Liturgia |
Os Padres da Igreja ao ritmo da Liturgia
«Alteai-vos pórticos antigos, e entrará o Rei da glória»
<<
1/
>>
Imagem

«“Recebereis a força do Espírito Santo, que descerá sobre vós, e sereis minhas testemunhas em Jerusalém e em toda a Judeia e na Samaria e até aos confins da terra.” Dito isto, elevou-Se à vista deles e uma nuvem escondeu-O a seus olhos». (Act. 1, 8-9)


São Gregório, bispo de Nissa, na Capadócia, hoje Vedsehir, na actual Turquia, no séc. IV. Era irmão de São Basílio Magno. Insigne pela sua vida e doutrina, que, por ter proclamado a verdadeira fé, foi expulso da sua cidade no tempo do imperador ariano Valente. Esta homilia proferida na festa da Ascensão do Senhor é o primeiro testemunho digno de crédito sobre uma festa da Ascensão do Senhor distinta do Pentecostes.

Esta nossa festa que, por si só, já é grande, fê-la ainda maior o Profeta ao juntar-lhe, e muito bem, a alegria que nasce dos salmos, pois num deles se diz que te faças ovelha, que há-de ser apascentada por Deus e não será privada de nenhum bem. Foi para ela que o bom Pastor Se fez verde prado e água fresca, alimento e tenda, caminho e guia e todas as coisas, distribuindo-lhe a sua graça conforme a necessidade dela. Por tudo isso a Igreja ensina que é preciso que te tornes, primeiro, ovelha do bom Pastor, através da boa catequese e, pela iniciação na doutrina da páscoa divina, sejas conduzido às fontes, a fim de seres sepultado com Ele na morte pelo baptismo, e deixes de ter medo desta morte. Esta não é a morte, mas a sua sombra e semelhança. Na verdade, se eu caminhar no meio das sombras da morte, não temerei nenhum mal, porque Vós estais comigo. O Espírito é consolador. Depois convida para a mesa mística, que é preparada em oposição à mesa dos Demónios. Na verdade, foi pela idolatria que os Demónios afligiram a vida dos homens, mas a eles se opõe a mesa do Espírito. Nesta mesa o Espírito unge-nos a cabeça com óleo, junta-lhe o vinho que alegra o coração, faz-nos sentir aquela sóbria embriaguez da alma, e conduz o nosso espírito das coisas perecíveis àquelas que são eternas. Vede com David tornou mais bela para nós a festividade deste dia, ao juntar a sua alegria à da Igreja. Por isso, na medida em que que pudermos, imitemos também nós o Profeta, no amor para com Deus, na simplicidade da vida, na tolerância para com aqueles que nos odeiam, a fim de que a doutrina do Profeta nos ensine a viver de maneira feliz em Jesus Cristo Nosso Senhor, a quem seja dada glória pelos séculos dos séculos. Amen.

(PG 46, 689-694; Antologia Litúrgica 1988).

 

Nota: Neste caso, o Profeta é o rei David, que no Salmo 23 desta solenidade cantou o mistério da entrada na glória do Céu d’Aquele que antes tinha assumido a nossa natureza humana, Jesus Cristo: Ó portas, levantai os vossos umbrais! Alteai-vos, pórticos eternos, que vai entrar o rei da glória. Quem é esse rei da glória? É o Senhor, forte e poderoso, o Senhor, poderoso nas batalhas.

 

 

Foto:

Ressurreição e Ascensão do Senhor | Séc. V

Placa em marfim | Alemanha

Departamento de Liturgia do Patriarcado de Lisboa
A OPINIÃO DE
Isilda Pegado
1. Somos hoje, e desde há várias décadas, confrontados com leis e comportamentos que criam fraturas...
ver [+]

P. Duarte da Cunha
São cada vez mais as pessoas que perguntam o que é específico da fé cristã. Sobretudo à volta da época do Natal.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES