Missão |
Susana Val
O serviço aos outros como caminho de felicidade
<<
1/
>>
Imagem

O testemunho da Susana Val, que hoje procuramos conhecer melhor, dá-nos a conhecer um coração jovem e aberto aos desafios da Missão.

 

A dureza do caminho

A sua caminhada cristã começou bastante cedo com o habitual percurso catequético. No entanto, com 12 anos, Susana viveu um momento muito duro e que a fez questionar a sua fé. O falecimento do seu pai levantou muitas questões e afastou-a da Igreja. No entanto, a sua experiência de vida levou-a novamente ao encontro de Deus, através do serviço aos outros, sobretudo dos mais pobres e desprotegidos. Foi além fronteiras que Susana foi reencontrar o Amor de Deus que se torna próximo de todas as pessoas sem excepção.

 

“O meu primeiro amor”

Foi em 2009 que Susana sentiu o apelo à Missão. Nessa altura, ainda durante a licenciatura em Reabilitação Psicomotora, na Faculdade de Motricidade Humana, conheceu a Associação Equipa d’África e hoje conta-nos que se apaixonou logo pela equipa constituída por jovens que, como ela, “estavam ainda à descoberta”. No Verão de 2009 partiu com mais quatro voluntários para Moçambique, para a Missão de Mecanhelas, da responsabilidade dos Missionários da Consolata. Hoje, recorda-nos com muito afecto essa primeira experiência de Missão: “Foi o meu primeiro amor; a partir desse mês e meio que vivi nessa comunidade no interior do norte de Moçambique, percebi que conseguia ser feliz saindo de casa de bolsos e mãos vazias.”

 

O “bichinho” da Missão

De volta a Portugal, Susana iniciou a sua actividade profissional. No entanto “parecia sempre que havia algo dentro do coração a dizer baixinho ‘porque não ir mais tempo?’” Este “bichinho”, como carinhosamente Susana diz, foi crescendo e amadurecendo no seu coração e, no diálogo com outros elementos da Equipa d’África, foi ganhando forma. Foi um caminho que foi sendo percorrido em equipa, e para poder ser concretizado foi também necessário muito trabalho, a fim de conseguirem os fundos necessários para a sua concretização.

 

Um ano e meio em Moçambique

Em Janeiro de 2011, Susana partiu com outra voluntária da Equipa d’África, a Filipa Mesquita, para Quissico, na província de Inhambane, a cerca de 350 km de Maputo. Aí foram acolhidas pelos Missionários Palotinos e por toda a população local que acolhe sempre de forma muito acolhedora e calorosa: “Acolheram-nos como se fossemos da sua família e, então, aos poucos a relação com as pessoas foi-se construindo”. Durante um ano e meio, Susana e Filipa trabalharam em diversos projetos: desenvolveram uma biblioteca, trabalharam numa Escolinha em educação pré-escolar, promoveram diversas ações de formação de adultos bem como diversas iniciativas com os jovens, como o apoio ao estudo e sessões de teatro e dança. “O maior desafio que senti foi o de ter a certeza que estava a ser realmente útil”. Outro grande objetivo deste tempo de Missão foi o de construir alicerces firmes que pudessem dar continuidade a todos estes projetos, mesmo depois do regresso a Portugal. Assim, foi necessário dar formação a pessoas que ficassem responsáveis pelos projetos da Biblioteca e da Escolinha.

É com um brilho no olhar que traduz uma imensa alegria que inunda o seu coração que Susana recorda hoje esse tempo de Missão vivido em Moçambique: “Esse ano e meio foi um dos melhores da minha vida. Aquilo que senti por estar inteiramente disponível para os outros é realmente indescritível. Acredito que só quem se põe ao serviço dos outros pode realmente sentir a felicidade no coração!”

texto por Emanuel Oliveira Soeiro, FEC – Fundação Fé e Cooperação
A OPINIÃO DE
P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Não é certamente por acaso que a única Rainha de Portugal que foi canonizada era de ascendência húngara.
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Acácio Catarino era um homem de ação e reflexão – segundo o método de Ver, Julgar e Agir. Recordo-o sempre com grande coerência e serenidade.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES