Na Tua Palavra |
D. Nuno Brás
Facilidade
<<
1/
>>
Imagem

No nosso tempo, nascemos habituados a que nos facilitem a vida.

Todos os caminhos se abrem diante de nós, desde crianças. A escola é um jogo. Um choro, e a vontade do “príncipe” é realizada.

Depois são as marcas da moda, os smartphones e os computadores. Nem vale a pena estudar porque existem essas máquinas maravilhosas que sabem tudo, a quem podemos consultar, e que em poucos segundos nos dão toda a informação pretendida. Mas é também a facilidade com que julgamos os outros e, sobretudo, como os tomamos como objectos – bem piores que robots, porque estes obedecem em tudo aos nossos caprichos e são mais eficazes. E são também as paixões, os desejos e as vontades arbitrárias. Tudo à disposição de um jovem adolescente, e de um modo fácil.

De tal forma que confundimos facilidade com felicidade (aliás, a diferença é apenas de uma letra). A felicidade não pode deixar de ser fácil, pensamos. O caminho da nossa vida não pode deixar de ser pavimentado, largo quanto uma autoestrada, e sempre com todas as indicações correctas, para triunfarmos facilmente na vida.

E mesmo quando em adultos nos vemos diante de qualquer dificuldade, o mais simples é fugir, procurar o caminho mais fácil. É assim na profissão. É assim na família. “Tenho o direito a ser feliz” – escutamos tantas vezes, e percebemos que aquilo que se quer dizer é apenas: “Tenho o direito a que seja fácil”.

E o mesmo se diga dos inúmeros “agnósticos” com que nos deparamos em cada dia. Ser agnóstico, não afirmar que Deus existe (como faz o crente), nem negar a sua existência (como no caso do ateu), é o mais fácil e o mais “politicamente correcto”. Afinal, em consciência, não posso negar a existência de Deus, porque “deve haver qualquer coisa” para tudo isto fazer sentido; mas afirmar a Sua existência, isso compromete-me, a mim e ao meu modo de viver: teria que escutar Deus e procurar cumprir a Sua vontade. É bem mais fácil ser agnóstico. Ninguém nos pergunta o porquê. Até têm pena de nós: “coitado, não foi tocado pelo dom da fé”. Não nos interrogam, nem temos que dar testemunho. É mais fácil.

Mas nós sabemos que, naquilo que vale a pena, a facilidade é uma mentira.

A OPINIÃO DE
Isilda Pegado
1. Termina agora o ano judicial e milhares de casos de crianças, pais e mães envolvidos em longas contendas,...
ver [+]

P. Duarte da Cunha
Os nossos olhos e tudo o que lhes está associado no cérebro tornam possível essa coisa maravilhosa que é ver.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES