Lisboa |
Cáritas Paroquial de Alcobaça
Gestos diários de solidariedade
<<
1/
>>
Imagem

A Cáritas Diocesana de Lisboa assinalou, entre 25 de fevereiro e 4 de março, a Semana Nacional Cáritas, em Alcobaça. O Jornal VOZ DA VERDADE foi conhecer os frutos desta iniciativa e o trabalho diário da Cáritas local que tem por missão “atuar no momento” e “não deixar faltar nada”.

 

É um apoio de emergência para todos os que se “abeiram”. O trabalho desenvolvido pela Cáritas Paroquial de Alcobaça, criada há quase cinco anos, é essencial e imediato para quem vê, num ápice, a sua vida dar uma volta que carece de uma resposta urgente e não complacente com demoras. “Quando alguém precisa, não pode estar à espera que a sua situação seja resolvida numa reunião camarária ou da Segurança Social. Temos que atuar no momento”, sublinha ao Jornal VOZ DA VERDADE a coordenadora da Cáritas Paroquial de Alcobaça, Maria Carolina Ribeiro.

São várias as ajudas que este grupo, constituído por 12 voluntárias, oferece ao longo de todo o ano. Contam-se contributos para a compra de medicamentos, comida, pagamentos de rendas, faturas da luz ou água. “É essa a nossa preocupação e o nosso trabalho: no momento em que alguém tem necessidade, que não lhe falte”, indica a coordenadora. Para esta antiga professora do Ensino Básico, já reformada, a ação da Cáritas Paroquial de Alcobaça, apesar de ter maior destaque por altura do Natal e, recentemente, com a Semana Nacional da Cáritas, é visível durante todo o ano e conta com o apoio de muitos benfeitores. “No Natal, damos 100 cabazes a famílias carenciadas. De entre essas, existem algumas que recebem apoio durante todo o ano. Também apoiamos cerca de 30 famílias com medicamentos – o que nos faz ter uma despesa mensal entre 300 a 500 euros, só em medicação. Já tivemos necessidades muito urgentes e, como não tínhamos capacidades económicas, socorremo-nos da Cáritas Diocesana de Lisboa e todos os pedidos foram sempre aceites. Sem essa ajuda, não tínhamos hipótese”, garante Maria Carolina Ribeiro.

 

Sensibilização

A Semana Nacional da Cáritas de Lisboa levou a Alcobaça, entre os dias 25 de fevereiro e 4 de março, várias iniciativas (ver caixa) que contribuíram para uma “maior sensibilização e conhecimento” do trabalho que é desenvolvido por esta organização da Igreja Católica. Organizada pelas Cáritas de Alcobaça e de Coz, a Semana Cáritas na diocese permitiu fortalecer sinergias nas respostas a dar, numa realidade que também é semelhante. Para Carlos Dias, voluntário da Cáritas de Coz, o envolvimento na organização da Semana Nacional da Cáritas de Lisboa foi muito importante. “Achamos que este trabalho de colaboração cada vez se torna mais útil e necessário. É um trabalho muito positivo e estamos abertos para futuros trabalhos deste género”, garante Carlos.

A coordenadora da Cáritas de Alcobaça, Maria Carolina Ribeiro, destaca a importância do jantar com os empresários locais, onde se falou sobre o tema do empreendedorismo e solidariedade, e se chamou a atenção para uma “causa” que se quer que seja de todos: o restauro de uma casa com 60 anos, apelidada de ‘património dos pobres’. “Foi construída pelas conferências vicentinas e agora está a precisar de restauro. Já restaurámos o telhado, com a ajuda da Câmara Municipal de Alcobaça e de uma empresa de telhas. Agora, faltam restaurar os interiores. É uma casa abrigo, que se destina a acolher, temporariamente, alguém que precise de pernoitar”, explica esta voluntária.

Outro dos frutos que resultaram das iniciativas organizadas durante a Semana Nacional da Cáritas Diocesana de Lisboa, em Alcobaça, foi o nascimento de um Grupo Juvenil Cáritas, durante a visita a uma escola profissional da região. “É um grupo que irá trabalhar em conjunto connosco. Precisamos de gente nova!”, apela Maria Carolina Ribeiro.

 

Dificuldades

Em Alcobaça, são vários os momentos, ao longo do ano, em que, quem por lá passa, não passa sem se dar conta das ações da Cáritas local. Mas é a angariação de fundos com a ‘Venda de Natal’ que tem maior visibilidade. Segundo esta voluntária, o espaço que foi oferecido, pela autarquia, no último Natal “foi muito bom e muito central”. A venda “correu muito bem, melhor do que nos outros anos. De tal forma que, depois de conversarmos, pensámos em fazer uma venda na Páscoa”, revela a coordenadora da Cáritas de Alcobaça, gracejando que todas as vendas que se têm feito “correm sempre bem, até porque o lucro é sempre de 100% e as funcionárias não tem ordenado”.

Na origem da recente criação da Cáritas Paroquial de Alcobaça, há quase cinco anos, esteve o trabalho já realizado pela Pastoral Sóciocaritativa e pelas conferências vicentinas naquela paróquia. Maria Carolina Ribeiro está à frente desta organização desde a sua criação e lembra o desafio que lhe foi proposto pelo anterior pároco de Alcobaça, padre Carlos Jorge, destacando também o apoio do atual pároco, padre Ricardo Cristóvão. “Sempre que precisamos de fazer alguma atividade da Cáritas, temos sempre o apoio da paróquia e dos paroquianos”, garante.

Apesar de sentirem muito apoio também por parte de empresas, o grupo de 12 voluntárias destaca a dificuldade que existe para o cumprimento de todos os pedidos que chegam e para a realização da respetiva triagem. “Essa é das maiores dificuldades porque nós queremos ser justas e, por vezes, estamos com receio de não conseguir. Por isso, estamos sempre a pedir para que nos informem quando souberem que a Cáritas falhou em alguma coisa. É assim que nós conseguimos melhorar a nossa organização”, afirma a coordenadora da Cáritas Paroquial de Alcobaça.

 

Momento alto

Maria Carolina Ribeiro foi professora do Ensino Básico durante 45 anos e sempre esteve ligada à Igreja e à terra de Alcobaça, onde “todos se conhecem como se fosse uma aldeia”. A confiança que a população tem depositado no trabalho da Cáritas tem contribuído para que a solidariedade seja, cada vez mais, um gesto diário. “São mais as pessoas que chegam junto a nós e nos põem uma nota no bolso, do que aquilo que, às vezes, lhes vamos pedir. As pessoas são muito solidárias e não nos dizem que não, e nunca ninguém põe em dúvida o nosso trabalho. Sinto que confiam em nós”, assume.

De entre tantas iniciativas de carácter social onde já participou, a que “enche mais o coração” de Maria Carolina Ribeiro, e de todas as voluntárias, é a Missa com os idosos que se realiza, todos os anos, no Mosteiro de Alcobaça. “É muito fácil organizar uma Eucaristia com os idosos, mas não é fácil levá-los ao mosteiro, pela falta de acessibilidades. Mas nesse dia, com a ajuda dos bombeiros, das famílias, dos elementos dos lares, dos escuteiros, dos jovens e de todos, fazemos ali uma grande família. É encantador”, partilha a coordenadora voluntária. 

 

________________


Cáritas Paroquiais

No Patriarcado de Lisboa, existem atualmente 14 Cáritas Paroquiais: Abrigada, Agualva, Alcobaça, Apelação, Benedita, Camarate, Castanheira do Ribatejo, Falagueira, Montelavar, Óbidos, Ota, Vila Franca de Xira, Vilar e Coz.

 

________________


Semana Nacional Cáritas

Juntos por uma causa

Focada durante muitos anos sobretudo nos quatro dias do peditório nacional, a Semana Nacional Cáritas, considerada a partir da programação construída pela Cáritas Diocesana de Lisboa (CDL), tem procurado ser muito mais uma sucessão de encontros mobilizadores de comunidades locais, que ousam mesmo ir além do universo estritamente paroquial.

Em 2017, a CDL esteve em São Romão de Carnaxide. Em 2018, entre 25 de fevereiro e 4 de março, o seu epicentro foi a cidade de Alcobaça. Com um programa construído com o apoio da Cáritas Paroquial de Alcobaça e de Coz, e do qual também fez parte o peditório anual, a CDL esteve ao lado dos mais idosos e doentes, desafiou alunos da Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Cister (EPADRC) a serem Cáritas Juvenil, debateu com outras IPSS, numa partilha de saber, experiências e práticas, os desafios que se colocam, neste século XXI, ao envelhecimento de todos, apresentou a causa que vai estar no seu coração, no decorrer de 2018, até à próxima Semana Nacional, agrupando à volta dela empresários, professores, poderes locais, organizações; reuniu com as crianças da catequese e seus pais, com Grupos Paróquias de Ação Social (GPAS) e com alguns elementos do agrupamento de escuteiros. E concluiu a Semana proporcionando aos seus colaboradores e amigos uma viagem cultural emanada da celebração da Eucaristia do Domingo.

Apesar do mau tempo, a semana foi intensa, cheia de uma incansável generosidade por parte das Cáritas Paroquiais, tendo conseguido uma razoável participação de diversos públicos, dos mais novos aos mais crescidos.

Um dos seus pontos altos, num dia subordinado ao tema ‘Cáritas Empreendedora’, foi a apresentação pública do Biscoito Solidário. O valor angariado com a venda deste biscoito destina-se a contribuir para a remodelação da casa que vai acolher pessoas ou famílias vítimas de todo o tipo de violência – uma iniciativa que tem por nome: ‘Juntos por uma causa’.

O jantar com empresários da terra e com as entidades civis teve como oradores-convidados Jorge Líbano Monteiro, Secretário-Geral da ACEGE (Associação Cristã de Empresários e Gestores), Manuel Castelhano, da Cooperativa Agrícola de Alcobaça, e Jorge Soares, da APMA (Associação de Produtores da Maçã de Alcobaça).

Um terceiro momento aconteceu, em dias separados, com um grupo de alunos da escola EPADRC e elementos dos escuteiros, com quem se refletiu a condição humana e a responsabilidade sobre os outros. A reflexão levou à criação de uma estratégia sobre conseguir angariar dinheiro, roupa e alimentos.

texto e fotos por Cáritas Diocesana de Lisboa

texto por Filipe Teixeira; fotos por Cáritas Diocesana de Lisboa e FT
Na Tua Palavra
Ir à Missa faz bem
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
P. Nuno Amador
No dia 2 de abril de 2005, morreu o Papa João Paulo II. Foi num sábado à tarde, início do Domingo da...
ver [+]

Isilda Pegado
1 – O Tribunal Constitucional chumbou, no passado mês de Abril (Ac. 225/2018), a chamada “maternidade...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES