Entrevistas |
Canonização de Nuno Álvares Pereira é uma festa de Portugal
<<
1/
>>
Imagem

O Cardeal D. José Saraiva Martins diz que D. Nuno Alvares Pereira, que foi canonizado este domingo, dia 26 de Abril, em Roma, é uma figura gigantesca e confessa que quis concluir a sua missão com este processo encerrado, assegurando a seriedade de todos os procedimentos. Em entrevista à Agência Ecclesia, o homem que conduziu o processo de Nuno de Santa Maria no Vaticano não esconde o seu sentimento de gratidão por ter podido encerrar o seu percurso à frente da Congregação para as Causas dos Santos deixando praticamente concluído todo o dossier que levará à canonização de mais um português.

O que faz de Nuno Álvares Pereira um Santo?

Essa pergunta vale para todos os outros Santos, a espiritualidade é a sua santidade. O Beato Nuno não é uma figura fora de moda, é actualíssima, por causa da mensagem que nos transmite.

É admirável na sua espiritualidade carmelita e no seu amor pelos pobres, o que é hoje muito actual. Nos últimos anos da sua vida, como se sabe, passava o tempo pelas ruas de Lisboa, a pedir esmola para os mais desfavorecidos, o que supõe um amor fantástico ao próximo. Hoje, quando se fala tanto em pobres, o exemplo do beato Nuno pode ser uma mensagem extremamente importante para a Igreja portuguesa, convidada a seguir o seu exemplo.

Por outro lado, tem uma espiritualidade profundamente mariana: antes e durante as batalhas, ajoelhava-se e rezava a Nossa Senhora. Isto é muito significativo, muito importante, era um militar e fazer isso supõe um grande acto de heroísmo.

 

Que outras virtudes destacaria nesta figura?

Acima de tudo, a sua humildade. Deixou tudo, absolutamente tudo, e fez-se carmelita para se dedicar à vida religiosa e aos pobres. Esta é uma virtude que praticou em grau heróico.

 

A devoção ao Beato Nuno já teve uma expressão considerável...

Já teve e eu acho que ainda tem, porque esta devoção está muito divulgada em Portugal, ele é um bocado como o São Genaro em Nápoles: para eles, aquele Santo protector é tudo.

Hoje, a devoção é muito viva entre o povo cristão, para os fiéis.

 

Uma devoção muito mariana...

Sim, como disse antes, fica visível nos pedidos de ajuda e protecção à Mãe de Deus antes das batalhas, uma expressão clara e evidente da devoção profunda e interior a Nossa Senhora.

Ele era um Santo do seu tempo e não devemos criticar certas devoções de então, porque pecaríamos com um anacronismo histórico. Temos de interpretar a história no contexto do passado. Seria um passado imperdoável ver com os olhos de hoje a história de ontem e isso vale também para o Beato Nuno, que viveu num tempo muito diferente do nosso. Contudo, a mensagem é a mesma e é validíssima.

 

Na sua opinião, porque é que o processo esteve parado durante tanto tempo?

Isso será alvo de um estudo que irei publicar, em que lanço um olhar sobre as várias fases do processo. A demora aconteceu, muitas vezes, por questões burocrática, outras vezes por não se ter compreendido a figura gigantesca do Beato Nuno.

 

Não foi compreendido no Vaticano?

Não tanto no Vaticano, mas fora do Vaticano. Para dar um exemplo, em 1942 o Beato Nuno poderia ter sido canonizado, o Papa Pio XII tinha a convicção de que seria bom canonizá-lo e declarou-se disposto a fazê-lo por via de um decreto, ou seja, sem cerimónia litúrgica na Praça de São Pedro. Esta proposta, contudo, não foi aceite e acabou por se ficar sem a canonização e sem a cerimónia.

 

Não foi aceite por quem?

A História é sempre complexa, seria muito longo explicar tudo aqui. Esteve em causa o compreender bem a história, o valor daquela figura e o significado da canonização.

 

Hoje já ouvimos por aqui alguma contestação à canonização, até por causa do próprio milagre...

Quem faz essas afirmações teria de prová-las. Respondo afirmando que a cura da senhora Guilhermina de Jesus foi examinada (no Vaticano, ndr) pelo grupo de médicos, profissionais reputados, catedráticos universitários, que olham para o caso apenas do ponto de vista científico. É a voz da ciência, nua e crua, os médicos da Congregação para as Causas dos Santos têm de agir como cientistas, chegámos mesmo a pedir pareceres a médicos agnósticos, nalguns casos. Se quem contesta o milagre quer ser mais do que os especialistas, então isso é outra coisa...

 

Entende que hoje é possível conhecer melhor a figura para ultrapassar ambiguidades?

Certamente, hoje temos meios de que os nossos antepassados não dispunham.

 

Como sente que está a ser vivida a preparação da cerimónia?

Com muito entusiasmo, pelo que pude observar, a começar pela família carmelita, que há muito tempo aspirava por este dia. Muitos portugueses irão a Roma e eu, como prefeito que levou ao fim este processo, sou a pessoa mais feliz do mundo.

 

Sente que foi a cereja no cimo do bolo do trabalho que fez na Congregação?

Não, no fundo foi o Beato Nuno quem fez outro milagre, para ser canonizado agora, porque nos últimos 3 meses da minha prefeitura fez-se o que se faz, muitas vezes, em muitos anos: o exame da cura por parte dos médicos, dos teólogos, dos Cardeais da Congregação e, finalmente, a aprovação do Papa numa audiência privada. Foram meses muito intensos. Eu achava que era importante deixar a prefeitura com tudo terminado.

 

A canonização pode ser uma oportunidade para reavivar o catolicismo português?

Eu acho que pode ser uma ocasião para rever certas posições de muitos crentes, para reavivar a fé, porque qualquer canonização é um momento importantíssimo para o país de origem do novo santo. É um erro pensar que só a Igreja está interessada nestes eventos, é também o Estado, todo o povo.

Agência Ecclesia
A OPINIÃO DE
Isilda Pegado
1. Faleceu no passado Domingo de Páscoa o Presidente da Câmara Municipal de Viseu. Almeida Henriques...
ver [+]

Tony Neves
Os últimos dias foram marcantes para Angola. No melhor e no pior. Olhando primeiro o lado bom da história,...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES