Mundo |
As estradas do Maláui são um obstáculo para o trabalho do Pe. Chikwiri
Missão [quase] impossível
<<
1/
>>
Imagem

Muita pobreza, muitas pessoas desenraizadas, muitos refugiados. No sul do Maláui, há muita gente que veio de Moçambique fugindo ainda da violência da guerra civil. Todos precisam de ajuda, mas, para o Pe. Ephraim Chikwiri, há ainda outras urgências, outras almas para acudir. Ele é capelão em cinco prisões e não sabe como chegar a todas elas na sua velha motorizada, em estradas que nunca viram a cor do alcatrão…

 

A região sul do Maláui parece quase um enclave no meio de Moçambique. Entre os dois países há, aliás, muitas histórias partilhadas, em especial de pessoas que se viram forçadas a fugir quando Moçambique viveu os duros anos da guerra civil, entre 1985 e 1995. Nessa altura, nessa década, calcula-se que mais de um milhão de moçambicanos tenham passado as porosas fronteiras entre os dois países em busca de alguma paz e tranquilidade. Curiosamente, as autoridades voltaram a identificar agora, já nos últimos meses, novos grupos de refugiados oriundos de Moçambique. Desta vez, são pessoas que fogem do terrorismo que assola a província de Cabo Delgado e que ameaça já estender-se também à de Niassa e, quem sabe, mais para sul, para Nampula e Zambézia. Todos eles têm em comum histórias terríveis. Fogem por medo, fogem da violência, mas não conseguem fugir da pobreza que parece quase inevitável naquelas paragens. O Pe. Ephraim Chikwiri sabe bem como estes refugiados representam um desafio para a Igreja. São pessoas sem nada que precisam de quase tudo para sobreviver no dia-a-dia. Mas para o Pe. Chikwiri há outras urgências, outros dramas a resolver.

 

A vida depois das grades

Na Diocese de Zomba, no sul do país, há cinco estabelecimentos prisionais. O Pe. Chikwiri é capelão em todos eles. Não há dia em que não peçam a sua presença. Na verdade, ele é mais do que um simples capelão. Para muitos dos presos, é através dele que conseguem sonhar a vida depois das grades, depois da reclusão. Para muitos, o Pe. Chikwiri é o amigo que nunca tiveram. Mas não é fácil ser capelão em cinco prisões diferentes que distam largas dezenas de quilómetros umas das outras. As estradas são difíceis, muito difíceis, por vezes tornam-se quase intransponíveis, em especial na época das chuvas quando a água que cai torrencial transforma a terra vermelha em lama e cava buracos que parecem querer engolir os próprios automóveis.

 

Uma velha motorizada

Mas o Pe. Chikwiri nem tem um carro. Desloca-se para todo o lado com uma motorizada velha que já se esfalfou em centenas de viagens, em urgências para atender, em pessoas aflitas a visitar, em milhares de quilómetros que já não é possível contabilizar.  As prisões em Zomba, como em geral as prisões em África, não são lugares fáceis. As pessoas endurecem na ânsia de sobreviver. Tornam-se rudes, agrestes, violentas. É sobre isso que o Pe. Chikwiri trabalha todos os dias. Ele quer transformar aquelas pessoas. Para isso, precisa de amolecer desconfianças, de criar laços, de os aproximar uns dos outros. Caso contrário, todos eles, quando saírem das prisões após cumpridas as penas a que foram condenados, nunca saberão respirar o ar da liberdade, nunca voltarão a ser cidadãos por inteiro, nunca conseguirão ser cidadãos de verdade.

 

Um carro para o padre das prisões

É difícil o trabalho de capelão das cadeias em África. É difícil o trabalho do padre Chikwiri, mas ele não se queixa do número de pessoas que tem de atender, não se queixa de estar praticamente sozinho nesta missão tão especial que a Diocese lhe pediu. A única coisa que o Pe. Chilwiri nos pede é um carro suficientemente robusto para as estradas esburacadas da região sul do Maláui. Só isso. A falta de um carro preocupa-o de verdade. Ele sabe que, no dia em que não conseguir visitar todos os presos, por a velha motorizada se recusar a fazer mais quilómetros, dezenas de pessoas deixarão de ter visita, deixarão de ter alguém com quem conversar, deixarão de ter um amigo que lhes encha o dia com palavras que fazem sonhar. “A Igreja deve trazer a cura para uma sociedade destroçada e restaurar as almas humanas”, diz o Pe. Ephraim Chikwiri.

 

Padre, amigo, psicólogo

Os dias do Pe. Chikwiri são intensos. Por vezes, as horas não chegam para tudo o que tem de fazer, para todas as pessoas que tem de visitar, para todas as tarefas que gostaria de planear. É que, além de celebrar Missa nas cinco cadeias, o padre ainda organiza encontros mensais com os reclusos, cursos de estudo bíblico, dá aulas de catequese e, às vezes, até faz de psicólogo junto dos que estão numa situação mais difícil, mais complicada. Mas não são apenas os reclusos que beneficiam da sua presença. Os próprios guardas prisionais já se habituaram a vê-lo por ali, à sua voz amiga, aos seus conselhos, à sua disponibilidade total. Para cumprir com a sua missão, o Pe. Ephraim Chikwiri pede-nos ajuda apenas para um carro robusto. Mais nada. Ele precisa de nós para continuar a “restaurar almas”. Vamos ajudá-lo?

texto por Paulo Aido, Fundação Ajuda à Igreja que Sofre
A OPINIÃO DE
P. Manuel Barbosa, scj
No momento em que traço estas notas, o mundo anda em rebuliço: vastíssimos incêndios a ceifar vidas...
ver [+]

António Bagão Félix
Escreveu Miguel Torga na sua carta ao romancista e poeta brasileiro Ribeiro Couto (“Traço de...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES