Lisboa |
Comissão Nacional Justiça e Paz
“Não podemos continuar a ignorar os perigos”
<<
1/
>>
Imagem

Na sequência da COP26, a Comissão Nacional Justiça e Paz (CNJP) apelou a “um genuíno sentido de responsabilidade” para fazer face às “crescentes alterações climáticas”.

“Não podemos continuar a ignorar os perigos e a adiar as decisões, não podemos também continuar a depender só da decisão dos líderes das nações. É agora chegada a vez das comunidades e da cidadania, é agora chegada a nossa vez. Neste sentido, a Comissão Nacional Justiça e Paz, na linha do comunicado da delegação da Santa Sé na COP 26, apela para um genuíno sentido de responsabilidade para com as gerações presentes e futuras, de modo a incentivar e promover as mudanças de estilos de vida e de mentalidades que favoreçam e acelerem o cuidado com a nossa casa comum, de modo a responder verdadeiramente ao grito da terra e ao grito dos pobres”, refere a nota da CNJP, intitulada ‘Agora é connosco – A propósito da COP 26’.

O texto sublinha, de forma particular, a responsabilidade dos cristãos. “A tarefa que temos pela frente não é fácil, mas, como cristãos, sabemos que o Criador não nos abandona, nunca recua no Seu projeto de amor, nem Se arrepende de nos ter criado. A humanidade possui ainda a capacidade de colaborar na construção da nossa casa comum (cf. LS nº 13)”, garante o organismo laical da Conferência Episcopal Portuguesa.

Nota na íntegra: www.ecclesia.pt/cnjp

A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
Continuamos a ler os Atos dos Apóstolos, e a acompanhar Paulo e Barnabé no seu percurso: «Naqueles...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
A dor não é uma desgraça, mas uma experiência de amor que, ao unir-nos ao sacrifício de Cristo na Cruz, nos aproxima dos irmãos.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES