Especiais |
Externato Paroquial de Nossa Senhora da Conceição, no Chiado
“O entusiasmo com que nós vivemos em Igreja torna-se comunicação na educação das crianças”
<<
1/
>>
Imagem

Pertence à paróquia dos Mártires, no Chiado, em plena Baixa de Lisboa, e é o mais recente projeto educativo nesta zona da cidade. O Externato Paroquial de Nossa Senhora da Conceição é uma escola ‘familiar’ do 1º Ciclo que pretende trazer uma “vida nova” à freguesia e mostrar às crianças o entusiasmo do “encontro com Jesus” que “atravessa o Português, a Matemática, o Estudo do Meio e a História”.

 

Com o intuito de formar os jovens mais pobres da paróquia dos Mártires, o Externato Paroquial de Nossa Senhora da Conceição, localizado no Largo da Academia Nacional de Belas Artes, abriu portas em 1929 no mesmo edifício onde, hoje, acolhe crianças do 1º ao 4º ano de escolaridade. Já sem o número de alunos de outrora, e numa freguesia com poucas crianças e jovens, esta escola tem um novo projeto pedagógico que procura contribuir para o “rejuvenescimento da zona” e assim responder a essa que é a “grande aposta das paróquias da Baixa-Chiado”, revela ao Jornal VOZ DA VERDADE a nova coordenadora pedagógica da instituição, Catarina Almeida. “O facto de haver, aqui no Chiado, uma escola primária é uma coisa nova para muita gente!”, refere.

Para o próximo ano letivo 2014-2015, o externato vai ter apenas uma sala de 1º Ciclo. No entanto, segundo garante esta profissional que abraçou recentemente este desafio, “existe a ideia de futuramente aumentar o número de salas, até porque existe espaço” para isso. Algo que será garantido também com uma “revitalização do próprio colégio”, oferecendo “uma proposta sólida para os alunos que já cá estão” e que também permita “rasgar horizontes para conseguir mais alunos nos próximos anos”. “Uma escola como a nossa, que se propõe a ajudar na educação das crianças, tem de procurar ter continuidade em todo o processo educativo”, observa. Para a concretização deste desafio, Catarina Almeida coloca igualmente nas famílias a coresponsabilidade no processo de crescimento da escola: “Estou convencida que existem todas as condições para abrir novas valências nesta escola. É preciso que as famílias desejem uma escola aqui. Mas cada desafio a seu tempo”.

 

Escola para todos

“O nosso target é o mundo. Qualquer pessoa é bem vinda a esta escola”, salienta a coordenadora pedagógica da instituição. No entanto, como atualmente a paróquia não tem muitas crianças e jovens, “há muita gente que, não sendo da paróquia, toma conhecimento desta escola primária através das celebrações paroquiais em que participa e interessa-se pelo projeto”. Sendo uma escola católica e paroquial, é oferecida “uma proposta cristã na visão do mundo, através do ensino do 1º Ciclo”. Os principais destinatários são as “famílias cristãs que querem educar os filhos segundo uma escolha de pertença à Igreja”. Contudo, Catarina Almeida refere que essa característica não deixa ninguém de fora: “Não é uma condição que exclui mas que inclui porque qualquer família, que encontre em nós uma possibilidade boa para a educação dos filhos, é bem vinda... e ainda não recusámos ninguém”.

 

Significado para a vida

João Coelho é o novo professor do Externato Paroquial de Nossa Senhora dos Mártires e, apesar da “apreensão inicial” ao ser convidado para este novo projeto, considera que o facto de ter uma sala única para todos os anos do 1º Ciclo é “uma

experiência diferente”, para a sua vida e, por isso, “desafiante e motivadora”.  Tem em comum com Catarina Almeida não só o facto de terem colaborado na mesma instituição de ensino, o Colégio de São Tomás, no Lumiar, mas também o desejo de ver a sua nova escola crescer. “Para já, a nossa grande meta será termos duas salas. Depois, uma sala por cada ano do 1º Ciclo, do 1º ao 4º Ano”, refere este professor. Para o crescimento do número de salas, Catarina considera que é importante um projeto pedagógico capaz de passar para as crianças  “o entusiasmo que vivemos dentro da Igreja”, que se torna “comunicação na educação dos nossos filhos e dos filhos dos outros”. Para esta responsável, de 29 anos, o grande elemento diferenciador do novo projeto pedagógico “é a construção de uma escola que proponha um significado para a vida”. “No nosso caso, isto concretiza-se numa proposta cristã. Uma consciência de si e do mundo, marcada pelo encontro com Jesus, atravessa o Português, a Matemática, o Estudo do Meio e a História”, considera Catarina Almeida.

 

Assunto de adultos conscientes

A experiência de João Coelho leva-o a afirmar que “o sucesso deste projeto passa pela envolvência dos pais”. “O habitual numa escola é fazer uma reunião geral com todos os pais numa mesma sala. Essas reuniões tendem a ser longas e, no fim, não se abordam todos os temas”, refere. “Por isso, nós fazemos também questão de receber cada encarregado de educação, pessoalmente, para conversar sobre o seu filho, sempre que houver necessidade”. Este professor ironiza, dizendo que não tem “horário para atendimento”, não por se recusar atender os pais, mas porque os atende “sempre que precisarem”. Catarina Almeida também considera importante a participação dos pais e acrescenta que “a educação é um assunto para adultos conscientes de quem são e do que estão a fazer no mundo e, por consequência, responsáveis das crianças e jovens que lhes estão confiados”.

 

Matriz cristã no dia a dia

Na implementação do novo projeto educativo que terá início no próximo ano letivo foram tidos em conta quatro temas que, segundo o professor João Coelho, são “um horizonte para o qual todas as nossas aprendizagens concorrem”. Para o 1º Ano, o tema escolhido foi ‘Tudo me foi dado’; no 2º Ano, ‘Tudo é belo’; no 3º, ‘Tudo fala do mistério’; e o 4º Ano terá como tema ‘Fui chamado a ser grande’. “Estas frases são a síntese da tal experiência cristã que invade a nossa vida e que pode ser percebida pelas crianças”, considera a diretora pedagógica.

Serão cerca de 20 crianças que vão fazer parte do Externato Paroquial de Nossa Senhora da Conceição durante o próximo ano letivo. “Com elas assinalaremos todas as festas cristãs, tais como o Natal e a Páscoa”, refere Catarina. “Teremos também catequese, ministrada por uma catequista da paróquia dos Mártires e estamos empenhados em tornar presente a matriz cristã no dia a dia das crianças”. Para tal, o professor João Coelho pondera fazer uma “assembleia” que, a exemplo do que se faz habitualmente no Colégio São Tomás no Lumiar, é “presidida pelo sacerdote e não é mais do que um testemunho concreto de alguém que personifique a vivência da Igreja, mostrando coisas tão banais como o dia de um padre ou a história de uma viagem”. Desta forma, considera este professor, “tornamos mais próxima a relação das crianças com o pároco, neste caso, o cónego Armando Duarte”, sublinha.

 

Um rosto alegre na cidade

Para Catarina Almeida, o facto de o externato estar situado no Largo da Academia de Belas Artes, local central na Baixa de Lisboa, é um factor importante para oferecer “um rosto alegre à cidade”. “Penso que podemos contribuir para um rejuvenescimento desta zona, tal como tem sido a aposta das paróquias da Baixa-Chiado. Uma escola boa atrai famílias e penso que neste momento a cidade precisa delas. Uma cidade sem famílias é menos alegre”, sublinha. Para esta responsável, foi uma surpresa quando soube do número de famílias que viviam na zona: “Ficámos até surpreendidos por saber que existem muitas famílias a viver aqui no centro da cidade. Desconhecíamos tal coisa”, admite.

O novo projeto educativo não se limita ao interior da sala mas tem plena realização no exterior, tal como refere a diretora pedagógica: “Vamos tentar fazer algumas coisas em colaboração com a junta de freguesia, que conhece bem a realidade da zona. Temos até uma visita ao bairro prevista como atividade para o 1º Ano de escolaridade”. Catarina está certa que “a presença, no local, de uma escola que interage com as instituições, comércio e serviços trará um ar novo a esta zona da cidade”.

 

Dar a conhecer

Quando questionada sobre as inscrições, a nova coordenadora pedagógica refere que “surgiram naturalmente”. “A grande prioridade foi para manter os alunos que já cá estavam. Isso foi feito com todos, com natural exceção dos que passaram para o 5º Ano”. O projeto também foi dado a conhecer noutras instituições: “Fizemos uma apresentação pública e fomos a algumas escolas, procurar os pais das crianças que estavam a terminar o ensino pré-escolar. Verificámos que, mesmo depois de a maioria dos pais já ter decidido a escola para os filhos, fomos recebendo algumas inscrições para o próximo ano letivo”. Por isso, “o grande investimento de tempo e energia, será aplicado na angariação de alunos para expandir o projeto”, garante Catarina.

Atualmente, os principais motivos que levam os pais a inscrever os filhos neste colégio são essencialmente de carácter afectivo e de proximidade com a instituição. “Alguns dos pais andaram cá e, por isso, têm uma relação afetiva com a escola. Outros, devido à proximidade das suas casas no Bairro Alto, na Bica e até na Rua da Prata”, destaca Catarina Almeida. Para além disso, a localização do Externato Paroquial de Nossa Senhora da Conceição permite “fazer uma vida muito agradável, possibilitando até um passeio, a pé, ao fim do dia pelo Chiado”.

 

Formar para saber viver a vida

“Quando as crianças, aos 10 anos, saírem desta escola, espero que tenham uma relação positiva com a vida e percebam que aquilo que existe é bom. Que a vida vale a pena ser vivida!”. Este é, para Catarina Almeida, o maior desejo para o ‘seu’ novo projeto. Se assim for, “a Língua Portuguesa, a Matemática e as Ciências servirão para saborear ainda mais essa beleza e positividade da vida”, refere.

Não menos importante para a diretora pedagógica é educar as crianças na responsabilidade pelo bem-comum: “Desejo também que as nossas crianças sejam pessoas criativamente responsáveis pelo bem-comum. Aos 10 anos isto ainda é uma semente à qual não nos podemos poupar de a colocar. Assim, as crianças serão corresponsáveis deste mundo, daquilo que Deus fez para nós”, lembra. O professor João Coelho mostra-se empenhado em proporcionar “um ambiente alegre, bem disposto, para que as próprias crianças sintam que a escola é um bem para elas e não uma coisa enfadonha e monótona. Isto é ir ao encontro do que é a predisposição deles e levá-los a conhecer a realidade que os rodeia”, salienta.

Para estes dois profissionais, o futuro será o que “o Senhor quiser fazer”. “Usamos muito a ‘pedagogia do acontecimento’, ou seja, vamos respondendo aos desafios que vão surgindo. Não temos uma estratégia ou plano de atividades fechado; temos, sim, um grande desejo de contribuir para a educação das crianças, estamos certos sobre o caminho a fazer e completamente abertos àquilo que Nosso Senhor quiser fazer aqui. Este é o nosso desejo” conclui.

 

______________________

 

Externato de Nossa Senhora da Conceição

Largo da Academia Nacional de Belas Artes,

14 - 1º Dto, 1200-005 Lisboa

Telefone: 213425599

E-mail: escolapmartires@gmail.com

Facebook: www.facebook.com/EscolaParoquialMartires

texto e fotos por Filipe Teixeira
A OPINIÃO DE
José Luís Nunes Martins
Nestes dias incertos, peço-Te que me ajudes a ter mais confiança. A acreditar mais nas minhas forças e nos meus talentos.
ver [+]

P. Manuel Barbosa, scj
A grave pandemia que vivemos em emergência confina-nos em espaços fechados, mas esse estado, pela humanidade...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES