Na Tua Palavra |
D. Nuno Brás
O poder da oração

Habitualmente associamos a oração com o pedido ou agradecimento a Deus por alguma graça de que necessitamos. Tomamos a nossa vida como ponto de partida para a oração, quase sem darmos por isso; eventualmente pedimos por algum familiar ou amigo que passa por um momento de sofrimento. Mas, no início e no fim da nossa oração estamos nós. Poucas vezes olhamos a oração como o simples “estar com Deus”, o mesmo é dizer: com a sempre presente necessidade de nos encontrarmos com Ele – como gostava de dizer Santa Teresa de Jesus, “rezar é tratar de amizade”. Menos ainda tomamos consciência de que, verdadeiramente unidos a Deus, estamos também unidos a tantos irmãos. Mais: fora do pedir ou do agradecer, achamos que a oração tem pouca utilidade – como se o estar com alguém de quem gostamos tivesse, necessariamente, que “ser útil”.

O Papa Francisco convocou os cristãos do mundo inteiro para, nos próximos dias 4 e 5 de Março, se envolverem nas “24 horas para o Senhor” – um dia inteiro vivido em ambiente de oração, vivido mais próximo do Senhor, dedicado a cumprir a Sua vontade.

Como o Santo Padre recordou na Mensagem para a Quaresma deste ano, trata-se de, em primeiro lugar, dar a “primazia à escuta orante da Palavra de Deus”. É que rezar significa, antes de mais, escutar Deus, acolher aquilo que Ele tem para dizer à nossa vida concreta, ao modo como vivemos e olhamos para Ele, para nós e para aqueles que nos rodeiam. Rezar significa deixar que a Sua Palavra dê forma à nossa vida de cristãos – ou seja: que, transformada pela Palavra, a nossa vida vá ganhando, aos poucos, a configuração de Jesus: os Seus sentimentos, a Sua vontade, o Seu agir, o Seu pensar. Rezar significa deixar que Jesus comece a viver em nós. Não existe outro modo, outro caminho para sermos cristãos. Até porque apenas assim Jesus está verdadeiramente presente e atuante em nós.

Rezar significa, também, dizer, responder, corresponder à Palavra divina. Com simplicidade mas, ao mesmo tempo, com a ousadia de uma criança que sabe depender em tudo do Pai.

Finalmente, rezar significa ainda fazer nossas as vidas dos cristãos e dos demais homens e mulheres do mundo inteiro: é a forma mais efectiva de nos unirmos, de fazermos nossas as suas necessidades, que o próprio Deus não hesita em fazer Suas.

Longe de ser um exercício ocioso, a oração pode de verdade transformar-nos.

A OPINIÃO DE
P. Gonçalo Portocarrero de Almada
O Patriarca de Lisboa e o Bispo de Aveiro, Presidente da Comissão para a Educação Cristã e Doutrina...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Começo por lembrar sentidamente a partida de Frei Mateus Cardoso Peres, O.P. (1933-2020), personalidade...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES