Domingo |
À procura da Palavra
Acreditar no futuro
DOMINGO XXIV COMUM Ano C

"Este homem acolhe os pecadores

e come com eles."

Lc 15, 2

 

Milhares, ou melhor, milhões de cristãos em todo o mundo vão escutar neste domingo a frase do evangelho que é como um “cartão de visita” de Jesus: “Este homem acolhe os pecadores e come com eles.” E pode ser mais uma frase entre tantas, muitas vezes escutada, mas nem sempre aprofundada. A anteceder as três parábolas da misericórdia que Jesus conta, esta frase revela o escândalo das atitudes de Jesus com os “religiosamente” excluídos do judaísmo. Recordemos que as regras judaicas, esquecidas do essencial, com extensas listas de pecados e infracções, geravam multidões de pecadores e enalteciam minorias de puros. Uns e outros não se podiam tocar, qualquer mistura punha em causa a santidade da Lei.

Acolher os pecadores, ainda vá lá, são uns coitados que talvez mudem de vida”, imagino alguns fariseus pensar, “mas, comer com eles, é confiança a mais!” De pecadores a perdidos vai um pequeno passo e a grande tentação de julgar associa-se a sentenças irrevogáveis. Não reconhecemos como é difícil, mesmo no nosso tempo evoluído, a reabilitação de quem falha e erra? Que tempo demoram os rótulos e os preconceitos a desaparecer para que uma pessoa possa viver sem estigmas? Muito mais importante que as normas, tantas delas claramente criadas para domínio e opressão dos outros mesmo que atribuídas a Deus, Jesus aponta o valor fundamental da vida. Ele não vê pecadores: vê irmãos, vê pessoas na sua totalidade com uma grandeza maior que as misérias, vê o futuro, que não pode ficar prisioneiro do passado!

Comer com alguém é sempre apostar no futuro. Precisamos do alimento que nos dá energia para o que vem a seguir. E se a refeição celebra também um passado, ela é porta para o futuro e afirmação de esperança. Talvez por isso, no ritmo que a eucaristia tem para os cristãos, começamos logo por pedir perdão e depois continuamos a refeição da palavra e do pão e do vinho. Ali se reproduz o encontro festivo e renovador que Jesus quer fazer com todos. Curiosamente, desse encontro se auto-excluem os fariseísmos e instituições que privilegiam a condenação. Ao produzir normas sem apontar valores, e congelando o passado para justificar o seu poder, não conhecem a alegria de acolher e de acreditar na vida com futuro.    

Mas o escândalo maior que Jesus faz é revelar um Deus em movimento, que procura incansávelmente uma ovelha ou uma moeda perdidas, que corre para abraçar o filho mais novo e sai de casa para ouvir e falar ao coração do filho mais velho. O Pai de Jesus Cristo rejeita a imobilidade, o trono alto, e a distância como atributos de poder. Perdoar e amar é acreditar no futuro. Não será também isto que nós, milhões de cristãos ouvintes desta palavra de domingo, precisamos pôr mais em prática?

P. Vítor Gonçalves
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
António Bagão Félix
Na semana passada li uma entrevista com um candidato a deputado (cabeça-de-lista) pelo circulo eleitoral do Porto.
ver [+]

P. Manuel Barbosa, scj
Com “missão nas férias” não quero propor programas de férias missionárias, nem dizer que a missão está de férias.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES