Mundo |
Médio Oriente: milhares de cristãos dependem da sua ajuda
Vidas desfeitas num instante
<<
1/
>>
Imagem

Viviam na Síria e no Iraque. Tinham casas, empregos, amigos. Rotinas. Eram pessoas normais, como nós. Tinham sonhos, projectos de vida. De repente, perderam tudo. Agora, dependem da nossa ajuda. São os refugiados cristãos no Médio Oriente.

 

Eram pessoas normais, como nós. De repente, atrás do alarido da marcha imparável dos jihadistas, que conquistaram aldeias e cidades na Síria e no Iraque, num abrir e fechar de olhos foram forçados a deixar tudo e a fugir. Com a roupa que traziam vestida. Apenas. Agora são refugiados. Muitos deles ainda estão incrédulos com a situação em que se encontram. Num ápice, tudo mudou. Agora vivem em tendas, em campos de refugiados, ou abrigam-se em casas particulares. São famílias inteiras num quarto, dependendo de ajuda para tudo. Para o aluguer do quarto, para a comida, a roupa, os medicamentos. Tudo. Eram pessoas normais, como nós. Tinham sonhos. Agora vivem num pesadelo. Foram perseguidos por serem cristãos. Pedem-nos ajuda. Aproxima-se o Natal. Será o Natal mais trágico e mais triste das suas vidas.

 

Sinais de esperança

Neste desalento, porém, há sinais de esperança. Nem tudo está perdido. Em Beirute, país que tem acolhido milhares de refugiados oriundos da Síria, a Irmã Hanan Youssef, da congregação das Irmãs do Bom Pastor – que está de visita a Portugal por estes dias – não tem mãos a medir. O centro de saúde de que estas irmãs são responsáveis, é uma espécie de porto de abrigo para famílias inteiras que se sentem perdidas, como verdadeiros náufragos. Elas dão tudo o que têm, oferecem tudo o que estes refugiados precisam: assistência médica, documentos, comida, roupa. E sorrisos. E mimos. Também em Beirute, na Diocese de Zahle, duas mulheres, Dunia e Raquel, mudaram as suas próprias rotinas. Era impossível não reparar em tantas pessoas destroçadas pela guerra, pela violência. Como não fazer nada? Na paróquia, juntam todas as caixas de cartão que conseguem reunir e acomodam lá dentro o essencial para que alguém possa sobreviver por mais uns dias. É uma ajuda de emergência, mas, para muitos, é tudo o que passam a ter.

 

Campanha de Natal

A Fundação AIS lançou, neste Natal, uma campanha especial de apoio a estes refugiados. Agora é a nossa vez de ajudar. Com o que fizermos, com o que doarmos, estamos a encher também as caixas de cartão de Dunia e Raquel ecolocar roupa e medicamentos nas prateleiras do centro de saúde da Irmã Hanan. E estamos a receber, através delas, os sorrisos e os “muito obrigado” de milhares de cristãos da Síria e do Iraque. Sorrisos que nunca mais esqueceremos, mesmo que nunca vejamos o rosto destes refugiados.

 

_____________________ 

 


Venha ouvir a Irmã Hanan

A convite da Fundação AIS, a Irmã Hanan, da congregação das Irmãs do Bom Pastor, vem a Portugal para estar especialmente consigo e dar o seu testemunho pessoal sobre a situação dramática dos refugiados do Médio Oriente.

27 de Novembro, 16h00 | TESTEMUNHO | Lar Maria Droste, Travessa da Luz, 2 (Irmãs do Bom Pastor)

 

_____________________ 


Peça o Catálogo de Natal

Os artigos religiosos de Natal alimentam a nossa fé e a dos nossos amigos e familiares, mas também permitir-nos oferecer a esperança de Cristo àqueles que precisam da nossa ajuda e orações. Através destes artigos angariamos donativos para ajudar os cristãos refugiados do Médio Oriente. Peça um catálogo grátis através do telefone 217 544 000 ou apoio@fundacao-ais.pt

texto por Paulo Aido, Fundação Ajuda à Igreja que Sofre
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
A canonização de Frei Bartolomeu dos Mártires, da Ordem dos Pregadores (1514-1590), constitui um motivo...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Nestes últimos tempos, duas notícias chocaram particularmente os portugueses: o nascimento do Rodrigo,...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES