Na Tua Palavra |
D. Nuno Brás
Choque de civilizações?

É verdade que os acontecimentos das últimas semanas foram muito aproveitados mediaticamente. Mesmo exageradamente amplificados, de forma a tirar deles o melhor partido por parte de tantos. Nisso, a Europa jogou o jogo dos fundamentalistas, pensando que lhes fazia frente.

Mas, até pela reacção do mundo ocidental, parece que nos aproximamos cada vez mais, infelizmente, de um choque inevitável de civilizações: um choque entre o fundamentalismo dos que nos querem impor pela força um modo de vida (em particular à cultura europeia) e aqueles outros que, vivendo numa “cultura de morte” que caminha quase irremediavelmente para o desaparecimento, quando se percebem atacados saem à rua e gritam a sua revolta para, logo de seguida, tudo voltar ao mesmo. Para uns e para outros, Deus conta pouco. Pelo meio, estão os crentes e, acima de todos, Deus, tomado como pretexto para os contendores.

Como quer que seja, a acontecer, será um choque de modos de vida e de modos de o ser humano se situar no mundo e na existência. Com consequências eventualmente dramáticas. Bastará, simplesmente, um ataque terrorista coordenado, em várias capitais europeias, para que, com toda a facilidade, se instale o pânico e se perca todo o bom senso.

Os fundamentalistas parecem ter capacidade para o realizar; e a instalação do pânico por entre o mundo ocidental, sem Estado nem direito que contenham a ira e o medo das multidões, será, para aqueles, uma consequência bem-vinda, desejada.

Não creio, infelizmente, que este cenário esteja tão distante. Dependerá de como o mundo europeu, adormecido e sem valores, reagir – se simplesmente se deixa conquistar, tão farto que está da existência, ou se luta, desesperadamente, por se manter; ou, ainda, se é capaz de despertar da sonolência em que se encontra e de voltar a viver com sentido.

Tudo dependerá da fé, da sua capacidade que faz os homens verem mais alto e para além do momento e, desse modo, refrearem a vontade de vingança e a ira que faz perder a razão e o bom senso.

Costumo dizer que, habitualmente, sou pessimista e que, graças a Deus, poucas vezes tenho razão. Rezo para que assim seja uma vez mais.

A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
Há dias, o Cardeal D. José Tolentino Mendonça afirmou no Seminário do Instituto Camões sobre Cooperação...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Todos os anos, a Igreja católica prepara-se para a festa da conversão de São Paulo, a 25 de Janeiro,...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES