Especiais |
Sector da Pastoral Familiar
Familiarmente
<<
1/
>>
Imagem
A mudança de atitude perante a vida, associada a uma forma mais humana de estar no mundo, faz parte da consciência cristã na evolução do carácter humano. Porém, o ponto mais sensível é perceber a necessidade de nos despirmos de uma “cultura do bem-estar” que nos deixa preguiçosos, egoístas e sem coragem para o bom combate. 

 

Bicho-carpinteiro

Ajoelhado diante da cruz, as memórias corriam-lhe na mente e no coração, ferozes como ondas em mar de inverno.

- Vamos, Paulinho, horas de ir para a cama! – ordens benevolentes da avó Amália.

- Tu-Tu-Tu-Tuuuuu! E o “licopeto” passa na “seuva” junto…

- Junto a nada, filho. Anda lá!

- Só “cando” a mamã chegar! Ela “mora” ainda?

- A mamã teve…

- Já sei! “Outa runião.”

- Foi isso mesmo. Agora vens para a caminha, que te conto uma história, está bem?

- Mas tem de ser de guerra, batalhas e …

- Heróis, como sempre!

- Comó papá! Foi um “gande eoi, vedade vó?!”

- É sim, meu filho. Agora as orações da noite. Vá, repete com a avó “ Anjo da Guarda, minha companhia…”

Mas já não ouvia nada. O cansaço enterrara-o num sono profundo.

Era assim desde que o pai morrera e a mãe se entregara de corpo e alma ao trabalho, para esquecer sonhos de futuro caídos por terra. Valia-lhe a avó Amália, seu verdadeiro Anjo da Guarda e doce companhia.

Dos tempos da escola, vinham-lhe outras lembranças queridas. Do Carlos e das futeboladas no pátio. Depois era o turbilhão.

- Ó menino, a que horas chegas a casa, que não almoçaste o que te deixei… E olha que muito me custa deixar-te o almoço, antes de sair para o trabalho!

- Não deixes! Fui a casa de uns amigos e almocei com eles…

- Ao menos podias avisar. Quando não sei de ti, fico preocupada. Não paras, nunca paraste, mesmo antes de nasceres…

- Já sei a história! Parece que tenho bicho-carpinteiro…

Mas o bicho-carpinteiro tornou-se um bicho pior. Faltava às aulas, ia para os cafés ou bares das redondezas, não seguia a matéria, tirava maus resultados. Ralhetes não faltavam. Paciência para escutar, essa sim, não existia. O futuro era aquele momento e o seu anjo da guarda já não estava por perto para o chamar à razão…

Uma doença súbita da mãe fê-lo voltar a estudar, concluir o secundário e, quem sabe, pensar num futuro possível.

- Está? Dona Leonor? É o Carlos…

- Olá filho! Há quanto tempo…

- É verdade, mas a Faculdade absorve-nos …

- E está tudo a correr-te bem?

- Sim, graças a Deus. Sabe, gostava muito de falar com o Paulo. Há muito que não sei nada dele…

- Finalmente concluiu o 12.º! Foi um alívio!

- Ora aí está uma boa notícia. Tenho uma proposta a fazer-lhe. E não fique aflita se ele aceitar. Vai ser uma ótima experiência.

- Se é contigo…

E era com o Carlos e com o Afonso. Um Verão de trabalho voluntário em África. Precisamente África, de que o pai lhe falara tantas vezes. Ser trabalho voluntário era o preço que tinha de pagar por pisar aquele continente místico, cuja “terra tem uma cor e cheiro diferentes. E o pôr-do-sol é único!” Palavras que lembrava saírem da boca do pai e que ele retivera no fundo da memória, com encantamento.

Chegados à Missão, o deslumbramento foi a dura realidade dos que ali viviam. Como era possível viver e sobreviver daquela maneira?!

As imagens românticas de “África minha” estavam a anos-luz da crueza das crianças que, felizes, brincavam com uma bola de trapos e comiam uma refeição quente por dia, preparada pelas mãos carinhosas das irmãs e dos voluntários que de tudo faziam para afastar o sofrimento daqueles seres indefesos que nada tinham.

Enquanto, zelosamente, cumpria os trabalhos que lhe tinham sido atribuídos, era seguido por um menino traquinas, a quem dera o nome de Bicho-carpinteiro, em memória do seu “ eu”, que se esfumara no tempo, e em memória da sua querida avó Amália, que assim o apelidara, desde que o vira pela primeira vez.

- O menino não para quieto. Parece quem tem bicho-carpinteiro! É preciso batizá-lo, para que o Senhor o proteja e lhe dê a paz.

A paz, a verdadeira Paz, estava a experienciá-la a milhares de quilómetros de casa, numa África sonhada, que era, ao mesmo tempo e inexplicavelmente, sonho e pesadelo. Sonho, porque sempre se identificara com as paisagens que o pai lhe descrevera; pesadelo porque o sofrimento daqueles que o rodeavam era muito; sobretudo o sofrimento da sua sombra, o pequeno Bicho-carpinteiro, vítima de Sida e condenado por tuberculose, devido à fome e falta de cuidados que passara.

Assim, depois dos trabalhos do dia, ia com o “seu menino”, jogar à bola, contar e ouvir histórias, fazer música e vê-lo adormecer sossegado no seu colo.

Preocupados estavam os amigos Carlos e Afonso, que não previam aquela dedicação. E tuberculose e HIV são companheiros mal vistos em qualquer parte do mundo, muito mais em África, onde não há recursos para prevenção.

- Deixa o miúdo com as irmãs. É melhor ficar na enfermaria. Tem vigilância, não lhe faltam os cuidados básicos e fazemos o que prometemos à tua mãe – levar-te de volta são e salvo.

Era impossível, até como hipótese. Aquele menino mexera profundamente com ele. Tornara-se humilde com ele; tornara-se carinhoso para ele; servia os outros para o servir a ele. Era o seu menino, o seu “bichinho-carpinteiro”, que tanto amava a vida, tendo a morte por perto.

Com ele e por ele, a sua vida mudara. Quando o deixou partir, acreditou que a vida daquele menino não podia terminar no momento em que fechara, para sempre, os grandes olhos negros, doces e sorridentes. Recordou, então, palavras da boa avó Amália, que falavam de vida eterna, palavras que o haviam embalado como uma cantiga, e que esquecera.

Agora, diante de Deus, que prometia servir para sempre, dava Graças pelo rumo que a sua vida tomara, por aqueles olhos negros que o seguiam e que haviam tornado sua aquela África, para onde ia, em breve, voltar.

 

___________________


Teologia do Corpo

A Teologia do Corpo é o nome que se dá às reflexões teológicas, pastorais, espirituais a partir das catequeses de João Paulo II de 1979 a 1984. Trata-se de um manancial fundamental para percebermos quem somos, o que é o amor, para perceber o sentido da moral cristã e os porquês das posições da Igreja nos debates atuais sobre casamento, vida, procriação, etc.

O painel de oradores fala por si, neste acontecimento onde estarão presentes os mais conceituados estudiosos da Teologia do Corpo no Instituto Pontifício João Paulo II. Testemunhos de todo o mundo vão surpreender com a forma como trabalharam a Teologia do Corpo e a colocaram ao serviço das suas profissões, em temas tão variados como as questões da família nos nossos tempos, as relações conjugais, a homossexualidade, a pornografia, a paternidade e a maternidade, a educação, etc.

Quem participar neste Simpósio vai sair mais entusiasmado, mais certo do amor de Deus e mais preparado para a missão educativa que todos temos.

De 13 a 16 de Junho em Fátima – e embora possa ser difícil para algumas famílias – lançamos este convite, na certeza de que vale mesmo a pena fazer tudo para poder participar.

Para mais informações: 4tobis@gmail.com, ou visitar o site www.4tobis.pt

 

___________________


Catequese doméstica: "Crendo tiveram vida"

O Dia da Evangelium Vitae é uma iniciativa anunciada por monsenhor Rino Fisichella, presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização, e que terá lugar nos dias 15 e 16 de junho.

O objetivo deste tempo é dedicar toda a nossa atenção ao compromisso da Igreja na promoção, respeito e proteção da dignidade da vida humana. Por esta ocasião, o Santo Padre presidirá à Eucaristia, no domingo 16 de Junho.

Os pais que geram os seus filhos no Amor de Deus sabem bem como é importante ensinar, vivendo o grande valor pela vida humana, no respeito pela diferença e no acolhimento de cada um como o resultado da criação divina. A transmissão e a educação da fé cristã na família é uma missão da família, até porque é a expressão viva do respeito pelos valores cristãos na vida de cada um de nós, na vida da Igreja e na vida social.

Recordemo-nos que a transmissão da fé deve ser feita em primeiro lugar pela família. De facto, não basta transmitir a vida biológica; é necessário, por meio da educação, ensinar o modo correto para viver bem. Não basta ensinar a viver bem neste mundo; é necessário transmitir também o significado eterno da vida humana, que se encontra na fé em Deus e na comunhão com Ele.

As intenções do Santo Padre Francisco para o mês de junho contemplam a cultura do diálogo, escuta e respeito mútuo, a par da Nova Evangelização, pelo que transmitir a Fé e educar nela é a parte fundamental da missão da família cristã.

Uma das perguntas que se dirige aos noivos durante a celebração do sacramento do Matrimónio é “estais dispostos a receber com amor os filhos que Deus vos confiar, e a educá-los na lei de Cristo e da Igreja?”. Será que a família cristã continua fiel à sua missão, embora enfrentando fortes desafios? Estamos a assistir ao facto de que muitos pais já não se preocupam em transmitir e educar na Fé os seus filhos. Porém, muito frequentemente os avós ainda o procuram fazer, não agarrando o “fascínio do provisório numa cultura do bem-estar”, mas mantendo viva a noção do que nos anima como cristãos: seguir Jesus Cristo, como o nosso único modelo de vida.

Associemo-nos, portanto, ao Dia da Evangelium Vitae (dias 15 e 16 de junho) para que, localmente, possamos descobrir que educar na Fé para o dom da vida é garantia segura de um futuro melhor para os nossos filhos, na experiência de ser família e de procurar viver em família a Fé cristã, no conhecimento amoroso do mistério de Deus.

texto do Sector da Pastoral Familiar
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
Isilda Pegado
1. Neste tempo, em que o individualismo parece imperar, apesar da destruição que gera na Sociedade,...
ver [+]

P. Duarte da Cunha
Que todos os homens querem ser felizes não parece ser objecto de discussão entre pessoas sãs. Todos queremos, de facto, ser felizes.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES