Domingo |
À procura da Palavra
O verdadeiro bem
DOMINGO XXV COMUM Ano C

"Se não fostes fiéis no que se refere ao vil dinheiro,

quem vos confiará o verdadeiro bem?"

Lc 16, 11

 

“No fundo, o que é que não tem a ver com o dinheiro?” concluía alguém numa daquelas conversas que o tema “crise” desencadeia e em que se fica com uma sensação de impotência. Claro que apresentámos logo várias “coisas” que não se subordinam ao dinheiro, “valores” que gostaríamos, isso sim, que o dinheiro se subordinasse a eles. Mas o incómodo da frase permaneceu além da conversa. Porque sabemos como o dinheiro nos seduz e embriaga, como facilmente ganha contornos de divindade, a oferecer segurança e felicidade sem fim, e cria um mundo irreal e distante da pobreza e necessidade dos outros.

Nestes dias por algumas terras brasileiras guardo a impressão das muitas assimetrias entre riqueza e pobreza, especialmente visíveis nos extensos e sobrepopulados bairros de habitações degradadas e sem saneamento nas grandes cidades. É verdade que é um país de oportunidades e onde, com esforço e trabalho, muitos ascendem na escala social. Também fui sensível à espantosa alegria e gosto de viver, que caracteriza a vida da imensa maioria que, vivendo com as condições básicas, não se angustia com aquilo que não pode ter e faz a experiência da amizade, da partilha e da solidariedade. Como dizia um amigo meu, “o pior mesmo é a exclusão, o aumento de quem vive na miséria, sem capacidade de lutar por uma vida melhor, e sem quem lhe dê a mão.” Dos muros altos do Morumbi (o bairro rico de São Paulo) às favelas onde também a fraternidade semeia esperança, é um país em ebulição em que a aprendizagem a lidar com o “vil dinheiro” é sempre urgente. Como entre nós e, no fundo, dentro de nós!

Creio que alguma dureza de Jesus quando fala sobre o dinheiro é consequência do nosso esquecimento de que somos administradores e não “donos” dos bens deste mundo. Porque é preciso ser fiel ao “vil dinheiro” (a insistência do adjectivo não é coincidência!), quer dizer, ser responsável, aplicando-o no essencial que tem a ver com a justiça, com a equidade, com o maior bem que é a vida de todos e não apenas a “engorda” de alguns. O administrador do evangelho percebeu que, mais importante do que ganhar muito nas comissões administrativas que cobrava, seria melhor partilhar os lucros com os clientes do seu senhor. Quantas empresas se desenvolveriam mais com este princípio tão simples? Quanto trabalho seria valorizado, se a ganância que alimenta o luxo absurdo, recuasse em favor de uma justiça mais distributiva? Jesus fala do “verdadeiro bem” contrapondo-o ao “vil dinheiro”! De que se trata? Que riqueza é esse bem maior, capaz de nos unir a Deus e aos outros, numa alegria feita generosidade e gratuidade, “tesouro que a traça não rói e os ladrões não roubam”? O que é que na nossa vida não tem ainda a ver com esse “verdadeiro bem”?

P. Vítor Gonçalves
A OPINIÃO DE
Pe. Alexandre Palma
Não aprecio o género. Não só por isso, mas também por isso, nem sequer sou conhecedor da matéria. Mas,...
ver [+]

Pedro Vaz Patto
A comunicação social vem acompanhando com todo o interesse, quase como se de uma novela se tratasse,...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES