Lisboa |
Casa de Saúde do Telhal celebra 125 anos
“Acolher, amar, cuidar, servir a Cristo nos doentes que o Senhor envia”
<<
1/
>>
Imagem

Na celebração dos 125 anos (1893-2018) da Casa de Saúde do Telhal, da Ordem Hospitaleira de São João de Deus, o Bispo Auxiliar de Lisboa D. Joaquim Mendes lembrou que “a verdadeira hospitalidade acontece em primeiro lugar no coração iluminado pela fé”, que leva “a reconhecer Cristo nos doentes”.

 

“No fim da vida seremos julgados pelo amor, por termos reconhecido e servido a Cristo nos irmãos e nas irmãs com necessidade. Cristo identifica-se com os famintos com os ‘irmãos mais pequeninos’, os mais frágeis. O bem feito a eles é feito ao próprio Jesus. São João de Deus amou, cuidou, serviu Cristo nos mais frágeis, nos últimos, nos maltratados e excluídos da sociedade. Hoje, cabe a nós continuar a sua missão, a missão da hospitalidade: de acolher, amar, cuidar, servir a Cristo nos doentes que o Senhor vos envia. A verdadeira hospitalidade acontece em primeiro lugar no coração iluminado pela fé, que nos leva a reconhecer Cristo nos doentes e a tratá-los como São João de Deus os tratava, com a mesma compaixão, e loucura de amor que brota de um coração plasmado pelo amor de Cristo”, frisou D. Joaquim Mendes, na homilia da celebração a que presidiu, na manhã do passado dia 8 de março, festa de São João de Deus, na capela da Casa de Saúde do Telhal.

Perante utentes e funcionários da instituição, o Bispo Auxiliar do Patriarcado destacou a palavra amor. “‘O amor cresce através do amor’, foi assim com São João de Deus e deve ser assim também connosco. O amor cresce amando. O amor conhece-se amando”, observou, alertando: “É um risco adiarmos os atos de amor, o bem a fazer, a caridade a praticar, porque podemos não ter tempo para o fazer e sermos surpreendidos, quando chegarmos à presença do Senhor”.

 

“Não desanimeis!”

D. Joaquim Mendes agradeceu também aos Irmãos e aos colaboradores da instituição que foi fundada em 1893, por São Bento Menni, Irmão Hospitaleiro. “Demos graças pelos Irmãos e colaboradores que perpetuaram ao longo destes anos esta obra de amor aos mais frágeis, entregando a sua vida, gastando-se, para que os doentes pudessem ter vida, dignidade e os cuidados necessários. São João de Deus quer continuar a sua obra em vós, caríssimos Irmãos e colaboradores. Conhecemos as dificuldades e os constrangimentos, mesmo daqueles que têm o dever de apoiar, colaborar e reconhecer a importância desta obra e de outras ao serviço dos mais frágeis, abandonados e excluídos da sociedade. Não desanimeis! São João de Deus na realização da sua missão também encontrou dificuldades e incompreensões, mas o amor e a providência de Deus são mais fortes e não vos falarão, como não faltou a São João de Deus”, encorajou.

No 125º aniversário da Casa de Saúde do Telhal, o Bispo Auxiliar de Lisboa dirigiu-se, ainda, de forma particular aos utentes da instituição. “Caríssimos doentes, agradecei a graça de estar nesta casa, onde São João de Deus, através dos Irmãos e colaboradores, continua a cuidar de vós e a acompanhar-vos com dedicação e amor. Que por intercessão de São João de Deus o Senhor conceda à sua Igreja e a cada um de nós um “coração samaritano” e o dom da hospitalidade, de acolher com o coração e de servir com amor”, desejou D. Joaquim Mendes.

 

_____________


Homenagem aos colaboradores

O aniversário da Casa de Saúde do Telhal ficou ainda marcado pela distinção aos colaboradores que cumprem, neste ano, 25 anos de serviço nesta obra da Ordem Hospitaleira de São João de Deus. Cada um dos funcionários recebeu duas pequenas medalhas, uma moldura e um ramo de flores, além dos cumprimentos do Bispo Auxiliar de Lisboa D. Joaquim Mendes e o aplauso dos utentes.

 

_____________


São João de Deus, o santo do amor concreto

Esta celebração no Telhal teve lugar no dia da festa de São João de Deus (8 de março). “Repartir, dar, curar, três verbos que plasmaram a vida de São João de Deus e que devem plasmar a nossa, sobretudo a daqueles que o Senhor chamou a continuar a sua missão – Irmãos, colaboradores, a família hospitaleira”, manifestou D. Joaquim Mendes, Bispo Auxiliar de Lisboa, sublinhando que “São João de Deus é o santo da caridade”, o “santo do amor concreto”.

São João de Deus, nascido João Cidade, em Montemor-o-Novo, a 8 de março de 1495 e que faleceu em Granada, Espanha, a 8 de março de 1550, é um santo da Igreja que se distinguiu na assistência aos pobres e aos doentes, tendo criado a Ordem dos Irmãos Hospitaleiros para o ajudarem nessa missão. João Cidade foi beatificado pelo Papa Urbano VIII, em 28 de outubro de 1630, e canonizado em 16 de outubro de 1690, pelo Papa Alexandre VIII. São João de Deus, cuja memória litúrgica é celebrada a 8 de março, é o padroeiro dos hospitais, dos doentes e dos enfermeiros.

texto e fotos por Diogo Paiva Brandão
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Outubro ficará na história da Igreja em Portugal por dois principais motivos: a entrada, para o colégio cardinalício, de D.
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Se houve nas últimas décadas uma cristã militante social da maior relevância, exemplo do compromisso...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES