Domingo |
À procura da Palavra
Sair e semear
<<
1/
>>
Imagem
DOMINGO XV COMUM Ano A

“Saiu o semeador a semear.”

Mt 13, 3

 

Eis chegado o verão, tempo em que muitos saem das rotinas habituais para uns dias de férias. Saídas para longe ou para mais perto, para a calma ou para a confusão, para a descoberta ou para o reencontro. E não será importante descobrir que as verdadeiras férias se fazem “por dentro” e não apenas “por fora”? Mesmo quem não possa ir para longe, pode sempre ir mais longe na aventura da beleza do que está perto e tantas vezes não se repara! Podem as férias rimar com “colheita”, com aprendizagem para melhores sementeiras? Jesus parece convidar-nos a essa atitude.

Das sete parábolas que Jesus nos oferece no capítulo 13 de S. Mateus, a primeira e mais longa é a do semeador. O grande pregador e autor maior da literatura que foi o P. António Vieira inspirou-se nela para o Sermão da Sexagésima: “Cristo comparou o pregador ao semeador. O pregar que é falar faz-se com a boca; o pregar que é semear, faz-se com a mão. Para falar ao vento, bastam palavras; para falar ao coração, são necessárias obras. Diz o Evangelho que a palavra de Deus frutificou cento por um. Que quer isto dizer? Quer dizer que de uma palavra nasceram em palavras? -- Não. Quer dizer que de poucas palavras nasceram muitas obras.” As parábolas de Jesus têm um duplo movimento: trazem a realidade distante para junto dos que a ouvem e meditam, e colocam os ouvintes em “saída”, para uma novidade que transforma a sua existência.

Para semear é preciso sair. Sair das seguranças e egoísmos que nos acomodam. É a saída de quem educa e de quem evangeliza. É preciso ir ao encontro dos outros, escutar e falar aos homens e mulheres de hoje, deixar a instalação dos pequenos mundos caseiros e eclesiais. Não para impor nem conquistar, mas para lançar sementes. A semente que é a possibilidade de encontro com Jesus e com a vida que ele oferece. Mas será que se pode semear aquilo que não se vive? Poderão os pais   educar os filhos com regras e valores que não assumem? Uma comunidade que não vive a alegria de seguir Jesus pode oferecer as sementes do Evangelho?

A força das sementes desta parábola é extraordinária. Se encontram um pouco de terra, nascem, e se a terra não tem espinhos nem pedras, frutificam com abundância. É espantosa também a generosidade do semeador, que não escolhe os terrenos, e espalha as sementes às mãos largas. Mais do que a eficácia e o lucro, parece privilegiar que nenhum terreno fique sem receber sementes. Nestes dias de balanços escolares (e outros!) o que valorizamos mais? Os resultados quantitativos ou a aprendizagem de sermos melhores homens e mulheres? Que sementes oferecemos? Não apenas as palavras, mas que valores e convicções irradio e contagio? Como ajudo a crescer aqueles que digo amar? Sim, Jesus sai sempre a semear-se em nós; saímos também para os outros levando as boas sementes que frutificam na nossa vida?

P. Vítor Gonçalves
A OPINIÃO DE
Padre Fernando Sampaio
Nenhum pecador pode permanecer na presença de Deus. O Profeta Isaías, depois da visão de Deus, sentiu-se...
ver [+]

Maria José Vilaça
Vivemos estes últimos meses marcados por várias notícias que merecem alguma reflexão. Desde as eleições...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES