Domingo |
À procura da Palavra
Todos a todos, e… dois a dois
<<
1/
>>
Imagem

DOMINGO XIV COMUM Ano C

“Designou o Senhor setenta e dois discípulos

e enviou-os dois a dois à sua frente.”

Lc 10, 1

 

Em vários campos da existência humana, e especialmente no que se refere às relações entre as pessoas, se constata a aplicação de uma expressão “adaptada” de um romance de George Orwell, que poderia soar assim: “somos todos iguais, mas alguns são mais iguais do que outros”. Sem pôr em causa a riqueza das diferenças que caracterizam povos, culturas e o dom único de cada pessoa, é fácil reconhecer que vivemos num mundo e num tempo escandalosamente desigual em condições de vida, paz e justiça, oportunidades de desenvolvimento, enfim, de dignidade humana. De facto, quando falamos de “todos”, é preciso pôr de parte o egoísmo e a ganância que, “normalmente” justificam as desigualdades!


O envio que Jesus fez dos setenta e dois discípulos (que só aparece no evangelho de Lucas) funciona para mim como um despertador. Obriga-me a levantar os olhos do “umbigo” em que tanta da minha “vida eclesial” me ocupa, para o horizonte largo do mundo, as “nações” (realidades, periferias, pessoas) a que Jesus envia os apóstolos. Não apenas os Doze, mas “todos”, este pronome indefinido (não vago, mas sem fim, para que ninguém fique de fora), que me inclui e inclui todos os baptizados. Não somos só chamados a viver a alegria e o encanto da fé; se acreditamos em Jesus desejamos partilhá-l’O com todos. E não é preciso ir para terras distantes ou aprender línguas estranhas: ao jeito de Jesus, sem impor, mas contagiando, faz-se ao nosso lado, em casa, no prédio, na rua, nas associações, naquilo que importa ajudar a fazer mais humano, mais justo e belo, mais para que todos tenham “vida em abundância”. Todos a todos. É preciso, como dizia Madeleine Delbrêl (1904-1964) fazer a escolha: “Ou missão, ou demissão!”


O evangelho apresenta-nos os meios e as acções que Jesus indica para a missão. É bom escutá-los de novo. E até concretizá-los em “conselhos”, como fez, em desenhos, o P. José Luís Cortés, da Diocese de Madrid: “1. Antes de começar qualquer missão, que Deus transborde do teu coração; 2. Para toda a missão é importante que o missionário tenha bom humor; 3. Antes de tudo, para ser eficiente, é preciso conhecer os problemas das pessoas; 4. Usa sempre, quando quiseres que aprendam, uma linguagem que todos entendam; 5. Pensa que nada convence mais do que o teu exemplo de vida pessoal; 6. Faz boas obras, como Cristo que passou por esta terra fazendo o bem; 7. Não te conformes com a caridade: descobre e procura as causas do mal; 8. E fala do Evangelho sem pudor, sem infantilismo, e com paixão. Pode fazer-se tudo isto sozinho? É melhor em companhia. Dois a dois!


Não há missionários “autodidatas”, heróis solitários, em “nome pessoal”. “Dois a dois” não é para “poderem rezar os salmos do breviário em coro”, mas significa a condição comunitária do evangelho e da vida cristã. Nenhum cristão age sozinho: sempre com Cristo e em comunhão com os irmãos!

P. Vítor Gonçalves
A OPINIÃO DE
P. Manuel Barbosa, scj
No momento em que traço estas notas, o mundo anda em rebuliço: vastíssimos incêndios a ceifar vidas...
ver [+]

António Bagão Félix
Escreveu Miguel Torga na sua carta ao romancista e poeta brasileiro Ribeiro Couto (“Traço de...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES