Mundo |
Bispo conta como é estar numa cidade ucraniana sitiada pelas bombas
“Sobrevivemos a mais uma noite…”
<<
1/
>>
Imagem

“Sobrevivemos a mais uma noite. Estamos vivos e de boa saúde.” A frase é do Bispo de Kharkiv e diz muito, quase tudo, sobre a guerra na Ucrânia. O Bispo é uma das pessoas que conhece melhor o drama das populações forçadas a viver escondidas das bombas em caves profundas, nas estações subterrâneas ou em improvisados ‘bunkers’. É um dia de cada vez. Desde que a guerra começou que tem sido assim…

 

Com os prédios desfeitos, com os bairros em ruínas, com as ruas cheias de destroços, sobreviver em Kharkiv parece quase um luxo. Dos céus silvam bombas que espalham a morte. É tudo tão rápido, tão brutal que as pessoas já se começaram a acostumar à violência e à destruição. A morte banalizou-se desde a madrugada de 24 de Fevereiro, quando os primeiros soldados, os primeiros tanques atravessaram as fronteiras, quando as primeiras bombas começaram a cair, quando o mundo, ainda incrédulo, percebeu que havia uma guerra a sério no centro da Europa. O mapa da Ucrânia é hoje o retrato de um moribundo. Algumas cidades têm sido particularmente flageladas pela violência. Kharkiv é uma delas. O Papa Francisco falou já desta cidade pedindo perdão pelas mortes que o mundo não conseguiu evitar. “Senhor Jesus, que morrestes nos braços da mãe num bunker em Kharkiv, tende piedade de nós.” Uma das pessoas que conhece melhor o drama destas populações forçadas a viver escondidas das bombas em caves profundas, nas estações subterrâneas ou nos improvisados ‘bunkers’ de que falou o Santo Padre, é D. Pavlo Honcharuk. O Bispo da Diocese Católica de Kharkiv-Zaporizhzhia sabe bem, quase desde a primeira hora, o que significa a guerra. Logo na primeira semana após a invasão, ainda em Fevereiro, um míssil atingiu a sua casa. Por sorte, não matou ninguém.

 

“Está tudo a tremer…”

Mas são inúmeras já as histórias de pessoas que morreram, de casas derrubadas pela artilharia, de bairros inteiros transformados em ruínas. “Sobrevivemos a mais uma noite. Estamos vivos e de boa saúde.” As palavras do Bispo, ao telefone, a Magda Kaczmarek, a responsável de projectos da Fundação AIS para a Ucrânia, mostram a incerteza de quem vive debaixo de fogo, sob constantes ataques. Cada dia pode ser o último e a vida é celebrada apesar da desolação que se vê em volta. “Há tiros constantes, mas isso agora é normal. Está tudo a tremer, e está muito barulhento. As janelas estremecem como se a vidraça estivesse prestes a cair. Habituámo-nos a que fosse tão barulhento. Até parece suspeito quando é calmo...  É quando não sabemos o que está por vir”, diz o Bispo, acrescentando: “Estamos a viver uma realidade muito nova e triste…”

As sirenes tocam com frequência. São avisos de novos ataques, são avisos de que as bombas podem estar a cair. As pessoas refugiam-se em abrigos. O Bispo estende até esses lugares a sua presença. “Visitamos regularmente as pessoas nas estações subterrâneas, onde vivem e dormem nas plataformas e nas carruagens. Rezamos juntos com católicos e ortodoxos…” A presença do Bispo, dos padres e das irmãs é um sinal desta Igreja que se transformou num autêntico hospital de campanha. À cidade de Kharkiv tem chegado alguma ajuda humanitária. Pequenas carrinhas ou simples automóveis fazem-se à estrada e levam medicamentos, alimentos, mas também fraldas, tudo o que já não existe nas prateleiras de lojas, de supermercados ou farmácias, que também já não existem. Explica o Bispo que até esse simples gesto de levar ajuda humanitária é arriscado.

 

Pessoas traumatizadas

Com a cidade bombardeada, transformada quase num destroço, os hospitais passaram a ser lugares preciosos. É aí também que o Bispo passa agora o seu tempo. “Essa é agora a nossa missão”, diz. É a solidariedade a funcionar em todas as suas valências. “Visitamos os doentes regularmente. Ontem, conseguimos entregar absorventes sanitários ao hospital psiquiátrico, onde as pessoas tiveram de passar sem artigos de higiene durante vários dias. O director agradeceu-nos com lágrimas nos olhos.” A guerra está também a dividir as famílias. Os homens com menos de 60 anos estão a ser incorporados nas forças armadas. D. Pavlo Honcharuk já assistiu a muitas despedidas. Já se comoveu muitas vezes. “Visitei a estação onde assisti a cenas muito comoventes, que me tocaram profundamente. Como nenhum homem entre os 18 e os 60 anos pode deixar o país, os pais despedem-se das suas esposas e filhos, sem saber quando ou se voltarão a ver-se.”

 

Pastoral do amor

Não é fácil lidar com uma avalanche tão grande de sentimentos. Não é fácil lidar com tantas pessoas aflitas, com tantas pessoas perdidas no meio de uma guerra que não se imaginava possível. “Vejo muitos traumas nas pessoas, nos seus olhos, nos seus rostos”, diz o Bispo de Kharkiv. “As crianças, sobretudo, sofrerão mais tarde as consequências. Haverá certamente doenças psiquiátricas depois da guerra. Vamos ter aí uma tarefa difícil…” Uma tarefa difícil que exige de todos o máximo de solidariedade e de amor. “Neste momento, é importante rezar e sobreviver de modo a ajudar as pessoas que estão sozinhas e não têm mais ninguém. Há tanta necessidade – não só de coisas materiais, mas também de bondade, de calor humano, de uma palavra amável, de um abraço, um telefonema...”, explica o Bispo, para acrescentar logo de seguida: “É assim que testemunhamos a presença de Deus, o facto de Ele estar connosco. É uma maneira de transmitir o Evangelho. É a nossa pastoral hoje em dia. Há tantos testemunhos de amor…”

 

______________

 

SOS UCRÂNIA

A Igreja na linha da frente no apoio às vítimas da guerra

AJUDE AGORA!

 

MB Way 918 125 574

Transferência Bancária

IBAN: PT50 0269 0109 0020 0029 1608 8

texto por Paulo Aido, Fundação Ajuda à Igreja que Sofre
A OPINIÃO DE
P. Manuel Barbosa, scj
No momento em que traço estas notas, o mundo anda em rebuliço: vastíssimos incêndios a ceifar vidas...
ver [+]

António Bagão Félix
Escreveu Miguel Torga na sua carta ao romancista e poeta brasileiro Ribeiro Couto (“Traço de...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES