Editorial |
P. Nuno Rosário Fernandes
Uma nova Luz
<<
1/
>>
Imagem

Esta semana, terminámos na igreja paroquial de Benfica, onde sou pároco, a instalação de uma nova iluminação. Este era, desde há muito tempo, um tema muito conversado, várias vezes referido em reuniões paroquiais e motivo de lamentação para quem queria rezar, lendo na igreja. O espaço era demasiadamente sombrio, apesar de sabermos que a escuridão pode ajudar ao ambiente de oração. No entanto, até mesmo para os celebrantes, olhando a assembleia, a visibilidade era muito reduzida. Diz o velho ditado: nem oito nem oitenta. Há que haver um equilíbrio, como tudo na nossa vida.

No ano passado, tentámos fazer alguns ajustes, para melhorar um pouco, mas era necessário mudar. Porque era nosso desejo poder celebrar a Páscoa com uma nova luz, aproveitámos o tempo da Quaresma para a realização dos trabalhos de renovação. E aconteceu a conversão. Esta Páscoa vamos celebrar com luz. Uma luz que se une à Luz de Cristo Ressuscitado, que quando entra na nossa vida nos permite ver melhor.

Com a instalação desta nova iluminação na igreja é-nos possível ver o outro, de modo diferente. Se tivermos a Luz de Cristo Ressuscitado em nós, seremos capazes de olhar o outro com o mesmo olhar de Cristo. Com a nova luz que agora se acende, percebemos algumas fissuras no tecto que antes não víamos. Mas é assim mesmo. A Luz de Cristo Ressuscitado, que agora se acende na Vigília Pascal, permite-nos ver os nossos defeitos, as nossas falhas, para depois as corrigirmos. Deste modo, somos capazes de redescobrir-nos, na beleza do que somos e que tantas vezes pode estar escondido porque nos fechamos ou escondemos da Luz. Assim como agora fui capaz de redescobrir uma nova igreja, com tanto que tem de belo, apesar do que precisa ser consertado, com a Luz da Páscoa seremos capazes de reencontrar-nos, abrindo-nos a Cristo Ressuscitado que nos renova e nos dá uma nova vida e uma nova Luz.

 

P. Nuno Rosário Fernandes, diretor

p.nunorfernandes@patriarcado-lisboa.pt

Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Outubro ficará na história da Igreja em Portugal por dois principais motivos: a entrada, para o colégio cardinalício, de D.
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Se houve nas últimas décadas uma cristã militante social da maior relevância, exemplo do compromisso...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES