Editorial |
P. Nuno Rosário Fernandes
Educação em causa?
<<
1/
>>
Imagem

Esta semana fui surpreendido com a notícia do fecho do Colégio Salesiano de Poiares, no concelho de Peso da Régua. Segundo a notícia publicada, esta decisão de encerramento deve-se ao facto da perda do regime de contrato de associação com o Ministério da Educação, afectando 225 alunos, 25 funcionários, 21 professores e uma aldeia do Douro vinhateiro que tinha neste colégio o seu motor social e económico.

No mesmo relato era apontado que a Poiares chegavam alunos da Régua, Vila Real e de outros concelho próximos, bem como professores e funcionários, e que outros pequenos negócios da região subsistiam porque, também, prestavam serviços para aquela escola. E mais: naquela região não existem alternativas de emprego o que vai trazer repercussões sociais. Segundo responsáveis daquele colégio, “com as alterações aos contratos de associação, o colégio perdeu turmas e, devido às novas regras de domiciliação fiscal, os alunos de, por exemplo, Vila Real, já não podem ir para ali estudar”.

Esta é uma questão que já não é nova e que, nos últimos anos, tem levado a diversas manifestações públicas, dado que afeta muitas escolas no país, algumas que, inclusive, se destacam nos rankings nacionais da qualidade de ensino.

Esta notícia fez-me pensar, sobretudo, no perigo que estamos a correr ao ficar sujeitos, apenas, àquilo que é a educação oferecida pelo Estado, não possibilitando a escolha aos pais, e sujeitando a planos de educação onde se vai querendo influenciar para a liberdade e a normalidade de determinados comportamentos humanos.

Em determinadas situações, e não conhecendo a gestão das escolas que correm graves riscos de encerramento, poderemos estar a falar de instituições privadas que terão, com certeza, os seus objectivos lucrativos. As escolas salesianas, por seu lado, são a concretização de uma missão iniciada pelo seu fundador, São João Bosco, que viu na educação a oportunidade de “formar bons cristãos e honestos cidadãos”.

Hoje, saber do encerramento de uma escola salesiana, num lugar do interior do país que, como refere a dita notícia, pode pôr em causa a saída daquela comunidade religiosa daquele lugar, é perspectivar um abandono de comunidades, deixando de lado uma obra social, cultural e religiosa dado que os sacerdotes salesianos têm também a responsabilidade de acompanhar as paróquias vizinhas. Por isso, não é apenas a educação que está em causa, mas a vida de várias comunidades.

 

Editorial, pelo P. Nuno Rosário Fernandes, diretor

p.nunorfernandes@patriarcado-lisboa.pt

A OPINIÃO DE
José Luís Nunes Martins
Talvez ainda tenha oportunidade para me perguntar sobre o que andei a fazer durante tanto tempo. Por...
ver [+]

P. Manuel Barbosa, scj
Nestes tempos de pandemia têm surgido orientações e reflexões para a vida cristã em família, em comunidade,...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES