Domingo |
À procura da Palavra
Com os outros
<<
1/
>>
Imagem

DOMINGO IX TEMPO COMUM Ano C
“Diz uma palavra
e o meu servo será curado.”
Lc 7, 7

A procura da felicidade é afirmada na Declaração de Independência norte-americana e inspira a sua Constituição, bem como muitas outras do mundo inteiro. Que isso seja mesmo proporcionado aos cidadãos é um desafio constante. Claro que os critérios de felicidade podem ser muitos, e subjectivos, e o egoísmo humano tende a considerar “a minha felicidade” mais importante e necessária do que “a dos outros”. Mas, se se provasse que não somos verdadeiramente felizes sem os outros?

Um recente estudo da Universidade de Sewanee, no Tennessee, Estados Unidos, concluiu que o que torna realmente felizes as pessoas são os actos de generosidade com as outras pessoas. Mais do que as tarefas para melhorar o mundo que nos rodeia ou as ações de prazer para si próprio, o que produz maior gratificação interior são os pequenos gestos de bondade e amabilidade com os que nos rodeiam. O bem que se espalha e distribui gratuitamente é mais duradouro do que o acumular egoísta de bens ou de sensações.

É a felicidade do dar e do pedir, por e para alguém, a quem queremos muito e até amamos, que transparece na súplica do centurião de Cafarnaum. É uma personagem singular este homem importante e considerado, pagão de origem, capaz de uma humildade que surpreende Jesus e a nós também. Não pede por um familiar ou um amigo mas por um escravo. Que sofria horrivelmente. E, conhecedor das regras da pureza judaica, traduziu numa frase a fé que Jesus elogiou, e a liturgia coloca na boca de todos nós antes de recebermos o Corpo de Cristo. Uma frase que nos liberta da armadilha do mérito e do perfeccionismo, e nos abre ao dom de Deus e à comunhão com os outros. É possível “receber Jesus” sem nos aproximarmos e ter laços de vida com outros? Não apenas do círculo de conhecidos e amigos, mas das nossas periferias e dos desertos da indiferença.

No pedido do centurião saboreia-se a unidade das virtudes teologais. A caridade alimenta a esperança e produz a fé. Ou será a esperança que nasce da caridade e arrisca a fé? O que certamente existe primeiro é o amor e o cuidado por quem sofre, capaz de vencer a auto-suficiência que isola e fecha, e dar o salto de uma súplica cheia de esperança. É assim que a fé conduz sempre ao amor, não existe por ou para si mesma, e o gesto salvador de Jesus é antecipação da Páscoa oferecida a todos. Grande é a responsabilidade de todos os que nos dizemos “ter fé”. Ela tem de se concretizar em amor concreto e universal, amor que caminha e faz caminhar, amor que perdoa e levanta, que é humilde para pedir e ter esperança.

Admiro a feliz síntese do poeta José Gomes Ferreira: “Para além do 'ser ou não ser' dos problemas ocos, / O que importa é isto: / -- Penso nos outros. / Logo existo.” Acreditamos mesmo que não somos felizes sem os outros?

P. Vítor Gonçalves
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
P. Nuno Amador
Joker, de Todd Phillips, é um filme sublime e perturbador. Sublime na lentidão certa com que nos dá...
ver [+]

Isilda Pegado
1. Na Universidade diziam-nos que quando entra a Justiça, já não há Família. E por isso, o chamado...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES