Domingo |
À procura da Palavra
Todos enviados a todos
<<
1/
>>
Imagem

DOMINGO XIV COMUM Ano C
“Enviou-os dois a dois à sua frente,
a todas as cidades e lugares aonde Ele havia de ir.”
Lc 10, 1

 

“Todos” é uma palavra quase impossível. Porque na maravilhosa diversidade da criação tem-se a sensação que algo ou alguém pode ficar de fora. Criado em 2009, o TODOS - Caminhada de Culturas é um festival da cidade de Lisboa que procura promover o diálogo entre culturas, entre religiões e entre pessoas de diversas origens e gerações. Realiza-se este ano entre 8 e 11 de setembro na Colina de Santana / Campo Mártires da Pátria. É um pequeno sinal de que “todos” é uma palavra possível.

Creio mesmo que é uma das palavras preferidas de Deus. No fundo só Ele pode criar, contemplar e abraçar tudo e todos. E tudo o que nos oferece é sempre a cada um, a pensar em todos. Assim se revela a um povo para chegar a todos. Assim entra na carne da humanidade pelo Filho para salvar todos. Assim procura a ovelha perdida com o mesmo amor com que multiplica os pães e os peixes. Assim faz de cada um que descobre o seu amor e o seu projecto de comunhão um testemunho vivo que contagie todos. Mas, tantas vezes voltados para o nosso umbigo, e dentro das muralhas cómodas das nossas existências, a paixão por todos não nos abrasa o coração. Preferimos clubes e fronteiras, o “salve-se quem puder” em vez de “salva quantos puderes”, a “minha vidinha” à “vida em abundância”. Sim, custa-nos muito amar todos!

A vida pública de Jesus parece muito pouco planeada numa lógica de eficácia e de marketing. Não tem uma campanha montada como é hoje, por exemplo, a campanha para as presidenciais norte-americanas. Rodeia-se de seguidores pouco preparados para a grandeza da missão. O seu plano parece incipiente: “ir às ovelhas perdidas da casa de Israel” (Mt 10, 6); “enviou-os dois a dois à sua frente a todas as cidades e lugares aonde Ele havia de ir” (Lc 10, 1). Para chegar a todos deseja ir primeiro às periferias, às ovelhas perdidas, aos excluídos da sociedade e da religião. Mas não faz tudo sozinho. Envia discípulos, 72 neste caso, símbolo de universalidade. Ah, Deus gosta tanto de nos “meter ao barulho” e não nos substituir naquilo que podemos fazer também! Como se nos dissesse que “aquilo que pode ser feito por muitos não deve ser feito por poucos!” Mais do que nos resultados, Jesus insiste na sementeira e na credibilidade dos semeadores: pacíficos, pobres, anunciadores da proximidade do Reino, preparados para as dificuldades.

Não somos cristãos sem sermos discípulos e apóstolos. O anúncio do reino que recebemos, a vida nova com Jesus que construímos é o que anunciamos. E não podemos anunciar o que não queremos viver. Por isso, não é a eficácia e os resultados imediatos que nos devem alegrar e sim os nossos nomes estarem “escritos no céu”, quer dizer, viver em comunhão com Jesus e o coração apaixonado por todos. Ficar fechados em comunidades e grupos auto-satisfeitos, centrar a vida num culto vazio ou numa lógica de manutenção, criar medo ao diálogo, ao outro, à rejeição, é deixar de viver animado pelo Espírito de Jesus. É esquecer que o tesouro da fé cristã é para todos, e que a esperança e o amor nos impelem a sair. A perfeição e a santidade concretizam-se mais em todos do que só em alguns (quase sempre iludidos, soberbos e, por isso, uns enormes chatos!). Dá-nos, Senhor, a tua paixão por todos e por cada um, a coragem de romper fronteiras, a pobreza de precisarmos que todos sejam felizes!

P. Vítor Gonçalves
A OPINIÃO DE
P. Manuel Barbosa, scj
Durante quatro dias antes do Carnaval, costuma realizar-se anualmente em Fátima a Semana de Estudos...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Nestes tempos em que o início da Quaresma coincide com um estranho confinamento, explicado por uma pandemia...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES