Missão |
Tiago Barbosa, Congregação dos Missionários do Espírito Santo
“Assumi que a felicidade da minha vida se expressava nesta consagração!”
<<
1/
>>
Imagem

Tiago Barbosa nasceu a 30 de janeiro de 1976 na freguesia de São João do Souto, em Braga. É licenciado em Teologia pela Universidade Católica e é sacerdote na Congregação dos Missionários do Espírito Santo. Já participou em diversas missões.

 

 

Conhecer os Missionários Espiritanos

Os seus estudos primários foram na Escola Primária de Nogueira e os estudos do ensino preparatório na sua “cidade natal”. Em 1989 entrou no Seminário Menor da Congregação do Espírito Santo. “Por causa disto, estudei em Godim-Régua, em Braga em Barcelos, onde concluí o 12º ano. Iniciei, em 1994, o curso de Teologia na Universidade Católica, polo do Porto e conclui em 2000 esta mesma licenciatura na Universidade Católica, em Lisboa”, diz-nos. “Nasci no seio de uma família católica. Como qualquer miúdo da minha terra, tive um percurso idêntico na catequese, mais na ótica de ‘consumidor’ que cada sábado vai à catequese, participa na missa e outras celebrações como mero espectador… Participava assiduamente do grupo de escuteiros. Após conhecer os missionários espiritanos, por intermédio do meu professor de religião e moral, então aí foi uma caminhada diferente, na qual foi, pouco a pouco, descobrindo os desígnios de Deus”, conta Tiago Barbosa, recordando a experiência missionária que teve em Moçambique e que “solidificou” o desejo de consagrar a sua vida como sacerdote missionário. “Mais do que dar coisas, ou fazer isto ou aquilo pelo outro, senti que a minha vida só tinha pleno sentido se fosse entregue a Deus nesta congregação e, por razões que não consigo traduzir em palavras, assumi que a felicidade da minha vida se expressava assim”, partilha.

 

O início do percurso como Missionário

Como principais marcos da sua vida, começa por referir o dia do seu Batismo, a 31 de março de 1976, seguindo-se o dia da sua entrada no seminário a 19 de setembro de 1989. Um dia que o marcou também foi aquele em que pisou o terreno africano pela primeira vez como missionário a 16 de setembro de 2000 e, claro, o dia em que foi ordenado sacerdote a 12 de julho de 2013. Fez a sua primeira profissão religiosa, na Congregação do Espírito Santo, a 8 de setembro de 1997 e em setembro de 2000 partiu para a sua primeira experiência missionária em Moçambique, onde esteve até junho de 2002. Em setembro do mesmo ano fez a sua profissão perpétua, em Braga, e no dia 15 do mesmo mês foi ordenado diácono na Igreja Paroquial de Nogueira pelas mãos do Arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga.  Em 2003 foi ordenado presbítero na Igreja do Seminário da Torre d’Aguilha pelas mãos do bispo de Cabo Verde, Dom Paulino Évora. E a 27 de outubro do mesmo ano partiu para o México “a fim de aí viver e trabalhar no projeto espiritano de pastoral indígenas com o povo Teneek (ascendência Maya), na zona huasteca do estado de San Luís Potosí”. “Permaneci ali 7 anos e em 2010 fui pároco na cidade de Tampico, estado de Tamaulipas, zona noroeste do México. Depois de 4 anos de trabalho missionário em zona urbana de exclusão e pobreza, regressei a Portugal. Desde 2014, estou a viver na comunidade espiritana de Viana do Castelo, no projeto de animação missionária, coordenando nesta dimensão as atividades diocesanas e congregacionais”, explica Tiago Barbosa.

 

Renascer com a comunidade indígena

Termina, dizendo-nos que algo que o marcou profundamente foi o dia em que assumiu “ser pároco de uma comunidade indígena. Isto significou um novo nascimento: mais do que a língua nova aprendida, para mim tratou-se voltar a ser criança, a ter que aprender tudo novamente, noutros códigos, nesta linguagem, noutra maneira de falar de Deus e com Deus… aprender a sentir e experimentar Deus na natureza e, em especial, no outro, pobre e desfavorecido”.

texto por Catarina António, FEC | Fundação Fé e Cooperação
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
Isilda Pegado
1. Neste tempo, em que o individualismo parece imperar, apesar da destruição que gera na Sociedade,...
ver [+]

P. Duarte da Cunha
Que todos os homens querem ser felizes não parece ser objecto de discussão entre pessoas sãs. Todos queremos, de facto, ser felizes.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES