Mundo |
Paquistão: a história de Ghulam, enforcado por não renunciar à fé
O preço da vida
<<
1/
>>
Imagem

Foi preso, torturado e condenado à morte. Mesmo sem provas. Já na prisão, ofereceram-lhe uma oportunidade para se salvar: renunciar à fé em Jesus e converter-se ao Islão. Recusou. Foi enforcado no passado dia 13 de Agosto. A história de Indaryas Ghulam é reveladora de como os Cristãos são perseguidos e maltratados no Paquistão.

Foram dias trágicos. Primeiro, em Março de 2015, quando, em consequência de um duplo atentado suicida contra duas igrejas num bairro cristão de Lahore, morreram 19 pessoas e mais de 70 ficaram feridas. Os ataques, reivindicados por um grupo radical talibã, mereceram então o pronto repúdio do Santo Padre, tendo Francisco alertado, uma vez mais, para a “perseguição” contra os Cristãos, que “derramam o seu sangue” apenas por causa da fé. Depois, na sequência desses ataques, gerou-se uma enorme onda de revolta e repúdio em Lahore, tendo ocorrido alguns episódios de violência. Num desses episódios, dois muçulmanos foram mortos pela população. As autoridades acusaram logo, entre outros, Indaryas Ghulam, de 38 anos, de ter sido um dos responsáveis pelos crimes. Mesmo sem provas. De nada valeram os protestos de inocência.

 

Preso, torturado e morto

No passado dia 13 de Agosto, um domingo, Indaryas Ghulam foi enforcado na prisão, cumprindo-se assim a condenação à morte ditada por um sistema judicial corrupto e desleal. Quando foram autorizadas a recolher o cadáver, a viúva, de 36 anos, e as filhas, de 6, 10 e 12 anos, ficaram chocadas com os evidentes sinais de tortura que o corpo de Indaryas revelava, com vários cortes e queimaduras. Preso, torturado e morto por um crime que não cometeu, a história de Indaryas Ghulam é reveladora do perverso clima de perseguição que se tem abatido no Paquistão contra a comunidade cristã. O procurador Syed Anees Shah, responsável pela acusação e enforcamento de Ghulam, fez-lhe uma proposta terrível e inaceitável num Estado de Direito: ele seria libertado se aceitasse converter-se ao Islão. Ghulam recusou, sabendo que, com essa decisão, estava a assinar a sua própria sentença de morte.

 

Sem tratamentos

Ghulam é agora um mártir. Os últimos dias na prisão de Lahore devem ter sido horríveis. Além da tortura, da enorme violência a que foi submetido, além da pressão do procurador para que renunciasse à sua fé em Jesus, sabe-se agora que Indaryas Ghulam estava também muito doente. Tendo contraído tuberculose cerca de três meses antes dos atentados às duas igrejas em Lahore, as autoridades não permitiram que ele tomasse qualquer medicamento, deixando-o dia para dia cada vez mais enfraquecido. A morte, chocante, de Indaryas, provocou a revolta na comunidade local e veio lembrar ao mundo como é tão frágil o valor da vida dos Cristãos no Paquistão. De nada valeu a Indaryas ter afirmado, ter gritado, que estava inocente.

 

Lembrar Asia Bibi

À falta de provas, as autoridades torturaram-no, golpearam o seu corpo. Queimaram-no. Como não lhe arrancaram uma confissão, propuseram-lhe que renegasse a fé em Jesus em troca da liberdade. A sua recusa valeu-lhe a morte por enforcamento. A história de Indaryas vem recordar o caso, igualmente trágico, de Asia Bibi. Esta cristã, acusada de blasfémia por ter bebido um copo de água de um poço, foi também condenada à morte. O seu caso arrasta-se desde 2009. A vida de Asia Bibi depende apenas de um último recurso no Supremo Tribunal de Justiça. A história de Indaryas Ghulam, assim como a de Asia Bibi, é reveladora de como os Cristãos são ignorados, perseguidos e humilhados no Paquistão. A história de Indaryas Ghulam, assim como a de Asia Bibi, são também a prova de que há cristãos que colocam a fidelidade a Jesus acima de tudo. Até quando arriscam a própria vida. Temos tanto a aprender com eles. Qual é o preço da nossa vida?

texto por Paulo Aido, Fundação Ajuda à Igreja que Sofre
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
António Bagão Félix
Na semana passada li uma entrevista com um candidato a deputado (cabeça-de-lista) pelo circulo eleitoral do Porto.
ver [+]

P. Manuel Barbosa, scj
Com “missão nas férias” não quero propor programas de férias missionárias, nem dizer que a missão está de férias.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES