Família |
Familiarmente
5 anos Familiarmente convosco
<<
1/
>>
Imagem

Abordar temas sobre a Família e para a Família, com um cariz prático, mas avivando os aspetos doutrinais da nossa fé, parecia-nos, há cinco anos atrás, útil e necessário para toda a diocese. A equipa do Setor da Pastoral Familiar do Patriarcado de Lisboa começou então a oferecer aos leitores do Voz da Verdade um espaço mensal de duas páginas, entrando nas V. casas e passando a estar familiarmente com os leitores.

 

Fomos oferecendo temas tão variados que pudessem ir fazendo uma leitura sobre os acontecimentos mais relevantes sobre a Família; quisemos, também, incluir algumas reflexões que ajudassem os pais a serem melhores pais e os filhos a que fossem tomando mais consciência do que a vida lhe oferece e a Igreja espera deles.

 

Retrospetiva

O 1º artigo foi publicado em Outubro de 2009 e, desde aí, temos vindo a abordar temas muito diversos, quer procurando dar pistas e sugestões para um bom e frutuoso relacionamento entre as várias gerações da Família, quer despertando a consciência dos nossos leitores para as realidades de cada momento e para a necessidade de intervenção nas comunidades e na sociedade em geral.

O que temos tomado a peito desde o início é, tão-somente, o despertar para um enorme mas muito belo desafio: Uma Nova Evangelização, a que todos somos chamados, como afirmação interventiva da fé que professamos.

Pastoral Familiar, uma paixão de vida em Igreja: Neste artigo, apresentávamos o âmbito da Pastoral Familiar como um dos trabalhos mais bonitos junto das comunidades em Igreja, porque permite conhecer, amar e servir a vida humana, demonstrando que, com amor e sabedoria, é possível criar famílias felizes na confiança em Deus e pela força dos sacramentos.

Em muitos outros artigos, ao longo dos 5 anos do Familiarmente, fomos tentando despertar nos nossos leitores esta paixão pelas causas da Família; quisemos sensibilizar para que, em cada comunidade, haja pessoas - casais ou famílias - disponíveis para intervir localmente e na sociedade, a favor da sustentabilidade de famílias fortes, perante a adversidade dos tempos.

Relembramos alguns dos temas:

“APRENDE, QUE EU NÃO DURO SEMPRE!” (educar com o exemplo)

“O TRABALHO DIGNIFICA” (o sentido de uma realização pessoal)

“A LEITURA e a ESCRITA” (a leitura dá capacidade de expressão)

“UM EPISÓDIO: CAPACIDADE de AJUDAR” (a evangelização na prática)

“ACIDENTES DOMÉSTICOS” (prevenir para manter o bem estar)

“COMPREENDER A REALIDADE” (políticas trabalho-família)

“AVIVAR MEMÓRIAS – DAR TESTEMUNHO” (ensinar o valor da partilha)

“UM TURBILHÃO DE SENTIMENTOS” (a doença e a fé)

“A TEOLOGIA do CORPO” (catequeses de João Paulo II para perceber os porquês das posições da Igreja)

 

Todos os artigos publicados no FAMILIARMENTE do Voz da Verdade estão disponíveis no site da Pastoral Familiar em www.familia.patriarcado-lisboa.pt.

 

A Semana da Vida tem sido outro tema recorrente, a par das Jornadas Anuais de Pastoral Familiar, sobre as quais temos procurado apontar iniciativas mobilizadoras e ilustrativas do que se faz e do que se pode fazer para melhorar a relação entre os vários membros da família, no agradecimento vivo e consciente pelo dom da vida, desde a conceção até à morte natural.

A rúbrica “Catequese Doméstica” foi uma resposta à necessidade sentida por muitos sobre a apresentação simples e clara de temas que constituem os pilares da nossa Fé num Deus Uno e Trino, procurando tornar mais presente a Pessoa de Jesus.

 

A realidade de hoje

Nesta nossa missão, entendemos que é necessário alertar para a evolução dos tempos, procurando um equilíbrio entre o razoável e o exagero. Nas últimas décadas, o individualismo é a força que tem movido as sociedades, e a tecnologia moderna está a alterar rapidamente as dinâmicas entre o indivíduo e a sociedade.

Porque estar ligado à tecnologia é hoje em dia um modo de vida, principalmente para aqueles que já nasceram na era digital, constata-se que atualmente os jovens já não precisam de sair de casa para socializar. No conforto do lar e à distância de um clique, o mundo digital liga-os imediatamente à rede de amigos e ao mundo em geral. Falam de uma nova sensação de liberdade sem sair de casa.

Este novo conceito trouxe com ele um conjunto de preocupações e de desafios para os educadores, porque se instala uma nova sensação de “construção de amizades”, num desprendimento dos laços familiares, confundindo-se o mundo real com o mundo virtual, o que se torna ainda mais exigente para os pais que, por vezes, negligenciam, por laxismo ou força das circunstâncias, o acompanhamento dos filhos.

Pela graça do divino Espírito Santo, estamos hoje a viver um momento de grandes perspetivas de mudanças na Igreja e um sinal importante é já o Sínodo Extraordinário sobre a Família, que tem estado a decorrer ao longo dos últimos dias. Dada a sua relevância, em Outubro de 2015, vai decorrer o Sínodo Ordinário, também dedicado ao tema da família.

Com a crise que se tem abatido sobre as famílias, o aumento de divórcios e o surgimento de novos tipos de organização familiar, o Papa Francisco considera que é altura de a Igreja refletir sobre os novos desafios e a resposta a dar-lhes.

Têm sido muito rápidas e muito profundas as mudanças que têm marcado as últimas décadas, nas relações entre as pessoas, com pacotes legislativos sucessivos, que trazem consequências tão mal ponderadas! Podemos afirmar fazermos hoje parte de uma sociedade que, desprezando o dom da vida, começa a não saber o que fazer com os jovens e com os mais velhos.

 

Preparar para o amanhã

O Programa de uma Pastoral Familiar, quer a nível paroquial, quer diocesano, terá sempre subjacente a necessidade de uma atitude interventiva numa problemática que é absolutamente transversal na atual base social, a qual está a enfraquecer.

E, então, as questões surgem:

Que famílias queremos?

Que contributos lhes damos?

Onde estamos e para onde vamos?

Nascemos para estarmos em ligação uns com os outros; para nos relacionarmos num sentimento de pertença que dá sentido e propósito às nossas vidas. E é bom não esquecer que, ao fazermos parte de uma comunidade, fortalecemos a nossa identidade.

O equilíbrio das famílias passa por valorizar o pouco que se tem e, desse pouco, saber fazer muito. Nos momentos de crise sente-se mais a solidariedade, mas é preciso ensinar a ser solidário, ensinar a que cada um saiba sair de si mesmo para ir ao encontro do outro. Ensinar também para as responsabilidades do casamento e para a construção da família. Ensinar para que os nossos filhos sejam grandes homens e grandes mulheres na Fé, para que se afirmem na sociedade como reveladores da Verdade e da Vida de Jesus.

Para perspetivar o amanhã da Família, retomamos a nossa reflexão de Maio/2011: A família que nasce da íntima comunhão de vida e de amor, fundada no casamento entre um homem e uma mulher, é uma instituição divina, protótipo de todo o ordenamento social. É neste berço da vida e do amor que o homem nasce e cresce. É na família que a criança desenvolve as suas potencialidades, tornando-se consciente da sua dignidade, e se prepara para enfrentar o seu único e irrepetível destino. Porque, no fundo, tudo aquilo que todos queremos é ser felizes.

Mª Conceição e diác. JPauloRomero

_____________________

Testemunho

Ao celebrar 5 anos da rubrica Familiarmente, lançámos um concurso para assinalar esta data, pelo qual recebemos belos testemunhos do que é ser família cristã. Agradecemos a todos os participantes e damos os parabéns à família Santos, vencedora do concurso, cujo testemunho publicamos.

 

«Somos a família Santos. Somos 3 irmãos, a mãe e o pai. O nosso agregado que de semana é de cinco, aos domingos triplica porque não dispensamos a companhia dos dos avós, dos primos. das namoradas e dos cães.

Somos uma família tradicional portuguesa, por isso, como em todas, partilhamos momentos fantásticos de alegria e descontração. Mas também temos as nossas crises, em que discutimos, zangamo-nos, e os nossos pais, em momentos de mais desespero, até ponderaram separar-se.

Mas tal como a Família de Nazaré, o modelo pelo qual nos regemos, carregamos no nosso ADN a riqueza e a humanidade da presença de Deus, por isso, perdoamos. Com humildade e nobreza de espírito, reconhecemos que a família é o PRINCIPAL pilar da sociedade, e por isso lutaremos sempre pela sua manutenção, cientes de que qualquer que seja o protejo para o futuro da humanidade, ele passará sempre pela promoção e investimento nas famílias do mundo inteiro.

A fé e o amor são o legado dos nossos pais, e é esse testemunho que um dia transmitiremos aos nossos filhos.

Família Santos (Florbela, Leonel. Valter, Telmo e David)»

 

_____________________

 

Vai Acontecer

Jornada Nacional da Pastoral da Família

Nos próximos dias 18 e 19 de Outubro realizam-se, em Fátima, as XXVI Jornadas Nacionais da Pastoral Familiar. Todas as famílias cristãs são convidadas a participar neste encontro sob o tema “Família e fecundidade da Igreja”.

 

Curso de formação para Agentes da Pastoral do Batismo

No dia 8 de Novembro de 2014 realiza-se no Seminário dos Olivais um curso de formação para agentes da Pastoral do Baptismo. A formação decorrerá entre as 10h00 e as 17h00. A inscrição pode ser feita em http://familia.patriarcado-lisboa.pt/eventos/inscrições, tem um custo de 10¤ e inclui o almoço.

 

Um sínodo sobre a família

Começou no passado dia 5 de Outubro a sessão extraordinária do sínodo dos bispos que se realiza até 19 de Outubro e que prepara a sessão ordinária que se realizará em Outubro de 2015.

Verificamos um avolumar de problemáticas que afetam a família, e que transformam a sua compreensão por parte da sociedade, o que se traduz não só nas decisões individuais como também na própria legislação. Atento a esta situação, ciente da centralidade da família como célula base da sociedade e perante os 25 anos que se celebrarão em 2015 da exortação Familiaris Consortio, o Papa Francisco propôs à Igreja este encontro universal para pensar a Família. Nele podemos esperar uma reflexão profunda a partir da constituição da família que se faz através da conjugalidade, a qual, pelo sacramento do matrimónio é sinal do amor de Cristo pela Igreja. Como tal, caracteriza-se pela fidelidade, plena doação e fecundidade. Este é o grande princípio que nos orienta por esta reflexão.

Podemos acompanhar atentamente este sínodo através das notícias que nos chegam, mas também pela leitura do instrumento de trabalho (instrumentum laboris) sobre o qual se vão debruçar todos os bispos do mundo inteiro. Este documento, redigido pela comissão preparatória do Sínodo, apresenta o trabalho feito sobre as respostas das centenas de milhares de pessoas que em todo o mundo responderam ao inquérito realizado no final de 2013, transmitindo o sentir crente sobre as questões da família. Propomos portanto a todas as famílias da diocese de Lisboa que leiamos este documento e juntemos a nossa oração às intenções do Santo Padre, rezando “por este importante evento” (Papa Francisco, Angelus de 28 de Setembro).

 

textos pelo Sector da Pastoral Familiar
A OPINIÃO DE
Pedro Vaz Patto
Uma enorme contestação tem suscitado o documento da Congregação para a Doutrina da Fé, aprovado pelo...
ver [+]

Pe. Alexandre Palma
A ressurreição reflecte-se no olhar. A ressurreição também acontece no olhar. É assim que os evangelistas...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES