Na Tua Palavra |
D. Nuno Brás
Que direitos humanos?

Que, no silêncio da sua consciência, cada um possa ter a sua religião não é um direito humano, é uma evidência: posso acreditar no deus que eu quiser; se não o partilhar com mais ninguém, ninguém mais o saberá. Não é necessária qualquer declaração de direito.

Quando a Declaração Universal dos Direitos Humanos, proclamada em 10 de Dezembro de 1948 pela Assembleia Geral da ONU, afirma no seu artigo 18º que “Toda a pessoa tem direito à liberdade de pensamento, de consciência e de religião; este direito implica a liberdade de mudar de religião ou de convicção, assim como a liberdade de manifestar a religião ou convicção, sozinho ou em comum, tanto em público como em privado, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pelos ritos” está a consagrar o facto de que a liberdade religiosa é algo que diz respeito à sua proclamação pública, como é claro pela leitura do texto.

Para a tão badalada Gala da FIFA (Fédération Internationale de Football Association) do passado dia 11 de Janeiro, foi produzido um pequeno filme com o jogador do Barcelona Neymar Júnior, um dos finalistas para a conquista da “Bola de Ouro”, que consagra o melhor jogar do mundo no ano anterior. No filme, aparecia uma imagem da final da Liga dos Campeões que o Barcelona (equipa de Neymar) conquistou perante a Juventus. Neymar, nessa ocasião, usava na cabeça uma faixa a dizer “100% Jesus”. No referido filme da FIFA a faixa lá estava, mas os seus dizeres foram censurados: tinham sido apagados, disse aquela organização, “para não ofender a sensibilidade” das pessoas que não partilham a mesma religião do jogador… Aliás, parece que logo a seguir à conquista da Liga dos Campeões (6 de junho de 2015) alguns leitores de um conhecido jornal francês tinham acusado Neymar de “fazer proselitismo” e de “tentar impôr a sua fé às outras pessoas”… Os leitores escreveram, o jornal publicou e a FIFA apagou… Estes são os critérios do nosso mundo ocidental, defensor, ao que parece, dos Direitos Humanos… De apenas alguns deles!

A OPINIÃO DE
António Bagão Félix
Diante da morte, compreendemos com absoluta nitidez o valor insubstituível da vida. Diante da morte,...
ver [+]

P. Manuel Barbosa, scj
Escrevo estas notas alguns dias antes de ser votada a despenalização da eutanásia pelos “representantes”...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES