Lisboa |
Solenidade de São Vicente, padroeiro principal do Patriarcado de Lisboa
“Como a nau de Vicente, chegaremos a bom porto”
<<
1/
>>
Imagem
Video

O Cardeal-Patriarca destacou a “autenticidade da fé e a caridade das obras” do diácono e mártir do século IV. Na Solenidade de São Vicente, padroeiro principal do Patriarcado, D. Manuel Clemente considerou que a Jornada Mundial da Juventude, que Lisboa recebe em 2023, vai ser um “grande serviço” à Igreja e à cidade.

“A preparação em que estamos da próxima Jornada Mundial da Juventude é oportunidade de excelência para que todos – Igreja e cidade – nos reencontremos no grande serviço que ela há de ser. Juntaremos em alegria, fraternidade e paz uma multidão juvenil dos vários continentes, para a relançar, evangelicamente impulsionada, depois da depressão pandémica que atingiu duramente a sua faixa etária. É algo tão grandioso como urgente. Como a nau de Vicente, chegaremos a bom porto”, desejou o Cardeal-Patriarca, na homilia da Solenidade de São Vicente.

Na Sé Patriarcal de Lisboa, na manhã do passado dia 22 de janeiro, D. Manuel Clemente destacou a “prioridade” do diácono e mártir do século IV no “cuidado dos pobres” e na “atenção aos necessitados”. “Não é irrelevante para a cidade ter como brasão um sinal de serviço e não qualquer outro, de cariz bélico ou episódico que fosse. São Vicente lembra-nos a todos a prioridade que era a sua: o cuidado dos pobres e a atenção aos necessitados. Foi isso que trouxe à cidade com a nau que a representa. É em todas essas frentes que nos acompanha agora, decisores e cidadãos em geral, com especial encargo para os seus verdadeiros devotos”, assinalou o Cardeal-Patriarca, reforçando que “celebrar São Vicente é muito mais do que cumprir uma data, ou manter uma efeméride”. “Datas e efemérides são assunto de calendário e lembrança. Celebração é bem mais do que isso, pois trata-se de confirmar em nós o que Deus já confirmou no mártir, ou seja, a vitória do Evangelho inteiramente vivido e convivido”, explicou D. Manuel Clemente, sublinhando ainda que “figuras como o nosso mártir, pela autenticidade da fé e a caridade das obras, se tornam mais significativas e determinantes, para que o Evangelho fulgure, na Igreja e na cidade”.

Homilia na íntegra: https://bit.ly/SVicente2022

 

Rosas brancas

A Solenidade de São Vicente, na Sé Patriarcal, contou com a presença do novo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas, que no final da celebração, como é tradição, depositou um ramo de rosas brancas junto ao relicário do diácono e mártir do século IV.

 

A OPINIÃO DE
Pe. Alexandre Palma
A ecologia parece um assunto novo. Ampliado pelo actual sobressalto ambiental, o termo e o tema determinam hoje muito da nossa agenda pública.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
De entre os episódios de violência e perseguição contra cristãos, têm vindo em particular evidência nos últimos tempos os ocorridos na Nigéria.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES