Domingo |
À procura da Palavra
O “fio tecedor”
<<
1/
>>
Imagem

ASCENSÃO DO SENHOR Ano A

“Todo o poder Me foi dado no Céu e na terra.

Ide e ensinai todas as nações.”

Mt 28, 18-19

Sempre gostei dos anjos que o evangelista Lucas “pintou” no seu relato da Ascensão. Porque, mais do que “comprovarem” que o céu de Deus é para o alto, a seguir ao dos “pardais”, acordam os apóstolos da sua contemplação e não pactuam com a lagriminha no olho. A despedida de Jesus não é uma despedida, mas a confirmação da sua presença de Ressuscitado. E é assim, com a força do Espírito Santo, que Ele chegará ao coração do mundo, pelas palavras e pela vida dos que dizem acreditar n’Ele. Trata-se de olhar para o longe, pois, no aparente afastamento de Jesus a vida ganhou horizontes infinitos, mas com as mãos e os pés no perto, que precisamos tornar melhor e mais belo.

Lembrar a grandeza do horizonte é estar animado pela esperança. A esperança realista e não ingénua, que conhece a maldade e a fealdade, infelizmente tão frequentes, mas não desiste de promover a criatividade e a generosidade que são ainda maiores. Pois a esperança faz isso: onde se via um beco sem saída ela descobre alternativas, onde tudo parecia ser o fim ela inventa novos começos, onde a verdade estava prisioneira, ela ensina a escavar um túnel. “Lembra-te, Red, a esperança é uma coisa boa, talvez a melhor de todas, e nenhuma coisa boa morre!” A frase é de Stephen King, o autor norte-americano de terror e suspense, e é dita no filme “Os Condenados de Shawshank”.

Comunicar esperança e confiança no nosso tempo” é o tema da mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial das Comunicações Sociais. Celebrado há 51 anos, é um dia dedicado aos comunicadores, e aí não estamos incluídos todos nós, produtores e distribuidores de “notícias” que podem chegar a milhares de pessoas? Que “boas notícias” recebemos e espalhamos? Com que “óculos” lemos a realidade, e como educamos o sentido crítico para a leitura de outros? “Para nós, cristãos,” diz o Papa Francisco, “os óculos adequados para decifrar a realidade só podem ser os da boa notícia: partir da Boa Notícia por excelência, ou seja, o «Evangelho de Jesus Cristo, Filho de Deus» (Mc 1, 1). [...] Em Cristo, Deus fez-Se solidário com toda a situação humana, revelando-nos que não estamos sozinhos, porque temos um Pai que nunca pode esquecer os seus filhos. «Não tenhas medo, que Eu estou contigo» (Is 43, 5)”. As parábolas de Jesus, com as imagens e metáforas que falam da humildade e da força das sementes, e as novas parábolas que podemos inventar, dão espaço à liberdade e despertam para a beleza da vida nova em Cristo.

Na escolha do que lemos e ouvimos, no olhar de perto e de longe, e em tudo o que comunicamos exprimimos quem somos e o que desejamos. O imediato e o sonho precisam interpelar-se reciprocamente, para não nos fecharmos no umbigo nem pairarmos sobre o real. Assim, diz o Papa Francisco, “o fio, com que se tece esta história sagrada, é a esperança, e o seu tecedor só pode ser o Espírito Consolador”. Detetar esse fio por entre os acontecimentos, por entre as pessoas e as realidades que se transformam, mostrá-lo e ensinar todos a vê-lo, fazê-lo nosso em abundante sementeira que outros irão colher, não será já o possível que está ao nosso alcance?

P. Vítor Gonçalves
A OPINIÃO DE
Padre Fernando Sampaio
Nenhum pecador pode permanecer na presença de Deus. O Profeta Isaías, depois da visão de Deus, sentiu-se...
ver [+]

Maria José Vilaça
Vivemos estes últimos meses marcados por várias notícias que merecem alguma reflexão. Desde as eleições...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES