Domingo |
À procura da Palavra
A voz
<<
1/
>>
Imagem

DOMINGO IV DA PÁSCOA  Ano A

"… caminha à sua frente e as ovelhas seguem-no,

porque conhecem a sua voz.”.

Jo 10, 4

 

A voz humana é das características mais espantosas que temos. Dizem os entendidos que começamos a reconhecer as vozes dos pais ainda na barriga da nossa mãe. E do choro inicial ao balbuciar dos primeiros tempos, das primeiras palavras às últimas, do gritar ao cantar, é espantosa a comunicação que produzimos. Várias vezes me recordo do filme “Nell”, com Jodie Foster e Liam Neesson, em que uma jovem, encontrada em estado selvagem, aprende a dizer e a dizer(-se) num processo de comunicação e relação que revela a importância de “encontrarmos a nossa voz”. Na Bíblia fala-se de Jesus como o Verbo, e Jesus realiza milagres com a força da palavra.

Mas, ultimamente, falarmos da “voz” é pensar quase imediatamente em alguns “reality shows” televisivos, em que os concorrentes estão expostos constantemente (qual peixes de um aquário!), e têm de cumprir as tarefas mais inverossímeis sob o comando de uma voz que manda, julga, avalia, recompensa e condena (qual voz de um deus desconhecido, último garante das audiências televisivas). É talvez uma parábola do mundo contemporâneo em que, substituindo o silêncio pelo ruído constante (música, rádio e televisão sempre ligados) é possível perguntar: a voz interior, o reflectir sobre o que vejo, o pensar sobre mim e o mundo, a consciência, tornaram-se tão incómodos que o melhor é enterrá-los de vez? Mas, assim como temos voz para comunicar(mo-nos), quais as vozes que escutamos e nos ajudam (ou não) a crescer? 

A voz é um meio cheio de conteúdo. Comunica uma mensagem, e o modo de a comunicar revela tanto ou mais do que o conteúdo. Gosto tanto de imaginar como seria a voz de Jesus! Não só esta que penso “ouvir” no meu pensamento e no coração. Mas aquela que os discípulos e as multidões ouviram, que fez a samaritana colocar as suas questões e Maria Madalena reconhecê-l’O ressuscitado. A sua voz a dizer as bem-aventuranças e a contar as parábolas, a pedir a Zaqueu para ficar em sua casa e a perguntar a Pedro se O amava. Essa voz não se perdeu e acredito que continua a ouvir-se em tantas palavras da Igreja, e nas vozes dos que O escutam e seguem. Mas, às vezes, pergunto-me se não deixamos de O escutar. Porque as nossas vozes não abraçam nem acolhem, não salvam nem abrem futuros de esperança. Parecem “discos riscados”.

Conhecer e crescer em intimidade com Jesus é o que o Pai deseja para todos nós. Por isso, a escuta é fundamental; a alegria de ouvirmos o nosso nome na sua boca é revitalizador; descobrir que Ele fala na voz de outros e na nossa também, é convite à comunhão. Criar espaços e condições para essa escuta e diálogo mútuos, entre nós e com Jesus, chama-se evangelização. Mas se andarmos de auscultadores sempre postos, ou a seguir vozes que não nos deixam pensar por nós próprios, bem pode Jesus chamar-nos que dificilmente O ouviremos. É verdade, vocação quer dizer chamamento! Sentimo-nos chamados? Por quem? Para quê?

P. Vítor Gonçalves
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
A canonização de Frei Bartolomeu dos Mártires, da Ordem dos Pregadores (1514-1590), constitui um motivo...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Nestes últimos tempos, duas notícias chocaram particularmente os portugueses: o nascimento do Rodrigo,...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES