Na Tua Palavra |
D. Nuno Brás
A vida feliz
<<
1/
>>
Imagem

“Estou a viver no paraíso e queres que me mude para o inferno” de acordo com Paul Bhatti foi deste modo que um certo dia respondeu ao seu irmão, Shabazz Bhatti, assassinado em Março de 2011 no Paquistão, quando era ministro federal para as minorias étnicas e religiosas. Shabazz queria convencê-lo a deixar o lugar de médico em Itália para que pudesse regressar à sua terra e aí dar assistência aos que mais precisavam, para além de o ajudar na tarefa de defesa dos direitos humanos dos paquistaneses que não pertencem aos grupos maioritários do país.

Foi durante o funeral do irmão que Paul compreendeu que o céu e a vida, a felicidade, se encontram bem longe daquilo a que o mundo habitualmente considera como “vida boa”. E deixou a segurança de uma profissão bem sucedida no mundo ocidental pela incerteza diária daquele que luta e dá testemunho de realidades maiores.

Hoje vive aquilo que percebeu então ser a missão que Deus lhe confiava: ajudar o seu país e o mundo inteiro a entender que o ódio (qualquer que seja a sua origem) conduz apenas à morte; que a dignidade da pessoa humana está muito para além da sua pertença a algum grupo social ou religioso; e que a vida feliz (tanto quanto é possível procurá-la e vivê-la neste mundo) é inalcançável quando o nosso horizonte de vida se encontra reduzido à vida sem os outros.

O testemunho do Dr. Paul Bhatti, que sucedeu a seu irmão como ministro paquistanês para as minorias, e que hoje luta contra a descriminação religiosa e étnica no seu país e um pouco por todo o mundo, ressoou em todos quantos o escutávamos no “Meeting Lisboa 2015” organizado pelo movimento “Comunhão e libertação” no passado fim-de-semana.

Tratou-se de uma grande interrogação pascal é a “grande interrogação pascal”. Porque a feliz notícia da ressurreição de Jesus não é simplesmente a de que um amigo que pensávamos estar morto, afinal vive; é a notícia de que essa vida em plenitude nos é também oferecida, precisamente nesse Jesus em quem resplandece o esplendor da vida feliz a que Deus nos convida e cujo apelo ressoa no mais profundo do coração de todos os seres humanos.

A OPINIÃO DE
Isilda Pegado
1. Neste tempo, em que o individualismo parece imperar, apesar da destruição que gera na Sociedade,...
ver [+]

P. Duarte da Cunha
Que todos os homens querem ser felizes não parece ser objecto de discussão entre pessoas sãs. Todos queremos, de facto, ser felizes.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES