Domingo |
À procura da Palavra
Carta a Maria Madalena

DOMINGO DE PÁSCOA

"Maria Madalena foi de manhãzinha, 

ainda escuro, ao sepulcro 

e viu a pedra retirada do sepulcro."

Jo 20, 1

 

Não sei bem como tratar-te: irmã, amiga, mulher. Respeitosamente devia tratar-te por santa mas algumas imagens que fizemos de ti representam-te tão "Madalena arrependida", ou de olhos postos no alto que, à maneira de tantos outros santos, quase não pareces ter andado neste mundo. E se foste uma "mulher do mundo" ou "libertada de sete espíritos", o que sabemos é que o encontro com Jesus te transformou.

Algumas vezes foste identificada com a mulher adúltera, com uma prostituta, com Maria irmã de Marta e de Lázaro, e com tantas Marias do Evangelho. Talvez em ti houvesse um bocadinho de todas elas e de outras que foram discípulas de Jesus. Não fizeste parte dos Doze, mas bebeste as mesmas palavras recriadoras e acompanhaste os gestos luminosos que Jesus ia oferecendo. Estavas também na Ceia? A que distância fizeste o caminho doloroso para o Calvário? Como amparaste a mãe de Jesus e ficaste junto à cruz? Que turbilhão de sentimentos, de sonhos desfeitos, de trevas lhe encheram a alma? Era preciso tanto sofrimento?

Em muitas pinturas ainda levas o vaso de perfume para ungir o corpo de Jesus. Apressaste a aurora e nem a escuridão te meteu medo para ires ao sepulcro. Precisavas tocar o corpo sem vida daquele que fazia reviver tudo, para acreditar que era verdade e não fora um sonho mau. Quando viste a pedra retirada do sepulcro pensaste que alguém tinha roubado o corpo de Jesus. E correste contar a Pedro e a João. Ficaste ainda mais perdida e mais só? Quantas vezes nos sentimos também assim! Quando a rotina e a dureza do coração nos acomodam, e já não procuramos reavivar o amor. Ficaste por ali, certamente, depois de eles partirem. Choravas quando alguém te falou. "O jardineiro", pensaste que tinha sido ele a levar Jesus? E só quanto Jesus disse o teu nome O reconheceste! Porque é um encontro pessoal e único que Ele quer fazer com cada um. Um encontro e não uma doutrinação, uma lição de teologia E só aí a alegria verdadeira nos enche. A mesma alegria que te fará correr de novo para os discípulos a dizer-lhes o que Jesus te pediu. Reparaste? Pela primeira vez Jesus chamou-lhes, e a nós, "irmãos". Que palavra espantosa! E que responsabilidade! Como seria diferente o poder se fosse habitado por mais fraternidade!

Mais nada sabemos de ti pelos evangelhos. E muitas teorias se fizeram sobre o teu amor a Jesus. Mas eu vejo-te em tantas mulheres que são como tu, anunciadoras de Jesus vivo, pelos muitos gestos de coragem, de ousadia, de procura, de persistência, de justiça, de amor sincero que transformam as trevas em luz.

Obrigado, santa e irmã, Maria Madalena, por me ensinares a amar Jesus!

P. Vítor Gonçalves
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
António Bagão Félix
Na semana passada li uma entrevista com um candidato a deputado (cabeça-de-lista) pelo circulo eleitoral do Porto.
ver [+]

P. Manuel Barbosa, scj
Com “missão nas férias” não quero propor programas de férias missionárias, nem dizer que a missão está de férias.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES