no desempregado, no faminto.” E afirma, “quero celebrar os meus 25 anos de solidariedade com algumas iniciativas e uma delas já está à porta, que é celebrar o Dia Mundial dos Leprosos, realizando campanhas de sensibilização e divulgação e de recolhas de fundos, a fim de apoiarmos os projetos de Luta Contra a Lepra.”

Mário Nogueira escreveu em 2008, por ocasião do 10º aniversário da associação, o seu primeiro livro, intitulado P. Damião de Molokai: O Construtor da Esperança, em 2009 editou o livro S. Damião de Molokai: Testemunhos de uma vida Heroica e em 2010 publicou o livro Rezar o Terço com S. Damião de Molokai. Atualmente, prepara-se para editar mais um livro, que será publicado durante o tempo da Quaresma, que se aproxima, e que se intitula A Via-Sacra Missionária de S. Damião de Molokai.

texto por Ana Patrícia Fonseca, FEC - Fundação Fé e Cooperação
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
António Bagão Félix
Na semana passada li uma entrevista com um candidato a deputado (cabeça-de-lista) pelo circulo eleitoral do Porto.
ver [+]

P. Manuel Barbosa, scj
Com “missão nas férias” não quero propor programas de férias missionárias, nem dizer que a missão está de férias.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES