Igreja em movimento |
Em cena o musical ‘O Quadro’
Alusão à Paixão de Cristo recreada na história de um quadro
<<
1/
>>
Imagem

“É um musical que quer tocar as pessoas dando a conhecer Cristo”. O padre Nuno Tovar de Lemos é autor do texto que dá origem ao novo espectáculo ‘O Quadro’ e garante que a transmissão da fé passa também pela arte.

 

Uma simples conversa acerca da transmissão da fé e a arte, entre a encenadora do musical ‘Wojtyla’, Matilde Trocado, e um sacerdote jesuíta, o padre Nuno Tovar de Lemos, foi quanto bastou para levar a cena um musical que recria a Paixão de Cristo. Nessa conversa, mantida há cerca de dois anos, Matilde desafia o padre Nuno a escrever um texto que pudesse subir ao palco, visando a evangelização. Por falta de tempo para criar algo novo, este sacerdote jesuíta envia a Matilde dois textos não publicados da sua autoria. “Passados uns dias, a Matilde telefona-me a dizer que queria falar comigo acerca de um dos textos e diz-me que já tem o musical todo pensado: o número de actos, de actores, hipóteses de músicas para alguns momentos, e também uma pequena mudança em relação ao texto original, e que considero muito inteligente”, conta ao Jornal VOZ DA VERDADE o padre jesuíta Nuno Tovar de Lemos.

Escrito há cerca de quatro anos, o texto que dá origem ao musical ‘O Quadro - um musical da Paixão segundo o Sr. João, o empregado mais novo do museu da vila’ pretende simbolizar Cristo. “O texto não foi escrito para um espectáculo em palco, mas como texto narrativo para ser lido. É um texto sobre a paixão, a morte e a ressurreição de Jesus, usando uma metáfora, a metáfora de um quadro de Cristo na Cruz. Tive muito como imagem para este quadro uma imagem muito bonita do Cristo do sorriso que está no Castelo de Xavier, em Navarra, Espanha. É uma estátua de madeira, em tamanho natural, de um Cristo medieval que está a sorrir. Portanto, ‘O Quadro’ por um lado é quadro, mas num outro nível da narrativa é Jesus”, salienta este sacerdote jesuíta.

 

Reacções perante Cristo

O musical ‘O Quadro’ estreou no passado dia 11 de Outubro, no Colégio São João de Brito, em Lisboa. Em cena até ao próximo dia 28 de Outubro (ver caixa), o musical conta com jovens actores com experiência em teatro e televisão. O enredo do musical centra-se “na história de descoberta de um quadro num palácio abandonado, que representa uma revolução na história da pintura europeia e que irá deixar em alvoroço uma vila e modificar a vida da população que se cruza com a obra em exposição, sobretudo do protagonista a quem foi confiada a responsabilidade de zelar pela peça artística enquanto a mesma está exposta no museu”, refere a sinopse do espectáculo.

Durante a exposição, o quadro é visto e observado, de maneiras diferentes, por jovens, por estudantes, por ricos e novos-ricos, pelo povo, pelos artistas, pelos intelectuais. “A ideia não é tanto fazer um retrato da sociedade mas, diante de Cristo na Cruz, ver como há tantas reacções diferentes. Tal como vem nos Evangelhos, quando Cristo estava na Cruz as pessoas passavam e faziam comentários, alguns zombavam”, salienta o autor do texto original.

A luz, a cor, a música, a intensidade e o dramatismo marcam este musical, segundo o padre Nuno Tovar de Lemos. “Há imensos pormenores que ganham muito ao passar de texto escrito para o palco. Penso, por exemplo, na moldura vazia, depois do desaparecimento do quadro, que é uma metáfora para o túmulo vazio dos Evangelhos; ou na personagem da Ana, uma rapariga que é transformada. Há cenas que de facto ficam muito fortes colocadas em palco. Além disso, há pormenores que foram acrescentados, como a rápida alusão à Última Ceia, ao Jardim das Oliveiras e as negações de Pedro”.

 

Novas formas de anúncio

Confessando-se “muito satisfeito” por ver um texto seu ser interpretado num musical, este sacerdote jesuíta aponta que “o objectivo principal do texto é conseguido e valorizado” pela encenação. ”Quando escrevi o texto, pretendia não só informar acerca do que é Jesus e o mistério pascal – no fundo, o que é a Salvação –, mas queria sobretudo tocar as pessoas e mexer com as pessoas”.

‘O Quadro - um musical da Paixão segundo o Sr. João, o empregado mais novo do museu da vila’ é uma peça que convida à esperança. “A esperança é a mensagem final do musical. Na última música é sublinhado: ‘Põe-te em pé que o melhor está para vir’, ‘Agarra a vida’, ‘Sê fiel’, ‘Confia’. Parece-me impossível sermos cristãos e não termos esperança. Mas não pode ser uma esperança que ignore as dificuldades, o sofrimento e, no momento em que vivemos, que ignore a crise”, sublinha o padre Nuno Tovar de Lemos.

Contando com a colaboração da Companhia de Jesus, da paróquia de Cascais e de muitos leigos, o musical ‘O Quadro’ procura ser a concretização de novas formas de anúncio. “Da nossa parte, há uma tentativa grande de encontrar novas maneiras e linguagens para transmitir o tesouro da fé”, assegura o autor do texto ‘O Quadro’, padre Nuno Tovar de Lemos.

 

_________________


‘O Quadro’ em cena até dia 28 de Outubro

O musical ‘O Quadro - um musical da Paixão segundo o Sr. João, o empregado mais novo do museu da vila’ vai estar em cena entre o dia 11 e 28 de Outubro, pelas 21h00, e com matinés a 14, 21 e 28 de Outubro, pelas 16h00, no auditório do Colégio São João de Brito, em Lisboa.

Bilhetes disponíveis em Ticketline (www.ticketline.pt), nas lojas Fnac e Worten e no próprio auditório.

texto por Diogo Paiva Brandão
A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
A encíclica «Fratelli tutti» (FT) é uma corajosa invocação de S. Francisco de Assis, a lembrar-nos que...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Deo gratias! No passado dia 10 de Outubro, foi beatificado Carlo Acutis, um jovem italiano de 15 anos, falecido em 2006.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES