Na Tua Palavra |
D. Nuno Brás
Sinais dos tempos

“Eis que farei uma coisa nova, ela já vem despontando: não a percebeis?” (Is 43,18) dizia o Profeta ao povo que tinha dificuldade em ver mais longe que o curto horizonte que os seus olhos alcançavam.

Sei bem que esta palavra do Profeta Isaías se refere à novidade de uma intervenção divina na história; e que, em última análise, ela diz respeito à vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo – tal como nos mostram, com esse mesmo sentido, S. Paulo (2Cor 5,17) e S. João (Ap 21,5).

No entanto, esta passagem não me sai da cabeça quando penso na Caminhada pela Vida do passado Sábado. Talvez porque, como observava alguém que caminhava comigo, ao contrário daquilo que é habitual, era mais difícil encontrar alguém adulto ou mesmo com “certa idade”.

É que, no dia 4 de Outubro, a grande maioria das muitas pessoas que desfilaram entre o Largo Camões e a Assembleia da República eram jovens. Jovens alegres, cheios de vida e entusiasmados. E não estou a falar das crianças (e muitas) que foram levadas pelos pais (muitos) ao longo do percurso. Estou a falar das muitas centenas de jovens presentes, desde os que organizaram a caminhada àqueles que, simplesmente, nela participaram.

Eu sei que, apesar destes “muitos”, muitos mais ainda foram aqueles que ficaram em casa por não quererem dar-se ao trabalho de sair da sua comodidade ou, simplesmente, por não concordarem com a caminhada e com aquilo que nela se defendia.

Contudo, o facto de os jovens terem tomado nas mãos a organização e, sobretudo, de serem a esmagadora maioria dos participantes não pode deixar de me alegrar e de me fazer perceber que algo está a mudar e, sobretudo, que algo pode mudar no nosso modo de viver português.

Também sei que aos velhos (mesmo que tenham pouca idade, e principalmente se são “do Restelo”) é difícil perceber isto.

Mas o facto é que alguma coisa de novo está a surgir. E é nosso dever percebermos estes “sinais dos tempos” porque eles são sinais da presença de Cristo na nossa história, na nossa vida, no nosso mundo.

A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
A canonização de Frei Bartolomeu dos Mártires, da Ordem dos Pregadores (1514-1590), constitui um motivo...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Nestes últimos tempos, duas notícias chocaram particularmente os portugueses: o nascimento do Rodrigo,...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES