Domingo |
À procura da Palavra
Intimidade
<<
1/
>>
Imagem

DOMINGO XVII COMUM Ano C
“Senhor, ensina-nos a orar,
como João Baptista ensinou também os seus discípulos.”
Lc 11, 1


A palavra que mais me ocorre quando penso em oração é esta. Porque creio que foi isto que originou o pedido dos discípulos ao verem Jesus rezar. Viram a sua completa entrega ao Pai, aquele amor e confiança que depois transborda nas palavras e nos gestos que abraçam e salvam os que mergulham no seu olhar. E Jesus corresponde ao pedido dando-nos o “Pai Nosso”. Já conheciam e rezavam certamente os salmos, esses admiráveis poemas-oração que ainda hoje alimentam muitas das nossas orações. Mas ousou oferecer, em poucas frases, o amor confiante de filhos que somos, a aprender a ser irmãos, que louvamos e agradecemos, que acreditamos na sua vontade de sermos felizes. Também ensinou alguns pedidos simples: o pão para cada dia para não cedermos à tentação de endeusar os bens, o perdão com a condição de perdoarmos sempre, e que nos livrasse da tentação e do mal. É a oração-comunhão que abraça tantos dos nossos diálogos íntimos.  

É possível fazer cursos de oração e ler obras maravilhosas sobre o mesmo tema. E haverá sempre riqueza na experiência partilhada e reflectida. Mas o melhor da oração é como aprender a nadar: é dentro, mergulhando e vindo à superfície, crescendo na confiança de Deus nos abraçar e amar como somos, algumas vezes caminhando sobre as águas e vencendo o medo, outras, pedindo a Jesus que nos estenda a sua mão. Como tudo o que é importante, só cresce em nós a intimidade com Deus se fazemos como Jesus, e no silêncio e no amor dos outros “estamos com o Pai”!  

Duas pequenas histórias contadas por Anthony de Mello sobre a oração. A primeira: “Uma avó: Já rezas as tuas orações todas as noites? O neto: Claro que sim! E de manhã? Não! Durante o dia não tenho medo!” A segunda: “Uma piedosa anciã, ao acabar a guerra: Deus foi muito bom para nós: rezámos sem parar... e todas as bombas caíram na outra parte da cidade!

Pedir e procurar é um convite que Jesus associa à oração. Quando pedimos e procuramos Deus, abrimo-nos, e o essencial pode revelar-se. Podemos descobrir melhor que “Deus é o Senhor dos impossíveis, mas os possíveis são nossa responsabilidade”! Jesus insistiu para não nos deixarmos dominar pelo medo, assumindo-o como realidade que Ele próprio experimentou. Um medo que não o impediu de amar até ao fim. Cito aqui a última crónica do psiquiatra José Gameiro na revista do Expresso: “Vivemos numa sociedade, sobretudo nos últimos anos, que passa a vida a meter-nos medo. [...] É muito grave quando à descrença se junta o medo. Uma juventude que cresce neste ambiente tem tendência a adotar o lema do ‘salve-se quem puder’, ‘que se lixe’, ‘vou é desenrascar-me’, ‘quem cumpre as regras está feito’... Chega de medo de sermos manipulados, de não sermos completamente livres.”

Pedir o Espírito Santo é o primeiro lugar do “top” de pedidos ao Pai. Porque é Ele quem mais nos faz entrar na sua intimidade. É Ele que nos indica o que podemos mudar e o que importa aceitar. É Ele que liberta do egoísmo e do medo! Por isso o pedimos tantas vezes, não é?

P. Vítor Gonçalves
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
A canonização de Frei Bartolomeu dos Mártires, da Ordem dos Pregadores (1514-1590), constitui um motivo...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Nestes últimos tempos, duas notícias chocaram particularmente os portugueses: o nascimento do Rodrigo,...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES