Domingo |
À procura da Palavra
“Valeis muito mais...!”
<<
1/
>>
Imagem
DOMINGO XII COMUM Ano A

“Não temais: valeis muito mais

do que todos os passarinhos.”

Mt 10, 31

 

Inferno! Talvez a palavra mais repetida sobre os incêndios dos últimos dias, que ceifaram vidas, e bens, e florestas. Que palavras para descrever o desequilíbrio entre as forças da natureza e o esforço heroico de homens e mulheres? Como lembrar os acasos e providências de vidas que se salvaram, de entreajudas milagrosas, de heroicidade inesperada? Como contar a dor de perder pessoas amadas, de decisões irremediáveis, de ver o fogo devorar tudo e todos? Entre o inevitável e o evitável é possível tirar lições e sabedoria para o futuro. Porque no íntimo não se fica na mesma: “O que mais preocupa é o estado de espírito das pessoas [...] Qualquer gesto neste momento é importante”, disse o P. Júlio dos Santos, Pároco de Pedrógão Grande e filho da terra.


Falar dos incêndios não é simples sem pode ser simplista. E como acontecem na época de calor, em que férias e praia são mais aliciantes do que reflexões e estudos sérios para levar a decisões justas e honestas, a pouco e pouco abafar-se-ão os gritos e outras notícias ganharão destaque. Se a maior questão é económica, fale-se abertamente, envolvendo proprietários, autarquias e todas as instituições, com o sentido de bem comum, tão evidente na partilha solidária para o socorro imediato das catástrofes, e tão rapidamente esquecido com o passar do tempo!  Quase dói relembrar a nota pastoral “Cuidar da casa comum – prevenir e evitar os incêndios” dos Bispos de Portugal de 27 de abril passado (dois meses antes do “inferno” de Pedrógão Grande!). Podia ser um programa de acção: 1. Apurar, detetar e combater os comportamentos criminosos e os interesses em torno dos incêndios; 2. Prevenção, limpeza e ordenamento das florestas e as consequentes necessidades económicas; 3. Papel inestimável dos bombeiros e de numerosas instituições; 4. Mudança de mentalidade, compromisso e educação. Escutar e pôr em prática depende de todos, e não é esse o método de Jesus?!


É porque “valemos mais do que todos os passarinhos”, como diz Jesus no evangelho de hoje, que não podemos chorar agora e esquecer amanhã. O mal evitável é da nossa responsabilidade. Cito a referida nota: “é fundamental que todos olhemos a natureza não como uma simples fonte de utilidade e rendimento económico e por isso facilmente sujeita a explorações de tal modo desordenadas que a destroem totalmente. Até mesmo por não nos ser possível viver sem ela, há que respeitá-la e valorizá-la, na sua bondade, harmonia e equilíbrio, como um dom que recebemos e um legado que devemos esforçar-nos por transmitir às gerações futuras” (n.5).


Nunca evitaremos todas as catástrofes que a natureza bela e, às vezes, terrível, é capaz de oferecer. É bom lembrar a nossa fragilidade e pequenez. Mas está nas nossas mãos evitar os males maiores a que nos levam a inconsciência e a ganância. É preciso vencer o egoísmo e a soberba que desprezam o bem comum. Porque todos valemos muito! E é Deus quem o diz!

P. Vítor Gonçalves
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
António Bagão Félix
Na semana passada li uma entrevista com um candidato a deputado (cabeça-de-lista) pelo circulo eleitoral do Porto.
ver [+]

P. Manuel Barbosa, scj
Com “missão nas férias” não quero propor programas de férias missionárias, nem dizer que a missão está de férias.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES