Lisboa |
Jubileu de Profissão Religiosa das Irmãzinhas dos Pobres
Bispo destaca “testemunho de fidelidade”
<<
1/
>>
Imagem

O Bispo Auxiliar de Lisboa D. Joaquim Mendes salientou o “testemunho de fidelidade das 10 Irmãzinhas dos Pobres que celebram respetivamente 70, 60, 50 e 25 anos de vida religiosa servindo Cristo nos pobres”.

 

Numa celebração na Residência dos Velhinhos, em Campolide, Lisboa, o prelado deixou um agradecimento. “Obrigado Irmãzinhas pelo vosso testemunho, que Deus vos abençoe e vos guarde no seu amor. E que o vosso testemunho faça luz nas nossas vidas e naqueles que se cruzarem convosco, nos leve a ler os sinais do seu amor nas vossas vidas e na vossa missão; e que desperte no coração, sobretudo dos jovens, a grandeza, a beleza e a força do amor de Deus”, salientou D. Joaquim Mendes.

Na sua homilia, o Bispo Auxiliar de Lisboa destacou quatro pontos acerca da vida religiosa: “Em primeiro lugar, a vida religiosa brota do encontro com Cristo ressuscitado. (…) Em segundo lugar, a vida religiosa, como a vida cristã, é um caminho em direção a uma meta.

Um caminho de fé marcado pela uma tensão espiritual, por um forte desejo de conhecer sempre mais o Senhor, de crescer na relação com Ele, de o amar mais, de contemplar o seu rosto. (…) Em terceiro lugar, a vida religiosa, assim como a vida cristã, é participação no amor do Pai por Jesus e de Jesus pelo Pai. A vida religiosa brota do amor de Jesus que chama, consagra e envia. (…) Em quarto lugar, a vida religiosa é um permanecer em Cristo, participar da sua intimidade, ser amigo de Cristo, e experimentar a alegria de Cristo, a alegria de ser amado e de amar”.

D. Joaquim Mendes destacou, por isso, a vida das Irmãs, “na sua entrega a Cristo e no serviço a Cristo nos pobres”. “As suas vidas plasmadas pelo amor de Deus são um grande sinal para a Igreja e para o mundo: dizem que Deus é capaz de preencher as suas vidas, dar-lhes sentido, e que a fidelidade é possível, quando alicerçada no amor fiel de Deus, que nunca abandona aqueles que chama e envia em seu nome, e para o servir nos velhinhos e nos pobres”, terminou.

Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
Isilda Pegado
1. Neste tempo, em que o individualismo parece imperar, apesar da destruição que gera na Sociedade,...
ver [+]

P. Duarte da Cunha
Que todos os homens querem ser felizes não parece ser objecto de discussão entre pessoas sãs. Todos queremos, de facto, ser felizes.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES