Lisboa |
Cáritas de Lisboa e a chegada de refugiados da Ucrânia
“Insistimos na importância de trabalharmos não sozinhos, mas em rede”
<<
1/
>>
Imagem

A Cáritas Diocesana de Lisboa lembrou às paróquias a necessidade de seguir as “orientações oficiais” em relação ao alojamento de refugiados ucranianos. Numa carta enviada aos párocos, a instituição recorda ainda os procedimentos na resposta à emergência provocada pela guerra na Ucrânia.

“Em relação ao alojamento, que é uma área que preocupa e mobiliza muitas vontades, devem ser seguidas as orientações oficiais. Assim, quer as Paróquias, quer as famílias que pretendam disponibilizar casa ou acolher famílias ou menores, devem enviar um email para sosucrania@acm.gov.pt. Será depois o Alto Comissariado para as Migrações (ACM), em articulação com a Segurança Social (e em algumas zonas a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa), que irá assegurar a distribuição de alojamento por quem dele necessite”, lembra a carta, assinada pelo presidente da CDL, Luís Macieira Fragoso. Na missiva, este responsável recorda que a Cáritas de Lisboa “ativou a sua rede de emergências, de acordo com o definido no Plano Diocesano de Resposta a Emergências e Catástrofes”. “A CDL está a trabalhar em articulação com os diversos coordenadores vicariais das emergências e está atenta e disponível para responder ao que lhe for pedido como necessário. A oferta a quem chega de um espaço de aprendizagem do português poderá não ser difícil de organizar nas Paróquias. O português é fundamental ao seu acolhimento e integração”, sugere. “Insistimos na importância de trabalharmos não sozinhos, mas em rede, ajudando, na medida das nossas estruturas e recursos, e evitando o desperdício e duplicação da oferta”, acrescenta a carta, reforçando que “a Rede Cáritas em Portugal continua a sua angariação de fundos para que consiga dar apoio às Cáritas locais que estão no terreno”.

Donativos online: www.caritas.pt/donativos-online

 

______________

Ajudar a Ucrânia, em família

A Pastoral da Família do Patriarcado de Lisboa propôs que, “em família e nas paróquias, se intensificasse a oração pelo fim da guerra”. Numa comunicação enviada às paróquias, foi ainda pedido que “quem está disposto a ajudar, acolhendo em casa ou arranjando alojamento para as famílias ucranianas, se inscreva na plataforma https://portugalforukraine.gov.pt/ do ACM (Alto Comissariado para as Migrações)”. “No Concelho de Lisboa podem também enviar um mail para sosucrania@cm-lisboa.pt ou telefonar para o 800910111”, acrescenta a nota, desejando que “nas paróquias possam nascer alguns serviços simples de apoio, como grupos de encontro com ucranianos que estão em Lisboa para poderem conversar; aulas de português; ajuda na procura de emprego”.

A OPINIÃO DE
P. Manuel Barbosa, scj
No momento em que traço estas notas, o mundo anda em rebuliço: vastíssimos incêndios a ceifar vidas...
ver [+]

António Bagão Félix
Escreveu Miguel Torga na sua carta ao romancista e poeta brasileiro Ribeiro Couto (“Traço de...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES