Domingo |
À procura da Palavra
Dos gritos ao silêncio
<<
1/
>>
Imagem
DOMINGO DE RAMOS Ano B

“Salvou os outros e não pode salvar-Se a Si mesmo!

Esse Messias, o Rei de Israel, desça agora da cruz,

para nós vermos e acreditarmos.”

Mc 15, 31-32

 

Há três gritos que fazem eco nas celebrações da Páscoa. Três gritos dirigidos a Jesus: o primeiro de aclamação, o segundo de raiva e ódio, e o terceiro de alegria jubilosa. Gritos de homens e mulheres, de multidões diferentes mas tão próximas, de pessoas anónimas e conhecidas, gritos meus também. “Hossana” quando Jesus entra em Jerusalém; “Crucifica-o!” ao responderem a Pilatos; “Aleluia” desde a aurora da ressurreição. É o caminho da glória humana, sempre atraiçoada pela morte, mas renovada pelo amor até o fim, o único que não tem mais fim.


O acolhimento messiânico que Jesus não rejeita tem a marca de um entusiasmo pouco enraizado. É a dificuldade de aclamar um rei “que não é deste mundo”, mesmo que desejássemos muito que ele trouxesse a solução todos os problemas. Haverá sempre equívocos sobre o poder de Deus enquanto não nos identificamos com o seu poder que é servir, amar e dar vida. “Nós somos fortes dominando; Deus é forte submetendo-se”, dizia François Varillon. E se refazemos em liturgia esta aclamação com ramos, num caminho feito juntos, o vermelho das vestes dos padres lembra que é com sangue dado por amor que existe salvação. Porque ninguém se salva sozinho!


Ouvir a narrativa da Paixão escrita por S. Marcos, o primeiro a escrevê-la, parece convidar-nos a fazermos parte dela. A identificarmo-nos com os muitos personagens, a olhar para Jesus a partir de muitos pontos de vista, e a reconhecermo-nos em alguns. Talvez nos revejamos nos discípulos, ora adormecidos, ora em fuga; quem sabe, em Simão de Cirene, a levar uma cruz que não é nossa; ou nas mulheres a observar onde punham o corpo de Jesus. Não acreditaríamos também melhor se Ele se salvasse a si mesmo e saísse da cruz, como dizem alguns? Impressiona o crescente silêncio de Jesus; no fim, já só se dirige ao Pai. E é um pagão, o executor da sentença, que ao vê-l’O expirar faz a mais cristã das afirmações: “…este homem era Filho de Deus”!

 

A identificação com Jesus é possível porque Ele se identificou connosco. Deus surpreende no seu rosto crucificado. É o rosto de todos os crucificados, de todos os tempos e lugares. Não há cristianismo onde haja esquecimento de quem sofre. Quando a cultura da indiferença e do acomodamento atrofiam a fome e sede de justiça, e adormecem o amor concreto aos crucificados do mundo, o culto a Deus é falso e escandaloso. É lembro-me do que dizia B. Franklin, certamente num plano educativo: “O que me dizes, esqueço; o que me ensinas, lembro; aquilo em que me envolves, aprendo!” Silenciosamente, Jesus envolve-nos no único poder que transforma e salva: esvaziar-se para amar e servir!

P. Vítor Gonçalves
A OPINIÃO DE
Isilda Pegado
1. Somos hoje, e desde há várias décadas, confrontados com leis e comportamentos que criam fraturas...
ver [+]

P. Duarte da Cunha
São cada vez mais as pessoas que perguntam o que é específico da fé cristã. Sobretudo à volta da época do Natal.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES