Mundo |
Quénia: quando uma rádio é mensagem de Luz
“Maata Maria, Ileleba Akuj kon…”
<<
1/
>>
Imagem

“Avé Maria, cheia de graça…” Na Diocese de Lodwar, no Quénia, desde que a Igreja passou a ter uma rádio para difundir a Palavra de Deus, praticamente todos os dias as aldeias se juntam para a oração do Terço.

 

O céu escurece em tons que fazem sobressair o azul, que se vai tingindo de farrapos de vermelho, como se o sol, que se esconde ao longe, largasse um manto sobre a terra cobrindo-a de calor mesmo durante a noite. O Padre Avelino Bassols, da comunidade missionária São Paulo Apóstolo, já viu milhares de vezes aquela opulência de cores e cheiros, já sentiu o ar forte, quente, a rara brisa e, mesmo assim, sabe que cada entardecer é como se fosse o primeiro, como se fosse único. Em África é assim. A natureza impera e a própria vastidão da paisagem menoriza-nos, reduz-nos à nossa mera insignificância, humaniza-nos. O Padre Avelino sabe bem o que é a distância dos lugares por ali, em África. Cada aldeia, às vezes apenas três ou quatro palhotas escondidas em zonas onde a vegetação é menos exuberante, pode ficar quase a um dia de viagem. O contacto com as pessoas é difícil e extenuante.

 

Rezar o Terço ao entardecer

A Diocese de Lodwar é quase um mundo. Apesar de todos verem o mesmo pôr-do-sol e de reconhecerem as mesmas estrelas no céu, dificilmente alguém atravessa Lodwar de uma ponta à outra no mesmo dia. A diocese tem praticamente o tamanho da Irlanda e uma população de quase 900 mil pessoas. Ao todo, há apenas vinte e cinco paróquias. São enormes mas estão apenas salpicadas, aqui e além, de pequenos aglomerados de pessoas. Chegar a todas as aldeias é um drama maior. Para se ultrapassar o problema, a Igreja investiu numa rádio. Ninguém poderia supor o rápido sucesso de tal empreendimento. Mas a verdade é que a Rádio Akicha, que significa Luz, foi adoptada praticamente por todos e hoje ninguém se surpreende se, ao entardecer, numa qualquer pequena aldeia na Diocese de Lodwar, no Quénia, todos estiverem reunidos em redor de um pequeno rádio a rezar o Terço, a implorar a protecção a Nossa Senhora. Parece estranho?

 

A magia da rádio

Hoje, quem viajar pelas estradas empoeiradas do Quénia, longuíssimas, às vezes parecendo apenas uma linha que se estreita no horizonte até desaparecer, poderá ainda ouvir a voz rouca de Meryl Streep a ler as primeiras linhas do diário da baronesa Karen von Blixen, em África Minha – “I had a farm in Africa at the foot of the Ngong Hills…”. Há uma magia no cinema que torna isso possível. O mesmo se passa com a rádio. Uma simples telefonia desperta a imaginação, faz rir e chorar, contagia qualquer pessoa.
A rádio Akicha, que a diocese só conseguiu lançar com o apoio da Fundação AIS, tem sido o grande instrumento de evangelização em Lodwar. A maior parte da população é analfabeta, a pobreza é generalizada e a Igreja é, para muitos, o único interlocutor válido. Através da rádio, é possível melhorar o sistema de ensino, colaborar em campanhas de saúde, alertando, por exemplo, para os riscos de epidemias, a disseminação do HIV-SIDA, o perigo do alcoolismo. Desde 2008 que a Rádio Luz emite diariamente na língua local, o Turkano. “Graças à nossa estação – diz o bispo, Monsenhor Dominic Kimengich – podemos difundir notícias locais, nacionais e da Igreja universal, contribuindo assim para a formação e educação de todos, especialmente dos mais novos.”

 

Ouvir a Palavra de Deus

A diocese tem ficado surpreendida até com o sucesso dos programas de rádio. Grande parte da população do Quénia professa o Cristianismo, mas há zonas onde a religião muçulmana tem alguns seguidores. Também eles, porém, são ouvintes atentos da Rádio Akicha. Afinal, programas onde se ensina a purificar a água, a promover uma melhor e mais diversificada alimentação, ou a tratar algumas doenças, interessam a todos. Até porque a Igreja descobriu que a melhor forma de levar a informação a todos é através de programas de entretenimento, como as radionovelas.
Mas o que continua a comover o Padre Avelino é descobrir todos os dias, quase sempre ao entardecer, como a oração do Terço continua a reunir as aldeias em torno de simples aparelhos de rádio. Normalmente são as mulheres, mas também os mais idosos e as crianças. O céu escurece e as vozes enchem o ar repetindo: “Maata Maria, Ileleba Akuj kon” – Avé Maria, cheia de graça…”

 

Saiba mais em www.fundacao-ais.pt

Fundação Ajuda à Igreja que Sofre
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
António Bagão Félix
Na semana passada li uma entrevista com um candidato a deputado (cabeça-de-lista) pelo circulo eleitoral do Porto.
ver [+]

P. Manuel Barbosa, scj
Com “missão nas férias” não quero propor programas de férias missionárias, nem dizer que a missão está de férias.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES