Lisboa |
Procissão do Senhor dos Passos da Graça
Tradição quaresmal enche ruas de Lisboa
<<
1/
>>
Imagem

É considerada a mais emblemática procissão da Quaresma em Lisboa. A Procissão do Senhor dos Passos da Graça realizou-se no passado Domingo, 12 de março, cumprindo, pelo quinto ano consecutivo, o percurso original, desde a Igreja de São Roque, no Bairro Alto, até à Igreja da Graça, em Lisboa.

 

Organizada pela Real Irmandade de Santa Cruz e Passos da Graça, a procissão foi presidida pelo Cardeal-Patriarca de Lisboa e percorreu, com as imagens do Senhor dos Passos e de Nossa Senhora da Soledade, a Baixa de Lisboa, descendo o Chiado, desde a Igreja São Roque, e em direção ao Rossio, passando por São Domingos e pelo Martim Moniz e subindo, depois, pela Calçada dos Cavaleiros até à Igreja da Graça, onde D. Manuel Clemente presidiu à Eucaristia.

Foram milhares os fiéis que participaram na procissão, que teve início em 1587, por iniciativa de Luís Álvares de Andrade, e que é marcada pelos tradicionais ‘Sete Passos’: o primeiro, na Igreja de São Roque (Jesus é condenado à morte e carrega a Cruz em que vai ser sacrificado); o segundo, na Igreja da Encarnação, no Chiado (Jesus cai sob o peso da Cruz); o terceiro, na Igreja de São Domingos, Baixa (Jesus encontra a sua mãe – encontro do Senhor dos Passos com a Senhora das Dores); o quarto, na Igreja de Nossa Senhora da Saúde (Jesus consola as mulheres de Jerusalém); o quinto, no Passo do Terreirinho (Verónica limpa o rosto de Jesus); o sexto, na Casa de São João Brito (Jesus é ajudado por Simão de Cirene a levar a Cruz); e o sétimo, na Igreja da Graça, onde termina (Jesus é crucificado, morto e sepultado).

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, participaram na procissão, que cumpriu 430 anos.

foto por Tiago Rentes
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
Isilda Pegado
1. Neste tempo, em que o individualismo parece imperar, apesar da destruição que gera na Sociedade,...
ver [+]

P. Duarte da Cunha
Que todos os homens querem ser felizes não parece ser objecto de discussão entre pessoas sãs. Todos queremos, de facto, ser felizes.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES