Mundo |
Síria: 750 famílias dependem totalmente da ajuda da Irmã Annie
Nas mãos de Deus
<<
1/
>>
Imagem

À primeira vista, Aleppo é uma cidade deserta. Parece impossível viver alguém no meio de tantos destroços. Ficaram apenas os mais pobres, os mais velhos, os doentes. Mas a guerra continua e não há comida, roupa, água, aquecimento… A Fundação AIS vai lançar uma enorme campanha de solidariedade nesta Quaresma. Vamos ajudar a Irmã Annie?

 

Aleppo é uma cidade esventrada, destruída à bomba, com as ruas entulhadas de destroços. É uma miragem da metrópole que já foi, orgulhosa da sua arquitectura medieval, fervilhante de vida. Tudo isso acabou. A guerra civil, que explodiu com uma violência quase demente em Março de 2011, não poupou nada nem ninguém. A maioria da população fugiu, assustada. Ficar seria sinónimo de loucura. Todos os dias se escutam ainda rebentamentos de bombas, gritos de dor. Todos os dias se torna mais pesada a simples ideia da sobrevivência. As torneiras estão quase sempre secas, as lâmpadas permanecem desligadas, sem corrente eléctrica. Não há nada. Ninguém imaginaria que as coisas iriam chegar a este ponto. A maioria da população fugiu. Ficaram apenas os muito pobres, os mais velhos, os doentes. Os que não puderam fugir. Com eles, ficaram também algumas irmãs que decidiram que não os podiam abandonar. É o caso da Irmã Annie Demerjian. Lembra-se dela? Já aqui contámos a sua história, a impotência que sente todos os dias perante tantos pedidos de ajuda e sempre, quase sempre, com as mãos vazias.

 

Histórias trágicas

A vida em Aleppo piora de dia para dia. O frio rigoroso que se faz sentir no norte da Síria torna ainda mais penoso o quotidiano. “Conheço pessoas que já queimaram as próprias mobílias para se aquecerem”, conta a Irmã. Annie não sabe como acudir a tantas emergências. Não há ninguém que não traga consigo uma história trágica, não há ninguém que não sucumba em lágrimas ao lembrar familiares e amigos que já morreram, ou que se sobressalte uma vez mais quando se escutam rebentamentos de bombas, ou o enervante crepitar das metralhadoras. São cerca de 750 famílias que a Irmã Annie tenta ajudar. Em tempos de guerra, tudo se torna mais difícil. Escasseiam as coisas, aumenta o contrabando, tudo se torna mais caro. As famílias já gastaram tudo o que tinham: dinheiro, ouro, joias. Na verdade, agora, isso de pouco valeria. O verdadeiro ouro, em Aleppo, nestas primeiras semanas de 2015, é a comida, a água potável, as roupas quentes, o combustível. É isso que a Irmã procura arranjar para distribuir.

 

Campanha de ajuda

É aqui que entra a Fundação AIS. Os donativos dos benfeitores e amigos da Fundação AIS têm-se transformado em ajuda vital nesta cidade síria. Através da Irmã Annie, que reuniu um punhado de voluntários – na sua maioria adolescentes – foi criada uma rede de assistência. “Não tenho palavras para dizer o quanto estamos agradecidos aos benfeitores da Fundação AIS”, diz a Irmã Annie. “As pessoas precisam de ajuda espiritual mas também de alguma coisa para comer. Aqui, as pessoas já se esqueceram do sabor da carne, ou da fruta fresca.”

A miséria em Aleppo está presente em todo o lado. Nos rostos amargurados das pessoas, nas crianças que deambulam sobre escombros, nas próprias ruídas da cidade.
A Irmã Annie diz que não tem medo das bombas, de ser atingida por uma bala ou uma granada. “Estou nas mãos de Deus. Tudo isto me supera, de alguma forma. Não interessa a que casa nós vamos, pois todos têm uma história triste para contar. De facto, estamos rodeados pelo mal, pelo diabo. Porém, cada vez tenho mais claro, em mim, que o Senhor está connosco.”

A Fundação AIS vai lançar, nesta Quaresma, uma enorme campanha de ajuda para os Cristãos na Síria. Já basta a guerra e o sofrimento. Já basta a dor e a morte. É preciso mostrar que os Cristãos em Aleppo e em toda a Síria não estão sozinhos, não foram abandonados. A nossa ajuda, por mais insignificante que possa parecer, vai ser transformada, como que por milagre, pelas mãos da Irmã Annie, em cobertores, roupa quente, barras de sabão, água potável. Comida. Vamos ajudar?

texto por Paulo Aido, Fundação Ajuda à Igreja que Sofre
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Outubro ficará na história da Igreja em Portugal por dois principais motivos: a entrada, para o colégio cardinalício, de D.
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Se houve nas últimas décadas uma cristã militante social da maior relevância, exemplo do compromisso...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES