Família |
Familiarmente
Igreja, Família de Famílias
<<
1/
>>
Imagem

Esta expressão faz-nos olhar “com outros olhos” para a Igreja – e para a nossa diocese em particular.

Em primeiro lugar, recorda-nos que a Igreja é como uma mãe - acolhe, protege, orienta. E cumpre este seu papel por obediência amorosa ao seu esposo, Cristo, que veio revelar que somos todos Filhos adotivos de Deus Pai. Ora, se somos todos Filhos adotivos deste Pai que muito nos ama, pela graça do Espírito Santo, somos irmãos em Cristo. Somos pois, uma grande família!

Em segundo lugar, esta expressão recorda-nos que as nossas Comunidades são constituídas por famílias concretas, pessoas com um percurso particular que se juntam para louvar o seu Deus. Naturalmente, estes percursos diferentes refletem-se numa enorme pluralidade de formas de pensar e de estar, que nem sempre são fáceis de acolher. Porém, como em qualquer família, ser Igreja exige de nós uma atitude de abertura e acolhimento ao outro que, naturalmente, é diferente de nós em feitio e ideias.

Sendo uma família de famílias, na Igreja convivem várias gerações de fiéis - avós, filhos, netos - e isso é uma riqueza extraordinária. Nesse sentido, é necessário ter presente que todos merecem a nossa atenção particular, pois todos têm necessidades e dons específicos. No Familiarmente de Maio propomos um texto que nos fala da importância dos idosos na família, portadores de uma sabedoria que a todos nos enriquece e cuja presença urge ser valorizada.

Amar e cuidar são duas palavras-chave na Família e na Igreja. E este amor e cuidado têm que se fundar na oração. É fundamental e belo rezar uns pelos outros e uns com os outros. Daí que seja tão importante o encontro semanal para celebrar a Eucaristia e participar noutros momentos de oração comunitária.

Por fim, gostaríamos de destacar a dimensão da festa. A vida e os seus acontecimentos é muito mais bela e rica quando podemos compartilhar as alegrias, sobretudo com aqueles que nos são mais queridos. Neste mês de Maio a Pastoral da Família propõe dois momentos marcantes, de festa e de encontro com o Senhor: a semana da vida, que começa neste Domingo e se prolonga até 18 de Maio; e a Festa da Família, jornada diocesana de encontro da família das famílias que é a diocese. Nesta edição familiarmente apresentamos o convite do Patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, a participarmos nesta grande festa, assim como os testemunhos de algumas famílias da vigararia de Mafra que se encontram a preparar este encontro.

 

_____________


«Aprende, que eu não duro sempre»

Falar dos idosos na família é só por si um gesto de carinho, dando valor ao seu saber partilhado e à generosidade amorosa que deles irradia.

Educar, hoje, é diferente. Claro que teria de ser diferente, pois a alteração de comportamentos sempre existiu e pode ser bem constatada ao longo de inúmeros apontamentos históricos. Mas uma coisa é certa: é com os mais velhos que aprendemos todos os gestos e atitudes que formam o nosso carácter.

Todos, certamente, reconheceremos que fomos educados com o exemplo e, como tal, assumimos que educar alguém é ensiná-lo a fazer bom uso da liberdade e a ser responsável pelos seus atos. Mas, para saber agir, é necessário aprender a avaliar e a distinguir os vários caminhos ou opções de vida. E isso só se consegue com muito diálogo. Com mais tempo para a escuta e partilha de ideias que desenvolvam a capacidade de raciocínio e estimulem o discernimento.

Os desafios da sociedade atual, marcada pela dispersão que acontece sobretudo no ambiente urbano, retiram muito do tempo necessário para o diálogo ou simplesmente para a escuta das aventuras ou dissabores dos mais novos. E aqui é fundamental o papel dos idosos da família para um equilibrado desenvolvimento da personalidade dos “pequenotes”.

Certamente que todos conhecemos de perto a expressão “Aprende, que eu não duro sempre!”. Esta frase simples é escutada com um misto de novidade e deslumbramento pelo saber partilhado com os mais velhos.

Daqui, poderíamos partir para um jogo em família, que consiste em estimular na criança a capacidade de avaliar o dia que termina e anotar apenas uma coisa que tenha sido aprendida nesse dia. É garantido que esse bloco-notas, ou meras folhas em forma de “fichas”, serão muito apreciadas mais tarde, relembrando os momentos de convívio e experiências que cada um tenha feito com os seus pais, com os seus avós ou com aquela tia-avó que nos enchia de beijos, sempre que a visitávamos em sua casa.

Para as famílias onde haja crianças sequiosas de aprender coisas novas, que possam conduzir a aventuras, recordo o empenho que os nossos avós colocavam na figura do “anjo da guarda”. E seria bom recuperar tal empenho, que tinha como pano de fundo a certeza de que os “anjos da guarda” foram chamados por Deus para colaborar na resolução de um importante problema: criar seres perfeitos.

Naqueles tempos – e os mais idosos podem atestá-lo – criar seres perfeitos não pressupunha que aos sete ou oito anos de idade a criança falasse francês ou inglês, tivesse aulas de música e natação, ou ainda um desporto de grupo, a par de um horário intenso de aulas. Até porque nenhum de nós é um ser completo, um ser perfeito. Mas também nenhum de nós é uma ilha, uma realidade auto-suficiente.

Juntar as gerações numa partilha de experiências – “Avô, conta-me como foi … “ – tem uma forte razão de ser: juntos, temos mais entusiasmo e mais coragem para concretizar os projetos que Deus colocou na nossa vida. Reconhecemos as nossas limitações como seres inacabados, mas sabemos, tranquilamente, que estamos num processo de criação na força do Espírito Santo.

São João Paulo II deixou-nos um magnífico documento para a Família, a Familiaris Consortio que, no seu nº 60, refere “… a família cristã transmite a fé, quando os pais ensinam os seus filhos a rezar, rezam com eles e louvam a Deus como Pai.”

“Ó avó, essa oração é tão bonita!”

“Aprende, que eu não duro sempre!”

 

_____________


Festa da Família: 25 de Maio em Mafra

 

Caríssimas Famílias do Patriarcado de Lisboa

É com alegria e esperança que vos convoco para o nosso encontro de 25 de maio. Como sabeis, é uma iniciativa da Pastoral Familiar do Patriarcado e realiza-se em Mafra, com o lema “Família, vive a alegria da fé”.

Ao longo do dia teremos ocasião de conviver, partilhar e celebrar. Na Missa da tarde festejaremos especialmente as Bodas Matrimoniais de muitos casais presentes (10º, 25º e 50º aniversário). Cada um desses casais demonstra a possibilidade real e os frutos verdadeiros do matrimónio cristão.

Concretizam a esperança, que eles mesmos alimentam para todos. Pois há quem duvide, hoje em dia, de que a família, biblicamente compreendida, seja viável. Aumentam as uniões de facto e propõem-se outras formas de “conjugalidade”, que contrariam a proposta bíblica e a tradição da humanidade em geral: complementaridade masculino-feminino e abertura à geração de filhos. Questiona-se até a possibilidade de manter hoje uma união una, indissolúvel e fecunda, como se propõe no sacramento do matrimónio…

Mas quem «se casa no Senhor» (cf. 1ª Carta aos Coríntios 7, 39), enfrenta as dificuldades que sempre surgem em qualquer caminho humano com a convicção crescente de que a Páscoa de Cristo (morrer para si e viver para o outro, ganhando-se plenamente no conjunto) é o modo mais completo e feliz de realizar a sua vida, pois «a felicidade está mais em dar do que receber» (Actos dos Apóstolos 20, 35).

É para partilhar e celebrar esta verdade vivida e convivida da família cristã, na tradição das gerações que se sucedem, que nos encontraremos em Mafra no próximo Domingo 25. Porque sabemos que é possível, desde que cumpramos a nossa parte na preparação e acompanhamento do matrimónio e da família; e porque serenamente o propomos, confiados na graça do Senhor Jesus. 

- Lá vos espero!

+ Manuel Clemente, Patriarca de Lisboa

 

_____________


Testemunhos: A preparação da festa da Família

É com muita alegria que se está a preparar esta Festa da Família aqui em Mafra.

A Família está na base da vida da Igreja e é nela que ocorre a primeira transmissão da Fé. Sabemos todos das dificuldades que hoje as famílias passam mas como cristãos temos que continuar a caminhar. Precisamos de famílias verdadeiramente cristãs, onde o Senhor Jesus habite nas suas casas, onde se transmita de geração em geração a alegria. Com esta Festa da Família queremos celebrar, com todas vós, família cristãs da nossa Diocese, a alegria de sermos família cristã, a alegria de seguirmos Cristo na vida familiar e darmos testemunho à nossa sociedade da verdadeira alegria. Queremos cumprir com este dia as palavras de São Paulo aos Filipenses: "Alegrai-vos no Senhor". Apareçam que será um dia de verdadeira alegria,

Pe Jorge Sobreiro

 

Estamos envolvidos neste grande acontecimento diocesano, para celebrar e comemorar o dom da família, aqui na nossa vigararia de Mafra.

Queremos vivê-lo com alegria, com fé e esperança, juntamente com muitas famílias cristãs e com os grupos e movimentos dedicados particularmente a esta temática, na presença de Deus e do Santo Papa João Paulo II, “o Papa da família”.

Juntem-se a nós neste dia que será com certeza inesquecível nas nossas vidas.

Sérgio, Marta, Tomé e Ana Henriques.

 

Abri de par em par as portas a Cristo, foram estas as palavras do agora Santo João Paulo II, por isso pensamos que esta iniciativa merece todo o nosso apoio e divulgação, para que os jovens vejam na família normal (homem e mulher) o caminho para o puro e sério desenvolvimento integral da sociedade.

Sendo assim que o Santo João Paulo II e Nossa Senhora de Fátima nos ajude para que esta iniciativa seja bem sucedida.

Atentamente,

José e Águeda

 

Que esta festa da vida e da família suscite nos corações e faça surgiu muitas famílias, de todas as faixas etárias, pois juntos vamos nos alegrar e exultar por seremos famílias da Santíssima Trindade. Espera-nos nesta festa e neste dia, muita Alegria, Amor e Fraternidade, com a certeza que, com o auxílio de Maria Santíssima, nos será apresentada de muitas formas a ESPERANÇA para os obstáculos e dificuldades que a famílias nos tempos de hoje vivem.

Cláudia e David

 

Nós somos o Diogo e a Cláudia Zeferino, pertencemos à Paróquia do Milharado. É com enorme vontade e espírito de serviço que fazemos parte da equipa que está a preparar a Festa da Família, que se realizará no próximo dia 25 de Maio, no Jardim do Cerco em Mafra. Será um dia importante, de convívio, partilha de experiências e acima de tudo de comunhão entre todas as famílias da nossa Diocese. Estamos certos que neste dia poderemos dar o exemplo e ser com a “Família de Nazaré”, mostrando que a fé se vive no seio familiar, e que este é o lugar privilegiado para passar a fé de pais para filhos. Atualmente a família é constantemente ameaçada, pouco é o tempo disponível para que pais e filhos possam dialogar, brincar e rezar em família. No dia 25 de Maio haverá tempo para tudo isto e para muito mais. Aproveitem a oportunidade e venham fazer a Festa connosco.

 

 

_____________


Semana da Vida (PEQUENA)

De 11 a 18 de Maio de 2014 celebra-se a semana da vida, este ano sob o tema "Gerar vida - construir o futuro". "A Semana da Vida é uma oportunidade e um desafio para cada pessoa, grupo ou família, pensar em melhorar a qualidade de vida, sua e dos outros, nos âmbitos pessoal, profissional e comunitário, inspirando-se nos autênticos valores humanos e cristãos."

Desde 1994 a Conferência Episcopal Portuguesa, através da Comissão Episcopal competente para a área da Família, organiza a Semana da Vida. Esta iniciativa vem na sequência do apelo lançado em 1991 pelo Papa João Paulo II, na Encíclica O Evangelho da Vida sobre o valor e a inviolabilidade da vida humana, ao propor uma celebração que tenha por objetivo «suscitar nas consciências, nas famílias, na Igreja e na sociedade, o reconhecimento do sentido e valor da vida humana em todos os seus momentos e condições, concentrando a atenção de modo especial na gravidade do aborto e da eutanásia, sem contudo menosprezar os outros momentos e aspetos da vida…» (EV 85).

O Departamento Nacional da Pastoral Familiar elaborou algumas sugestões para cada dia e deixa a todos o desfio de as aperfeiçoarem e até de criarem os seus próprios meios, para conseguirem momentos, pessoais e comuns, de interioridade e partilha. Podemos encontrar algumas destas sugestões nos sites http://familia.patriarcado-lisboa.pt ou www.leigos.pt.

 

_____________

 

Acontece

Ser família é bom

Dia 28 de Maio, às 21h30, na Universidade Católica, realiza-se a segunda conferência do ciclo «Ser família é bom». Através da moderação de Marta Gonçalves, esta conferência propõe três intervenções sobre a história do sim (Patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente), o desafio do sim (Susana Costa Ramalho) e a validade do sim (Pedro Vaz Patto).

 

Celebração das bodas matrimoniais na Festa da Família

Na festa da família de 25 de Maio serão comemoradas as Bodas Matrimoniais (10, 25, 50 ou mais anos de Matrimónio) de todos os casais que celebrem este aniversário durante o ano de 2014. Caso conheça algum casal que celebre este ano alguma destas bodas, ou mais de 50 anos de matrimónio, poderá fazer a sua inscrição através do site http://familia.patriarcado-lisboa.pt/festa-da-família/inscrição

textos pelo Sector da Pastoral Familiar
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
A canonização de Frei Bartolomeu dos Mártires, da Ordem dos Pregadores (1514-1590), constitui um motivo...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Nestes últimos tempos, duas notícias chocaram particularmente os portugueses: o nascimento do Rodrigo,...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES